Construção da lenda napoleônica

Construção da lenda napoleônica

Fechar

Título: Bonaparte em visita às vítimas da peste de Jaffa, 11 de março de 1799.

Autor: GROS Antoine-Jean (1771 - 1835)

Escola: Romantismo

Data de criação : 1804

Data mostrada: 11 de março de 1799

Dimensões: Altura 532 - Largura 720

Técnica e outras indicações: Controlado pelo estado; gravura datada de 1830) Óleo sobre tela

Local de armazenamento: Site do Museu do Louvre (Paris)

Copyright do contato: © Foto RMN-Grand Palais

Referência da imagem: 85EE1390 / INV 5064

Bonaparte em visita às vítimas da peste de Jaffa, 11 de março de 1799.

© Foto RMN-Grand Palais

Data de publicação: agosto de 2011

Vídeo

Construção da lenda napoleônica

Vídeo

Contexto histórico

A campanha egípcia (1798-1799) faz parte do que se chamou de “sonho oriental” de Bonaparte, uma das primeiras manifestações do qual foi a anexação das Ilhas Jônicas durante o Tratado de Campo Formio (18 de outubro de 1797 )

Dependência do sultão, o Egito estava sob o governo teórico de Beys, dominado pela milícia dos mamelucos. A expedição - 36.000 homens - deixou Toulon em 19 de maio de 1798 e chegou a Alexandria em 2 de julho. Dois dias após a Batalha das Pirâmides (21 de julho), Bonaparte entrou no Cairo, mas em 23 de julho, a destruição da frota francesa pelo almirante Nelson, perto de Aboukir, garantiu à Inglaterra o controle de Mediterrâneo.

A revolta do Cairo e a declaração de guerra da Turquia (9 de setembro) forçaram Bonaparte a pegar em armas novamente. O general foi à Síria para impedir a invasão turca: a captura de Jaffa (6 de março de 1799) é um dos episódios desta segunda campanha. Durante o cerco à cidade, uma epidemia de peste começou a se espalhar entre as tropas francesas.

Análise de imagem

Sob as arcadas de uma mesquita convertida em hospital de campanha, Bonaparte toca as pústulas de um soldado em pé, meio vestido com um lençol. Desgenettes, o oficial médico-chefe do exército, observa de perto o general enquanto um soldado tenta separar a mão de Bonaparte para impedi-lo do contágio.

À direita, outro soldado, completamente nu, apoiado por um jovem árabe, é enfaixado por um médico turco. Um oficial com oftalmia aproximou-se dele, apoiado em uma coluna.

Em primeiro plano, um paciente morre de joelhos de Masclet, um jovem cirurgião militar afetado pela doença. Atrás do general, dois oficiais franceses aparecem assustados com o contágio: um protege a boca com o lenço enquanto o outro se afasta.

À esquerda da composição, entre os enfermos deitados no chão, está um majestoso grupo de árabes distribuindo alimentos.

Interpretação

A mesa de Vítimas da peste de Jaffa foi ordenado de Gros por Bonaparte como compensação pela retirada da ordem de Batalha de Nazaré, outro episódio da campanha egípcia em que o general Junot era muito famoso. O programa foi ditado a ele por Dominique Vivant Denon, diretor do Louvre, que havia participado da expedição, e a pintura foi concluída em seis meses para o Salão de 1804, inaugurado em 18 de setembro, poucas semanas antes da coroação de Napoleão.

Esta magnífica composição, na qual irrompe o gênio de Gros como colorista, visava mostrar a coragem de Bonaparte que, para apaziguar a ansiedade de suas tropas diante dos estragos da peste, se expôs ao contágio em visitando soldados doentes no hospital de Jaffa. Mas, em 1804, esse fato militar bastante banal poderia servir para credenciar a legitimidade das aspirações imperiais de Bonaparte: o gesto do general tocando com serenidade soberana as pústulas de um paciente referido, na consciência dos contemporâneos, a este momento do ritual do coroação onde o rei da França exerceu seu poder taumatúrgico tocando a escrófula dos leprosos ...

  • Egito
  • epidemias
  • Guerras Napoleônicas
  • Lenda napoleônica
  • Bonaparte (Napoleão)
  • Leste
  • praga
  • Peru

Bibliografia

André CHASTEL, Arte francesa, t. 4, The Time of Eloquence 1775-1825, Paris, Flammarion, 2000.

Roger DUFRAISSE, Roger Michel KERAUTRET, França napoleônica. Aspectos externos, Paris, Seuil, col. “Points Histoire”, 1999.

Annie JOURDAN, Napoleão, herói, imperador, patrono, Aubier, 1998.

Jean TULARD (dir.), Dicionário napoleão, Paris, Fayard, 1987, novo. ed. 1999.

Jean TULARD (dir.), A história de Napoleão através da pintura, Paris, Belfond, 1991.

COLETIVO, De David a Delacroix, catálogo da exposição no Grand Palais, Paris, Grand Palais, 1974-1975.

Para citar este artigo

Robert FOHR, "Construindo a Lenda Napoleônica"


Vídeo: Revolução Francesa II