CVE-16 U.S.S. Nassau - História

CVE-16 U.S.S. Nassau - História

Nassau
(CVE-16: dp. 9.800; 1,495'8 "; b. 111'6", dr. 26 '; s. 18 k .;
cpl. 890; uma. 2 5 ", 20 40 mm., 21 ae.; Cl. Bogue; T. C3-S-A1)

Nassau (CVE-16) foi estabelecido em 27 de novembro de 1941 pela Seattle-Taeoma Shipbuilding Corp., Taeoma, Washington, como M C ~ Hull No. 234; lançado em 4 de abril de 1942; patrocinado pela Sra. G. H. Hasselman, Tongue Point, Oregon, adquirido pela Marinha em 1º de maio, rebocado para o Puget Sound Navy Yard, Bremerton, Washington, e convertido em um guarda-costas de escolta; e comissionado em 20 de agosto, Capitão Austin K. Doyle em eommand.

No dia 10 de outubro, Nassau chegou à Naval Air Station, Alameda, Califórnia, com a aeronave carregada, e quatro dias depois partiu para Pearl Harbor, de lá para a Ilha de Palmyra, chegando em 30 de outubro. Nos quatro meses seguintes ela operou entre Palmyra e Noumea, Nova Caledônia e Espiritu Santo, Novas Hébridas.

Nassau voltou a Pearl Harbor em 14 de fevereiro de 1943 'embarcou pessoal e aeronaves, e partiu no dia 21 em uma missão de balsa para Espiritu Santo. Ela voltou para Pearl Harbor em meados de março e depois continuou para Alameda, Califórnia. Em abril, ela se mudou para San Diego e eondueteu as operações de treinamento de vôo, após o que ela se encontrou com o Grupo de Tarefa 51.1 e navegou para Cold Bay, Alasca, com o embarque do VC-21.

Nassau iniciou uma missão de busca em 4 de maio e realizou operações de vôo com a Força-Tarefa 51, fornecendo cobertura aérea para a ocupação da Ilha Attu de 11 a 20 de maio. Ela voltou a San Diego no final de maio, chegou à Alameda em 8 de junho e carregou 45 aeronaves com destino a Brisbane, Austrália. Ela entregou a aeronave em 2 de julho e voltou para San Diego via Noumea, Nova Caledônia.

Em agosto, ela treinou fora de San Diego antes de transportar aviões para Samoa. Voltando de Samoa para San Diego, 19 de outubro

Nassau embarcou no Marine Fighter Squadron 225 para a passagem até Pearl Harbor. Chegando no dia 30, ela conduziu operações aéreas fora de Pearl Harbor durante os primeiros dias de novembro e no dia 7 ela embarcou no VF-1 e navegou para as Ilhas Gfllert para operações com a Força-Tarefa 52.

A missão de Nassau era transportar o VF-1 para Tarawa e enviá-lo para terra assim que as instalações estivessem disponíveis. A invasão de Tarawa começou em 20 de novembro, mas encontrou forte resistência. Como resultado, o VF-1 foi designado para patrulha de combate e bombardeio e metralhamento a partir do primeiro navio em apoio às tropas de assalto. O Esquadrão voou um total de 106 missões e gastou 237 horas de vôo em quatro dias de operações sem perder um único avião ou piloto.

Nassau retornou a Pearl Harbor em 5 de dezembro após as operações de voo. Ela então navegou para as Ilhas Marshall com Ta ~ sk Grupo 51.2 e lançou ataques em 29 de janeiro de 1944 contra o Campo de Taroa no Atol de Maloelap. No dia seguinte, o Grupo de Tarefa centrou suas operações em torno dos Atóis de Kwajalein, Wotje e Maloelap, com Nassau eonduetindo patrulhas aéreas anti-submarinas e de combate.

Nassau retornou a Pearl Harbor em 3 de março, desembarcou VC-66 e embarcou em aeronaves, cargas e passageiros de balsa para as Ilhas Marshall. Ao longo de março, missões de balsa foram realizadas entre Kwajalein, Majuro e Pearl Harbor. Depois de reparos e alterações no Estaleiro da Marinha da Ilha Mare, o primeiro partiu com 51 aeronaves para Finsehhafen, Nova Guiné, em 5 de maio. Nos quatro meses seguintes, ela realizou missões de balsa de San Diego a Pearl Harbor, os Almirantados e as Ilhas New Hebrides.

Após a chegada ao Porto de Seeadler em 1 de setembro, Nassau relatou ao Comandante Grupo de Trabalho 30.8. Assim começou sua jornada de serviço com a 3ª frota do Almirante Halsey, que tornou a história naval imprevisível nos meses seguintes. A missão de Nassau era operar fora do Almirantado com outras escoltas para fornecer aeronaves e pilotos de substituição para os porta-aviões de ataque da Força-Tarefa 38. Vaporizando na companhia dos grupos de petroleiros, que reabasteciam os navios da Força-Tarefa no mar, Nassau fez três cruzeiros para o oeste do Pacífico. Ela voltou para o Almirantado com aeronaves desativadas que eram destinadas ao embarque para Pearl Harbor ou os Estados Unidos para recondicionamento.

A primeira dessas viagens de substituição foi em apoio aos ataques contra Palau, a segunda em apoio às operações contra o sul e o centro das Filipinas. Em seguida, a Força-Tarefa 38 mudou para alvos mais ao norte nas Filipinas e Formosa. Nassau chegou a Manus em 20 de outubro. Depois de descarregar aeronaves antigas e assumir novas, ela partiu para sua última viagem de reposição. Viajando para o Atol Ulithi nas Ilhas Carolinc, ela se juntou aos Grupos de Tarefas 38.1 e 38.3 em 28 de outubro e transferiu 70 aeronaves e 43 pilotos para os primeiros atts ~ ok.

A Unidade de Tarefa 12.6.1, composta por Nassau, Tennessee, e quatro outros navios navegaram para Pearl Harbor em 5 de novembro, chegando no dia 16. Dois dias depois, Nassau foi despachado para San Diego. Entre seus passageiros estavam 382 sobreviventes do porta-aviões Pr ~ nceton (CVL-23), que foi afundado na Batalha pelo Golfo de Leyte em 24 de outubro de 1944 Outra missão de balsa para Pearl Harbor ocorreu em meados de novembro, com mais três viagens para Guam em dezembro , Janeiro e fevereiro. Nassau voltou para Alameda, Califórnia, em 23 de março e, durante o restante da guerra, realizou missões de transporte e balsa entre Alameda, Pearl Harbor, Guam, Manus, Samar e Saipan.

Nassau partiu da Alameda em 13 de maio de 1946 para Tacoma, Washington. Em 28 de outubro, ela descomissionou e entrou na Frota de Reserva do Pacífico. Designada para modificação para fins de transporte de balsas aéreas, sua classificação de classe foi alterada para CVH ~ 16, 12 de junho de 1955. Pouco depois, ela foi transferida para o Grupo de Reserva de Bremerton e foi retirada do Registro da Marinha em 1º de março de 1959. Em junho de 1961 ela foi rebocada ao Japão para demolição.

Nassau recebeu cinco estrelas de batalha pelo serviço prestado na Segunda Guerra Mundial.


CVE-16 U.S.S. Nassau - História

UM ATO para estabelecer um programa para a preservação de propriedades históricas adicionais em toda a nação, e para outros fins, aprovado em 15 de outubro de 1966 (Lei Pública 89-665 80 STAT.915 16 USC 470) conforme alterado pela Lei Pública 91-243, Lei Pública 93-54, Lei Pública 94-422, Lei Pública 94-458, Lei Pública 96-199, Lei Pública 96-244, Lei Pública 96-515, Lei Pública 98-483, Lei Pública 99-514, Direito Público 100-127 e Lei Pública 102-575).

Itálico indica novo texto.

Strikeout indica que o texto foi removido.

Seção 1 (16 U.S.C. 470)

(a) Esta lei pode ser citada como a "Lei de preservação histórica nacional."

(b) O Congresso encontra e declara que-

(1) o espírito e a direção da Nação são fundamentados e refletidos em seu patrimônio histórico

(2) os fundamentos históricos e culturais da Nação devem ser preservados como uma parte viva de nossa vida e desenvolvimento comunitário, a fim de dar um sentido de orientação ao povo americano

(3) propriedades históricas significativas para o patrimônio da Nação estão sendo perdidas ou substancialmente alteradas, muitas vezes inadvertidamente, com frequência crescente

(4) a preservação deste patrimônio insubstituível é de interesse público, de modo que seu legado vital de benefícios culturais, educacionais, estéticos, inspiradores, econômicos e energéticos seja mantido e enriquecido para as futuras gerações de americanos

(5) em face das extensões cada vez maiores de centros urbanos, rodovias e empreendimentos residenciais, comerciais e industriais, os atuais programas e atividades governamentais e não governamentais de preservação histórica são inadequados para garantir às gerações futuras uma oportunidade genuína de apreciar e desfrutar do rica herança de nossa nação

(6) o maior conhecimento de nossos recursos históricos, o estabelecimento de melhores meios de identificá-los e administrá-los e o incentivo à sua preservação melhorará o planejamento e a execução de projetos federais e federais assistidos e ajudará no crescimento e desenvolvimento econômico e

(7) embora os principais fardos da preservação histórica tenham sido suportados e grandes esforços iniciados por agências privadas e indivíduos, e ambos devam continuar a desempenhar um papel vital, é, no entanto, necessário e apropriado para o Governo Federal acelerar seus programas de preservação histórica e atividades, para dar o máximo de incentivo às agências e indivíduos que empreendem a preservação por meios privados, e para ajudar os governos estaduais e locais e o National Trust for Historic Preservation nos Estados Unidos a expandir e acelerar seus programas e atividades de preservação histórica.

Seção 2 (16 U.S.C. 470-1)

Será a política do Governo Federal, em cooperação com outras nações e em parceria com os Estados, governos locais, tribos indígenas e organizações privadas e indivíduos para-

(1) usar medidas, incluindo assistência técnica e financeira, para promover condições sob as quais nossa sociedade moderna e nossos recursos pré-históricos e históricos possam existir em harmonia produtiva e cumprir os requisitos sociais, econômicos e outros das gerações presentes e futuras

(2) fornecer liderança na preservação dos recursos pré-históricos e históricos dos Estados Unidos e da comunidade internacional de nações e na administração do programa de preservação nacional em parceria com Estados, tribos indígenas, nativos havaianos e governos locais

(3) administrar recursos pré-históricos e históricos de propriedade federal, administrados ou controlados em um espírito de administração para a inspiração e o benefício das gerações presentes e futuras

(4) contribuir para a preservação de recursos pré-históricos e históricos não federais e dar o máximo de incentivo às organizações e indivíduos que empreendem a preservação por meios privados

(5) encorajar a preservação e utilização pública e privada de todos os elementos utilizáveis ​​do ambiente histórico construído da Nação e

(6) auxiliar governos estaduais e locais, tribos indígenas e organizações nativas havaianas e o National Trust for Historic Preservation nos Estados Unidos a expandir e acelerar seus programas e atividades de preservação histórica.

Seção 101 (16 U.S.C. 470a)

(a) (1) (A) O Secretário do Interior está autorizado a expandir e manter um Registro Nacional de Locais Históricos composto por distritos, locais, edifícios, estruturas e objetos significativos na história americana, arquitetura, arqueologia, engenharia e cultura.

(B) As propriedades que atendem aos critérios para Marcos Históricos Nacionais estabelecidos de acordo com o parágrafo (2) devem ser designadas como "Marcos Históricos Nacionais" e incluídas no Registro Nacional, sujeito aos requisitos do parágrafo (6). Todas as propriedades históricas incluídas no Registro Nacional na data de promulgação das Emendas da Lei de Preservação Histórica Nacional de 1980 serão consideradas incluídas no Registro Nacional a partir de sua listagem inicial para os fins desta Lei. Todas as propriedades históricas listadas no Federal Register de 6 de fevereiro de 1979, como "Marcos históricos nacionais" ou posteriormente antes da data de vigência desta lei, são declaradas pelo Congresso como marcos históricos nacionais de importância histórica nacional a partir de sua listagem inicial como tal no Registro Federal para os fins desta Lei e da Lei de 21 de agosto de 1935 (49 Stat.666), exceto que, em casos de distritos de Marco Histórico Nacional para os quais nenhuma fronteira foi estabelecida, as fronteiras devem primeiro ser publicadas no Registro Federal e submetidas a a Comissão de Energia e Recursos Naturais do Senado dos Estados Unidos e a Comissão de Assuntos Internos e Insulares da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

(2) O Secretário, em consulta com as associações históricas e arqueológicas nacionais, deve estabelecer ou revisar os critérios para propriedades a serem incluídas no Registro Nacional e os critérios para Marcos Históricos Nacionais, e também deve promulgar ou revisar os regulamentos conforme necessário para-

(A) nomeação de propriedades para inclusão e remoção do Registro Nacional e a recomendação de propriedades por governos locais certificados

(B) designar propriedades como Marcos Históricos Nacionais e remover essa designação

(C) considerando os recursos de tais recomendações, nomeações, remoções e designações (ou qualquer falha ou recusa por uma autoridade de nomeação para nomear ou designar)

(D) nomear bens históricos para inclusão na Lista do Patrimônio Mundial, de acordo com os termos da Convenção sobre a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural

(E) fazer determinações de elegibilidade de propriedades para inclusão no Registro Nacional e

(F) notificar o proprietário de um bem, e quaisquer governos locais apropriados, e o público em geral quando o bem estiver sendo considerado para inclusão no Registro Nacional, para designação como Marco Histórico Nacional ou para indicação para a Lista do Patrimônio Mundial.

(3) Sujeito aos requisitos do parágrafo (6), qualquer Estado que esteja executando um programa aprovado na subseção (b), deve nomear para o Secretário propriedades que atendam aos critérios promulgados na subseção (a) para inclusão no Registro Nacional . Sujeito ao parágrafo (6), qualquer bem nomeado nos termos deste parágrafo ou da seção 110 (a) (2) será incluído no Registro Nacional na data quarenta e cinco dias após o recebimento pelo Secretário da nomeação e da documentação necessária, a menos que o Secretário desaprove tal nomeação dentro de tal período de quarenta e cinco dias ou a menos que uma apelação seja interposta de acordo com o parágrafo (5).

(4) Sujeito aos requisitos do parágrafo (6), o Secretário pode aceitar uma nomeação diretamente de qualquer pessoa ou governo local para inclusão de uma propriedade no Registro Nacional somente se tal propriedade estiver localizada em um Estado onde não haja programa aprovado sob subseção (b). O Secretário pode incluir no Registro Nacional qualquer bem para o qual tal nomeação é feita, se ele determinar que tal bem é elegível de acordo com os regulamentos promulgados sob o parágrafo (2). Tais determinações serão feitas dentro de noventa dias a partir da data da nomeação, a menos que a nomeação seja apelada de acordo com o parágrafo (5).

(5) Qualquer pessoa ou governo local pode apelar ao Secretário de uma nomeação de qualquer bem histórico para inclusão no Registro Nacional e pode apelar ao Secretário da falha ou recusa de uma autoridade de nomeação em nomear um bem de acordo com esta subseção.

(6) O Secretário deve promulgar regulamentos exigindo que antes que qualquer propriedade ou distrito possa ser incluído no registro nacional ou designado como um marco histórico nacional, o proprietário ou proprietários de tal propriedade, ou a maioria dos proprietários das propriedades dentro do distrito no caso de um distrito histórico, deverá ser dada a oportunidade (incluindo um período de tempo razoável) de concordar ou objetar à nomeação do bem ou distrito para tal inclusão ou designação. Se o proprietário ou proprietários de qualquer propriedade privada, ou a maioria dos proprietários de tais propriedades dentro do distrito, no caso de um distrito histórico, objetar a tal inclusão ou designação, tal propriedade não deve ser incluída no Registro Nacional ou designada como um marco histórico nacional até que tal objeção seja retirada. O secretário analisará a nomeação do bem ou distrito onde tal objeção foi feita e determinará se o bem ou distrito é elegível para tal inclusão ou designação, e se o secretário determina que tal bem ou distrito é elegível para tal inclusão ou designação, ele deve informar o Conselho Consultivo sobre Preservação Histórica, o Oficial de Preservação Histórica Estadual apropriado, o oficial local eleito chefe apropriado e o proprietário ou proprietários de tal propriedade, de sua determinação. Os regulamentos previstos neste parágrafo devem incluir disposições para realizar os fins deste parágrafo no caso de propriedade múltipla de um único bem.

(7) O Secretário deve promulgar ou revisar os regulamentos

(A) garantindo que artefatos pré-históricos e históricos significativos e registros associados, sujeitos à seção 110 desta Lei, a Lei de 27 de junho de 1960 (16 U.S.C. 469c) e a Lei de Proteção de Recursos Arqueológicos de 1979 (16 U.S.C. 470aa e

seguinte) são depositados em uma instituição com capacidade curatorial adequada de longo prazo

(B) estabelecer um processo uniforme e padrões para documentar propriedades históricas por agências públicas e partes privadas para fins de incorporação ou complementação dos registros históricos nacionais de arquitetura e engenharia dentro da Biblioteca do Congresso e

(C) certificação de governos locais, de acordo com a subseção (c) (1) e para a alocação de fundos de acordo com a seção 103 (c) desta Lei.

(8) O Secretário deve, pelo menos uma vez a cada 4 anos, em consulta com o Conselho e com os Oficiais de Preservação Histórica Estadual, revisar ameaças significativas às propriedades incluídas ou elegíveis para inclusão no Registro Nacional, a fim de-

(A) determinar os tipos de propriedades que podem estar ameaçadas

(B) averiguar as causas das ameaças e

(C) desenvolver e submeter ao Presidente e ao Congresso recomendações para a ação apropriada.

(b) (1) O Secretário, em consulta com a Conferência Nacional de Oficiais de Preservação Histórica Estadual e o National Trust for Historic Preservation, deve promulgar ou revisar os regulamentos para Programas de Preservação Histórica Estadual. Tais regulamentos deverão prever que um programa estadual submetido ao Secretário nos termos desta seção seja aprovado pelo Secretário se ele determinar que o programa-

(A) prevê a designação e nomeação pelo Governador de um & quot Oficial de Preservação Histórica do Estado & quot para administrar tal programa de acordo com o parágrafo (3) e para o emprego ou nomeação por tal oficial de tal pessoal profissionalmente qualificado que possa ser necessário para tais fins

(B) prevê um conselho de revisão de preservação histórica estadual adequado e qualificado designado pelo Oficial de Preservação Histórica Estadual, salvo disposição em contrário da lei estadual e

(C) prevê a participação pública adequada no Programa Estadual de Preservação Histórica, incluindo o processo de recomendação de propriedades para inscrição no Registro Nacional.

(2) (A) Periodicamente, mas não menos do que a cada 4 anos após a aprovação de qualquer programa estadual sob esta subseção, o Secretário, em consulta com o Conselho sobre as disposições apropriadas desta Lei, e em cooperação com o Estado Histórico

O Oficial de Preservação deve avaliar o programa para determinar se ele é consistente com esta Lei.

(B) Se, a qualquer momento, o Secretário determinar que um aspecto importante de um programa estadual não é consistente com esta Lei, o Secretário desaprovará o programa e suspenderá, no todo ou em parte, quaisquer contratos ou acordos de cooperação com o Estado e o Oficial estadual de preservação histórica de acordo com esta Lei, até que o programa seja consistente com esta Lei, a menos que o Secretário determine que o programa se tornará consistente com esta Lei dentro de um período de tempo razoável.

(C) O Secretário, em consulta com os Oficiais de Preservação Histórica do Estado, deve estabelecer métodos de supervisão para garantir a consistência e a qualidade do programa estadual, sem impor encargos de revisão indevida aos Oficiais de Preservação Histórica do Estado.

(D) A critério do Secretário, um sistema estadual de auditoria e gestão fiscal pode ser substituído por sistemas federais comparáveis, desde que o sistema estadual-

(i) estabelece e mantém padrões de responsabilidade substancialmente semelhantes e

(ii) fornece revisão por pares profissionais independentes.

O Secretário também pode realizar auditorias fiscais periódicas de programas estaduais aprovados de acordo com esta seção, conforme necessário, e deve garantir que tais programas atendam aos padrões de responsabilidade aplicáveis.

(3) Será responsabilidade do Oficial de Preservação Histórica Estadual administrar o Programa de Preservação Histórica Estadual e-

(A) em cooperação com agências federais e estaduais, governos locais e organizações privadas e indivíduos, direcionar e conduzir uma pesquisa abrangente em todo o estado de propriedades históricas e manter inventários de tais propriedades

(B) identificar e nomear propriedades elegíveis para o Registro Nacional e de outra forma administrar os pedidos de listagem de propriedades históricas no Registro Nacional

(C) preparar e implementar um plano abrangente de preservação histórica em todo o estado

(D) administrar o Programa Estadual de Assistência Federal à Preservação Histórica do Estado

(E) aconselhar e auxiliar, conforme o caso, agências federais e estaduais e governos locais no cumprimento de suas responsabilidades de preservação histórica

(F) cooperar com o Secretário, o Conselho Consultivo sobre Preservação Histórica e outras agências federais e estaduais, governos locais e organizações e indivíduos para garantir que as propriedades históricas sejam levadas em consideração em todos os níveis de planejamento e desenvolvimento

(G) fornecer informações públicas, educação e treinamento, e assistência técnica na preservação histórica

(H) cooperar com os governos locais no desenvolvimento de programas de preservação histórica local e ajudar os governos locais a se tornarem certificados de acordo com a subseção (c)

(I) consultar as agências federais apropriadas de acordo com esta Lei sobre

(i) Empreendimentos federais que podem afetar propriedades históricas e

(ii) o conteúdo e a suficiência de quaisquer planos desenvolvidos para proteger, gerenciar ou reduzir ou mitigar os danos a tais propriedades e

(J) assessorar e auxiliar na avaliação de propostas de projetos de reabilitação que possam se qualificar para auxílio federal.

(4) Qualquer Estado pode cumprir todas ou parte de suas responsabilidades sob esta subseção por contrato ou acordo de cooperação com qualquer organização sem fins lucrativos ou instituição educacional qualificada.

(5) Qualquer programa de preservação histórica estadual em vigor sob autoridade anterior da lei pode ser tratado como um programa aprovado para os fins desta subseção até o primeiro de-

(A) a data em que o Secretário aprova um programa apresentado pelo Estado nos termos desta subseção, ou

(B) três anos após a data da promulgação das Emendas à Lei de Preservação Histórica Nacional de 1992.

(6) (A) Sujeito aos subparágrafos (C) e (D), o Secretário pode celebrar contratos ou acordos de cooperação com um Oficial Estadual de Preservação Histórica para qualquer Estado autorizando esse Oficial a auxiliar o Secretário na realização de um ou mais dos seguintes responsabilidades dentro desse Estado-

(i) Identificação e preservação de bens históricos.

(ii) Determinação da elegibilidade das propriedades para inclusão no Registro Nacional.

(iii) Preparação de candidaturas para inclusão no Registro Nacional.

(iv) Manutenção de bases de dados históricos e arqueológicos.

(v) Avaliação da elegibilidade para incentivos federais de preservação.

Nada neste parágrafo deve ser interpretado no sentido de prever que qualquer Oficial Estadual de Preservação Histórica ou qualquer outra pessoa que não o Secretário tenha autoridade para manter o Registro Nacional de propriedades em qualquer Estado.

(B) O Secretário pode celebrar um contrato ou acordo de cooperação nos termos do subparágrafo (A) somente se-

(i) o oficial de preservação histórica do estado solicitou a responsabilidade adicional

(ii) o Secretário aprovou o programa de preservação histórica do Estado de acordo com a seção 101 (b) (1) e (2)

(iii) o Oficial de Preservação Histórica do Estado concorda em realizar a responsabilidade adicional de maneira oportuna e eficiente aceitável para o Secretário e o Secretário determina que tal Oficial é totalmente capaz de cumprir tal responsabilidade de tal maneira

(iv) o Oficial de Preservação Histórica do Estado concorda em permitir que o Secretário analise e revise, conforme apropriado a critério do Secretário, as decisões tomadas pelo Oficial de acordo com tal contrato ou acordo cooperativo e

(v) o Secretário e o Oficial de Preservação Histórica Estadual concordam com os termos de assistência financeira adicional ao Estado, se houver, para os custos de realização de tal responsabilidade.

(C) Para cada área de programa significativa sob a autoridade do Secretário, o Secretário estabelecerá condições e critérios específicos essenciais para que os Oficiais de Preservação Histórica Estadual assumam as funções do Secretário em cada um desses programas.

(D) Nada nesta subseção terá o efeito de diminuir os programas e atividades de preservação do Serviço Nacional de Parques.

(c) (1) Qualquer programa estadual aprovado nos termos desta seção deve fornecer um mecanismo para a certificação pelo Oficial de Preservação Histórica Estadual de governos locais para realizar os objetivos desta Lei e providenciar a transferência, de acordo com a seção 103 (c ), de uma parte das subvenções recebidas pelos Estados ao abrigo desta Lei, a esses governos locais. Qualquer governo local deve ser certificado para participar de acordo com as disposições desta seção se o Oficial de Preservação Histórica do Estado aplicável, e o Secretário, certificarem que o governo local-

(A) impõe legislação estadual ou local apropriada para a designação e proteção de propriedades históricas

(B) estabeleceu uma comissão de revisão de preservação histórica adequada e qualificada pela legislação estadual ou local

(C) mantém um sistema para o levantamento e inventário de propriedades históricas que promove os objetivos da subseção (b)

(D) prevê a participação pública adequada no programa de preservação histórica local, incluindo o processo de recomendação de propriedades para inscrição no Registro Nacional e

(E) executa satisfatoriamente as responsabilidades que lhe são delegadas nos termos desta Lei.

Quando não houver um programa estadual aprovado, um governo local pode ser certificado pelo Secretário se ele determinar que esse governo local atende aos requisitos dos subparágrafos (A) a (E) e, em qualquer caso, o Secretário pode fazer concessões de ajuda ao governo local para os fins desta seção.

(2) (A) Antes que uma propriedade dentro da jurisdição do governo local certificado possa ser considerada pelo Estado como indicada ao Secretário para inclusão no Registro Nacional, o Oficial de Preservação Histórica do Estado deve notificar o proprietário, o chefe local aplicável oficial eleito e a comissão local de preservação histórica. A comissão, após oportunidade razoável para comentários públicos, deve preparar um relatório sobre se tal propriedade, em sua opinião, atende ou não aos critérios do Registro Nacional. Dentro de sessenta dias a partir da notificação do Oficial de Preservação Histórica Estadual, o chefe oficial eleito local deve transmitir o relatório da comissão e sua recomendação ao Oficial de Preservação Histórica do estado. Exceto conforme disposto no subparágrafo (B), após o recebimento de tal relatório e recomendação, ou se nenhum relatório e recomendação forem recebidos dentro de sessenta dias, o Estado fará a nomeação de acordo com a seção 101 (a). O Estado pode agilizar esse processo com a concordância do governo local certificado.

(B) Se tanto a comissão quanto o principal oficial eleito local recomendarem que uma propriedade não seja indicada para o Registro Nacional, o Oficial de Preservação Histórica Estadual não tomará nenhuma ação adicional, a menos que dentro de trinta dias do recebimento de tal recomendação pelo Histórico Estadual Oficial de Preservação, um recurso é apresentado ao Estado. Se tal recurso for interposto, o Estado seguirá os procedimentos para fazer um

nomeação de acordo com a Seção 101 (a). Quaisquer relatórios e recomendações feitos de acordo com esta seção devem ser incluídos com qualquer candidatura submetida pelo Estado ao Secretário.

(3) Qualquer governo local certificado sob esta seção ou que esteja fazendo esforços para se tornar tal certificado deve ser elegível para fundos nos termos da cláusula 103 (c) desta Lei, e deve cumprir todas as responsabilidades delegadas a ele de acordo com tal termos e condições que o Secretário considerar necessários ou convenientes.

(4) Para os fins desta seção, o termo-

(A) "designação" significa a identificação e registro de propriedades para proteção que atendem aos critérios estabelecidos pelo estado ou localidade para recursos históricos e pré-históricos significativos dentro da jurisdição de um governo local e

(B) "proteção" significa um processo de revisão local de acordo com a lei estadual ou local para a demolição proposta, alterações ou outra ação que possa afetar propriedades históricas designadas de acordo com a subseção (c).

(d) (1) (A) O Secretário estabelecerá um programa e promulgará regulamentos para auxiliar as tribos indígenas na preservação de suas propriedades históricas particulares. O Secretário deve promover a comunicação e a cooperação entre as tribos indígenas e os Oficiais de Preservação Histórica Estadual na administração do programa de preservação histórica nacional para garantir que todos os tipos de propriedades históricas e todos os interesses públicos em tais propriedades sejam devidamente considerados e para encorajar a coordenação entre os índios tribos, agentes estaduais de preservação histórica e agências federais no planejamento da preservação histórica e na identificação, avaliação, proteção e interpretação de propriedades históricas.

(B) O programa sob o subparágrafo (A) deverá ser desenvolvido de maneira a assegurar que os valores tribais sejam levados em consideração na medida do possível. O Secretário pode dispensar ou modificar os requisitos desta seção para se conformar ao cenário cultural das metas e objetivos de preservação do patrimônio tribal. Os programas tribais implementados por organizações tribais específicas podem variar em escopo, conforme determinado pela autoridade governamental principal de cada tribo.

(C) O Secretário deverá consultar as tribos indígenas, outras agências federais, Oficiais de Preservação Histórica Estadual e outras partes interessadas e iniciar o programa de acordo com o subparágrafo (A) o mais tardar em 1º de outubro de 1994.

(2) Uma tribo pode assumir todas ou qualquer parte das funções de um Oficial de Preservação Histórica Estadual de acordo com as subseções (b) (2) e (b) (3), com relação às terras tribais, visto que tais responsabilidades podem ser modificadas para programas tribais por meio de regulamentos emitidos pelo Secretário se-

(A) a principal autoridade governamental da tribo assim solicitar

(B) a tribo designa um oficial de preservação tribal para administrar o programa de preservação histórica tribal, por meio de nomeação pela autoridade governante principal da tribo ou como uma ordenança tribal pode fornecer de outra forma

(C) o oficial de preservação tribal fornece ao Secretário um plano descrevendo como as funções que o oficial de preservação tribal se propõe a assumir serão realizadas

(D) o Secretário determina, após consulta com a tribo, o Oficial de Preservação Histórica do Estado apropriado, o Conselho (se a tribo se propõe a assumir as funções de Oficial de Preservação Histórica do Estado com relação à revisão dos empreendimentos nos termos da seção 106), e outros tribos, se houver, cujas terras tribais ou aborígenes possam ser afetadas pela conduta do programa de preservação tribal -

(i) que o programa de preservação tribal é totalmente capaz de realizar as funções especificadas no plano fornecido no subparágrafo (C)

(ii) que o plano defina as responsabilidades remanescentes do Secretário e do Oficial de Preservação Histórica Estadual

(iii) que o plano prevê, com relação a propriedades não pertencentes a um membro da tribo nem mantidas em custódia pelo Secretário em benefício da tribo, a pedido do proprietário, o Oficial de Preservação Histórica do Estado, além disso para o oficial de preservação tribal, pode exercer as responsabilidades de preservação histórica de acordo com as subseções (b) (2) e (b) (3) e

(E) com base na satisfação das condições estabelecidas nos subparágrafos (A), (B), (C) e (D), o Secretário aprova o plano.

(3) Em consulta com as tribos indígenas interessadas, outras organizações nativas americanas e Oficiais de Preservação Histórica do Estado afetados, o Secretário deve estabelecer e implementar procedimentos para a execução da seção 103 (a) com relação aos programas tribais que assumem responsabilidades nos termos do parágrafo (2).

(4) A pedido de uma tribo cujo programa de preservação foi aprovado para assumir funções e responsabilidades nos termos do parágrafo (2), o Secretário deve celebrar contratos ou acordos de cooperação com tal tribo permitindo a assunção pela tribo de qualquer parte do responsabilidades referidas na subseção (b) (6) em terras tribais, se-

(A) o Secretário e a tribo concordam com a assistência financeira adicional, se houver, para a tribo pelos custos de execução de tais autoridades

(B) o Secretário conclui que o programa de preservação histórica tribal demonstrou ser suficiente para cumprir o contrato ou acordo de cooperação e esta Lei e

(C) o contrato ou acordo de cooperação especifica as responsabilidades contínuas do Secretário ou dos Oficiais de Preservação Histórica do Estado apropriados e prevê a participação adequada de-

(i) as autoridades culturais tradicionais da tribo

(ii) representantes de outras tribos cujas terras tradicionais estão sob a jurisdição da tribo assumindo responsabilidades e

(iii) o público interessado.

(5) O Conselho pode entrar em um acordo com uma tribo indígena para permitir que empreendimentos em terras tribais sejam revisados ​​sob os regulamentos de preservação histórica tribal em vez de revisão sob os regulamentos promulgados pelo Conselho para reger o cumprimento da seção 106, se o Conselho, após a consulta com a tribo e os Oficiais de Preservação Histórica Estaduais apropriados determina que os regulamentos de preservação tribal proporcionarão consideração de propriedades históricas equivalente àquelas concedidas pelos regulamentos do Conselho.

(6) (A) Propriedades de importância religiosa e cultural tradicional para uma tribo indígena ou organização nativa do Havaí podem ser consideradas elegíveis para inclusão no Registro Nacional.

(B) No cumprimento de suas responsabilidades de acordo com a seção 106, uma agência federal deve consultar qualquer tribo indígena ou organização indígena havaiana que atribua significado religioso e cultural às propriedades descritas no subparágrafo (A).

(C) Ao cumprir suas responsabilidades de acordo com a subseção (b) (3), o Oficial de Preservação Histórica Estadual do Estado do Havaí deve-

(i) consultar as organizações nativas do Havaí na avaliação do significado cultural de qualquer bem para determinar se deve ser nomeado tal bem para o Registro Nacional

(ii) consultar organizações nativas havaianas no desenvolvimento do componente cultural de um programa ou plano de preservação para tal propriedade e

(iii) entrar em um memorando de entendimento ou acordo com organizações nativas havaianas para a avaliação do significado cultural de uma propriedade para determinar se deve nomear tal propriedade para o Registro Nacional e realizar o componente cultural de tal programa ou plano de preservação.

(e) (1) O Secretário administrará um programa de subsídios de contrapartida aos Estados para fins de execução desta Lei.

(2) O Secretário administrará um programa de contrapartida de subsídios para o National Trust for Historic Preservation nos Estados Unidos, regulamentado pela Lei do Congresso aprovada em 26 de outubro de 1949 (63 Stat. 947), para fins de transporte as responsabilidades do National Trust.

(3) (A) Além dos programas previstos nos parágrafos (1) e (2), o Secretário administrará um programa de concessões diretas para a preservação de propriedades incluídas no Registro Nacional. Os fundos para apoiar esse programa anualmente não devem exceder 10 por cento do valor apropriado anualmente para o fundo estabelecido na seção 108. Essas doações podem ser feitas pelo Secretário, em consulta com o Oficial de Preservação Histórica do Estado apropriado.

(i) para a preservação de Marcos Históricos Nacionais que estão ameaçados de demolição ou deterioração e para a preservação de propriedades históricas importantes para o Patrimônio Mundial

(ii) para projetos de demonstração que fornecerão informações sobre métodos e técnicas profissionais com aplicação a propriedades históricas

(iii) para a formação e desenvolvimento de mão de obra qualificada no comércio e no artesanato, e na análise e curadoria, relativas à preservação histórica e,

(iv) ajudar pessoas ou pequenos negócios dentro de qualquer distrito histórico incluído no Registro Nacional a permanecerem no distrito.

(B) O Secretário também pode, em consulta com o Oficial de Preservação Histórica do Estado apropriado, fazer concessões ou empréstimos ou ambos sob esta seção para tribos indígenas e para organizações sem fins lucrativos que representam grupos étnicos ou minoritários para a preservação de seu patrimônio cultural.

(C) Os subsídios podem ser feitos de acordo com o subparágrafo (A) (i) e (iv) apenas na medida em que o projeto não pode ser realizado de maneira tão eficaz por meio do uso de um empréstimo segurado nos termos da seção 104.

(4) As concessões podem ser feitas sob esta subseção para a preservação, estabilização, restauração ou reabilitação de propriedades religiosas listadas no Registro Nacional de Locais Históricos, desde que a finalidade da concessão seja secular, não promova a religião e busque proteger aquelas qualidades que são historicamente significativas. Nada neste parágrafo deve ser interpretado para autorizar o uso de quaisquer fundos disponibilizados de acordo com esta seção para a aquisição de qualquer propriedade referida na frase anterior.

(5) O Secretário administrará um programa de doações diretas a tribos indígenas e organizações nativas havaianas com o propósito de cumprir esta Lei no que se refere a tribos indígenas e organizações indígenas havaianas. Os requisitos de fundos correspondentes podem ser modificados. Os fundos federais disponíveis para uma tribo ou organização nativa do Havaí podem ser usados ​​como fundos de contrapartida para os propósitos da tribo ou organização no cumprimento de suas responsabilidades de acordo com esta seção.

(6) (A) Como parte do programa de assistência de subsídio equivalente do Fundo de Preservação Histórica aos Estados, o Secretário administrará um programa de subsídios diretos aos Estados Federados da Micronésia, República das Ilhas Marshall, Território Fiduciário das Ilhas do Pacífico, e após a rescisão do Acordo de Tutela para o Território Fiduciário das Ilhas do Pacífico, a República de Palau (referida como os Estados da Micronésia) em prol do Pacto de Associação Livre entre os Estados Unidos e os Estados Federados de Micronésia e Ilhas Marshall, aprovado pelo Compact of Free Association Act de 1985 (nota 48 USC 1681), o Acordo de Tutela para o Território Fiduciário das Ilhas do Pacífico e o Compacto de Livre Associação entre os Estados Unidos e Palau, aprovado por a Resolução Conjunta intitulada 'Resolução Conjunta para aprovar o & quotCompacto de Associação Livre & quot entre os Estados Unidos e o Governo de Palau, e para outros fins s '

(48 nota U.S.C. 1681). O objetivo do programa será estabelecer programas de preservação histórica e cultural que atendam às necessidades únicas de cada Estado da Micronésia, de forma que, ao término dos pactos, os programas estejam firmemente estabelecidos. O Secretário pode dispensar ou modificar os requisitos desta seção para se adequar ao cenário cultural dessas nações.

(B) Os montantes a serem colocados à disposição dos Estados da Micronésia serão alocados pelo Secretário com base nas necessidades determinadas pelo Secretário. Os fundos correspondentes podem ser dispensados ​​ou modificados.

(f) Nenhuma parte de qualquer concessão feita sob esta seção pode ser usada para compensar qualquer pessoa que intervenha em qualquer processo sob esta Lei.

(g) Em consulta com o Conselho Consultivo sobre Preservação Histórica, o Secretário deverá promulgar diretrizes para responsabilidades de agências federais sob a seção 110 deste título.

(h) No prazo de um ano após a data de promulgação das Emendas à Lei de Preservação Histórica Nacional de 1980, o Secretário estabelecerá, em consulta com os Secretários de Agricultura e Defesa, a Instituição Smithsonian e o Administrador da Administração de Serviços Gerais, profissional normas para a preservação de propriedades históricas de propriedade ou controle federal.

(i) O Secretário deve desenvolver e disponibilizar para agências federais, governos estaduais e locais, organizações privadas e indivíduos, e outras nações e organizações internacionais de acordo com a Convenção do Patrimônio Mundial, treinamento e informações sobre métodos e técnicas profissionais para a preservação de propriedades históricas e para a administração do programa de preservação histórica nos níveis federal, estadual e local. O Secretário também deve desenvolver mecanismos para fornecer informações sobre preservação histórica ao público em geral, incluindo os alunos.

(j) (1) O Secretário deverá, em consulta com o Conselho e outras organizações federais, tribais, havaianas nativas e não federais, desenvolver e implementar um programa abrangente de educação e treinamento em preservação.

(2) O programa de educação e treinamento descrito no parágrafo (1) deve incluir-

(A) novos padrões e maiores oportunidades de treinamento em preservação para funcionários federais envolvidos em funções relacionadas à preservação

(B) aumento das oportunidades de treinamento de preservação para outros funcionários do governo federal, estadual, tribal e local e estudantes

(C) assistência técnica ou financeira, ou ambas, a faculdades e universidades historicamente negras, faculdades tribais e faculdades com um alto índice de matrículas de nativos americanos ou nativos havaianos, para estabelecer treinamento de preservação e programas de graduação

(D) coordenação das seguintes atividades, quando apropriado, com o Centro Nacional de Tecnologia de Preservação e Treinamento-

(i) distribuição de informações sobre tecnologias de preservação

(ii) fornecimento de treinamento e desenvolvimento de habilidades em ofícios, artesanato e disciplinas relacionadas à preservação histórica em programas federais de treinamento e desenvolvimento e

(iii) suporte para pesquisa, análise, conservação, curadoria, interpretação e exibição relacionada à preservação.

(a) Nenhuma concessão pode ser feita sob esta Lei-

(1) a menos que o pedido, portanto, seja submetido ao Secretário de acordo com os regulamentos e procedimentos prescritos por ele

(2) a menos que o pedido esteja de acordo com o plano abrangente de preservação histórica em todo o estado que foi aprovado pelo Secretário após considerar sua relação com o plano abrangente de recreação ao ar livre em todo o estado preparado de acordo com a Lei do Fundo de Conservação de Terra e Água de 1965 (78 Stat. 897)

(3) por mais de 60 por cento dos custos agregados de realização de projetos e programas sob o controle administrativo do Oficial de Preservação Histórica do Estado, conforme especificado na seção 101 (b) (3) em qualquer ano fiscal

(4) a menos que o donatário tenha concordado em fazer tais relatórios, na forma e contendo as informações que o Secretário pode exigir de tempos em tempos

(5) a menos que o concessionário tenha concordado em assumir, após a conclusão do projeto, o custo total da manutenção contínua, reparo e administração da propriedade de uma maneira satisfatória para o Secretário e

(6) até que o donatário cumpra os termos e condições adicionais que o Secretário considere necessários ou aconselháveis.

Exceto quando permitido por outra lei, a parcela do Estado nos custos a que se refere o parágrafo (3) deve ser proveniente de fontes não federais.

Não obstante qualquer outra disposição da lei, nenhuma concessão feita de acordo com esta Lei deve ser tratada como receita tributável para os fins do Código da Receita Federal de 1986.

(b) O Secretário pode, a seu critério, dispensar os requisitos da subseção (a), parágrafos (2) e (5) desta seção para qualquer concessão sob esta Lei para o National Trust for Historic Preservation nos Estados Unidos.

(c) Nenhum Estado terá permissão para utilizar o valor dos bens imóveis obtidos antes da data de aprovação desta Lei para cobrir o custo remanescente de um projeto para o qual uma concessão é feita de acordo com esta Lei.

(d) O Secretário disponibilizará fundos para Estados individuais e para o National Trust for Historic Preservation assim que possível após a execução de um acordo de subvenção. Para fins de administração, as concessões a cada um dos Estados e ao National Trust serão consideradas uma única concessão e serão administradas pelo National Park Service como tal.

(e) Os custos administrativos totais, diretos e indiretos, cobrados para a execução de projetos e programas do Estado não podem exceder 25 por cento dos custos agregados, exceto no caso de subvenções nos termos da seção 101 (e) (6).

Seção 103 (16 U.S.C. 470c)

(a) As quantias apropriadas e disponibilizadas para subvenções aos Estados para os fins desta Lei serão repartidas entre os Estados pelo Secretário com base nas necessidades por ele determinadas.

(b) Os montantes apropriados e disponibilizados para subvenções aos Estados para projetos e programas previstos nesta Lei para cada exercício financeiro serão repartidos entre os Estados conforme o Secretário determinar ser apropriado. O Secretário notificará cada Estado de sua repartição nos termos desta subseção dentro de trinta dias após a data de promulgação da legislação destinando fundos nos termos desta Lei. Qualquer montante de qualquer repartição que não tenha sido paga ou obrigada pelo Secretário durante o exercício fiscal em que tal notificação é feita e por dois exercícios fiscais subsequentes, será reatribuído pelo Secretário de acordo com esta subseção. O Secretário analisará e revisará conforme necessário o método de rateio. Tal método e qualquer revisão do mesmo serão publicados pelo Secretário no Registro Federal.

(c) Um mínimo de 10 por cento da parcela anual distribuída pelo Secretário a cada Estado para fins de execução desta Lei deve ser transferido pelo Estado, de acordo com os requisitos desta Lei, para os governos locais que são certificados sob seção 101 (c) para projetos ou programas de preservação histórica de tais governos locais. Em qualquer ano em que a distribuição anual total aos Estados exceda $ 65.000.000, metade do excesso também será transferida pelos Estados aos governos locais certificados de acordo com a seção 101 (c).

(d) O Secretário deve estabelecer diretrizes para o uso e distribuição de fundos nos termos da subseção (c) para garantir que nenhum governo local receba uma parte desproporcional dos fundos disponíveis, e pode incluir uma limitação máxima ou mínima na quantidade de fundos distribuídos para qualquer governo local único. As diretrizes não devem limitar a capacidade de qualquer Estado de distribuir mais de 10 por cento de sua distribuição anual nos termos da subseção (c), nem o Secretário deve exigir que qualquer Estado exceda a distribuição mínima de 10 por cento aos governos locais.

Seção 104 (16 U.S.C. 470d)

(a) O Secretário deve estabelecer e manter um programa pelo qual ele pode, a pedido de um credor privado, segurar empréstimos (incluindo empréstimos feitos de acordo com uma hipoteca) feitos por tal credor para financiar qualquer projeto de preservação de uma propriedade incluída no Registro Nacional.

(b) Um empréstimo pode ser segurado sob esta seção somente se-

(1) o empréstimo é feito por um credor privado aprovado pelo Secretário como financeiramente sólido e capaz de pagar o empréstimo adequadamente

(2) o valor do empréstimo e a taxa de juros cobrada com relação ao empréstimo não excedam esse valor, e essa taxa, conforme estabelecido pelo Secretário, por regra

(3) o secretário consultou o oficial estadual de preservação histórica sobre a preservação da propriedade histórica

(4) o Secretário determinou que o empréstimo está adequadamente garantido e que há garantia razoável de reembolso

(5) o período de reembolso do empréstimo não exceda o menor de quarenta anos ou a vida útil esperada do ativo financiado

(6) o valor segurado com relação a esse empréstimo não exceda 90 por cento da perda sofrida pelo credor com relação ao empréstimo e

(7) o empréstimo, o mutuário e a propriedade histórica a ser preservada atendem a outros termos e condições que possam ser prescritos pelo Secretário, por regra, especialmente os termos e condições relativos à natureza e qualidade do trabalho de preservação.

O Secretário deverá consultar o Secretário do Tesouro a respeito da taxa de juros dos empréstimos segurados de acordo com esta seção.

(c) O saldo principal não pago agregado de empréstimos segurados sob esta seção e pendentes a qualquer momento não pode exceder o valor que foi coberto pelo Fundo de Preservação Histórica de acordo com a seção 108 e subseção (g) e (i) desta seção , em vigor na data da promulgação da Lei, mas que não foi apropriada para qualquer finalidade.

(d) Qualquer contrato de seguro executado pelo Secretário nos termos desta seção pode ser transferível, deve ser uma obrigação apoiada por plena fé e crédito dos Estados Unidos, e deve ser incontestável, exceto por fraude ou deturpação de que o titular tenha conhecimento real na época, tornou-se titular.

(e) O Secretário deverá especificar, por regra e em cada contrato celebrado sob esta seção, as condições e o método de pagamento a um credor privado como resultado de perdas incorridas pelo credor em qualquer empréstimo segurado sob esta seção.

(f) Ao celebrar qualquer contrato para garantir um empréstimo nos termos desta seção, o Secretário deverá tomar medidas para assegurar a proteção adequada dos interesses financeiros do Governo Federal. O Secretário pode-

(1) em conexão com qualquer processo de execução hipotecária, obter, em nome do Governo Federal, a propriedade que garante um empréstimo segurado sob este título e

(2) operar ou arrendar tal propriedade pelo período que for necessário para proteger os interesses do Governo Federal e para cumprir a subseção (g).

(g) (1) Em qualquer caso em que uma propriedade histórica seja obtida de acordo com a subseção (f), o Secretário tentará transmitir essa propriedade a qualquer entidade governamental ou não governamental em condições que garantam a preservação e uso continuados da propriedade, exceto que se, após um tempo razoável, o Secretário, em consulta com o Consultivo

O Conselho de Preservação Histórica determina que não há meios viáveis ​​e prudentes para transmitir essa propriedade e para garantir sua preservação e uso contínuos, então o Secretário pode transferir a propriedade pelo valor justo de mercado de sua participação em tal propriedade para qualquer entidade, sem restrição .

(2) Quaisquer fundos obtidos pelo Secretário em conexão com a transferência de qualquer propriedade nos termos do parágrafo (1) devem ser cobertos pelo fundo de preservação histórico, além dos valores cobertos por tal fundo de acordo com a seção 108 e subseção (i) desta seção, e permanecerá disponível em tal fundo até que seja apropriado pelo Congresso para realizar os fins desta Lei.

(h) O Secretário pode avaliar taxas apropriadas e razoáveis ​​em conexão com a garantia de empréstimos sob esta seção. Quaisquer dessas taxas serão cobertas pelo Fundo de Preservação Histórica, além dos valores cobertos por tal fundo de acordo com a seção 108 e subseção (g) desta seção, e permanecerão disponíveis em tal fundo até que seja apropriado pelo Congresso para realizar o fins desta Lei.

(i) Não obstante qualquer outra disposição da lei, qualquer empréstimo segurado sob esta seção deve ser tratado como fundos não federais para fins de satisfazer qualquer requisito de qualquer outra disposição da lei sob a qual os fundos federais a serem usados ​​para qualquer projeto ou atividade sejam condicionado ao uso de fundos não federais pelo destinatário para o pagamento de qualquer parcela dos custos de tal projeto ou atividade.

(j) Em vigor após o ano fiscal de 1981, estão autorizados a apropriar as quantias que possam ser necessárias para cobrir os pagamentos incorridos de acordo com a subseção (e).

(k) Nenhuma obrigação de dívida que seja feita ou comprometida a ser feita, ou que seja segurada ou comprometida a ser segurada, pelo Secretário sob esta seção será elegível para compra por, ou compromisso de compra por, venda ou emissão para, o Banco Federal de Financiamento.

Seção 105 (16 U.S.C. 470e)

O beneficiário da assistência ao abrigo desta Lei deverá manter os registros que o Secretário prescrever, incluindo registros que revelem totalmente a disposição pelo beneficiário dos rendimentos de tal assistência, o custo total do projeto ou empreendimento em relação ao qual tal assistência é prestada ou usados, e o valor e a natureza dessa parte do custo do projeto ou empreendimento fornecido por outras fontes, e outros registros que irão facilitar uma auditoria eficaz.

O chefe de qualquer agência federal com jurisdição direta ou indireta sobre uma proposta de empreendimento federal ou federal em qualquer estado e o chefe de qualquer departamento federal ou agência independente com autoridade para licenciar qualquer empreendimento deverá, antes da aprovação das despesas de qualquer órgão federal fundos no empreendimento ou antes da emissão de qualquer licença, conforme o caso, leve em consideração o efeito do empreendimento em qualquer distrito, local, edifício, estrutura ou objeto que esteja incluído ou elegível para inclusão no National Registro. O chefe de qualquer agência federal deve conceder ao Conselho Consultivo sobre Preservação Histórica estabelecido sob o Título II desta Lei uma oportunidade razoável para comentar a respeito de tal empreendimento.

Seção 107 (16 U.S.C. 470g)

Nada nesta Lei deve ser interpretado para ser aplicável à Casa Branca e seus fundamentos, o edifício da Suprema Corte e seus fundamentos, ou o Capitólio dos Estados Unidos e seus edifícios e fundamentos relacionados.

Seção 108 (16 U.S.C. 470h-2)

Para cumprir as disposições desta Lei, é estabelecido o Fundo de Preservação Histórica (doravante denominado "fundo") no Tesouro dos Estados Unidos. Esse fundo deve ser coberto por $ 24.400.000 para o ano fiscal de 1977, $ 100.000.000 para o ano fiscal de 1978, $ 100.000.000 para o ano fiscal de 1979, $ 150.000.000 para o ano fiscal de 1980, $ 150.000.000 para o ano fiscal de 1981 e $ 150.000.000 para cada um dos anos fiscais de 1982 a 1997, a partir das receitas devido e pagável aos Estados Unidos ao abrigo da Outer Continental Shelf Lands Act (67 Stat. 462, 469) conforme alterada (43 USC 338) e / ou ao abrigo da Lei de 4 de junho de 1920 (41 Stat. 813) conforme alterada (30 USC 191), não obstante qualquer disposição da lei que estabeleça que tais receitas sejam creditadas em receitas diversas do Tesouro. Esse dinheiro deverá ser usado apenas para cumprir os objetivos desta Lei e estará disponível para despesas somente quando apropriado pelo Congresso. Quaisquer dinheiros não apropriados permanecerão disponíveis no fundo até que sejam apropriados para tais fins: Desde que as apropriações feitas de acordo com este parágrafo possam ser feitas sem limitação do exercício fiscal.

Seção 109 (16 U.S.C. 470h-1)

(a) Em prol dos objetivos das seções desta Lei, o Secretário pode aceitar a doação de fundos que podem ser gastos por ele em projetos para adquirir, restaurar, preservar ou recuperar dados de qualquer distrito, edifício, estrutura, local, ou objeto listado no Registro Nacional de Locais Históricos estabelecido de acordo com a seção 101 desta Lei, desde que o projeto seja propriedade de um Estado, qualquer unidade do governo local ou qualquer entidade sem fins lucrativos.

(b) Ao despender esses fundos, o Secretário dará a devida consideração aos seguintes fatores: a importância nacional do projeto, seu valor histórico para a comunidade, a iminência de sua destruição ou perda e as intenções expressas do doador. Fundos gastos nesta subseção

devem ser disponibilizados sem levar em conta os requisitos de contrapartida estabelecidos pela seção 102 desta Lei, mas o destinatário de tais fundos deve ser autorizado a utilizá-los para igualar quaisquer doações do Fundo de Preservação Histórica estabelecido pela seção 108 desta Lei.

(c) O Secretário fica autorizado a transferir fundos não obrigados anteriormente doados ao Secretário para fins do Serviço Nacional de Parques, com o consentimento do doador, e quaisquer fundos assim transferidos devem ser usados ​​ou gastos de acordo com as disposições desta Lei .

Seção 110 (16 U.S.C. 470h-2)

(a) (1) Os chefes de todas as agências federais devem assumir a responsabilidade pela preservação de propriedades históricas que são de propriedade ou controladas por tais agências. Antes de adquirir, construir ou arrendar prédios para fins de cumprimento das responsabilidades da agência, cada agência federal deve usar, na medida do possível, as propriedades históricas disponíveis para a agência. Cada agência deve realizar, de acordo com a preservação de tais propriedades e a missão da agência e os padrões profissionais estabelecidos de acordo com a seção 101 (g), qualquer preservação que possa ser necessária para realizar esta seção.

(2) Cada agência federal estabelecerá (a menos que isento de acordo com a Seção 214), em consulta com o Secretário, um programa de preservação para a identificação, avaliação e indicação para o Registro Nacional de Locais Históricos e proteção de propriedades históricas. Esse programa deve garantir-

(A) que as propriedades históricas sob a jurisdição ou controle da agência, sejam identificadas, avaliadas e indicadas para o Registro Nacional

(B) que tais propriedades sob a jurisdição ou controle da agência conforme estão listadas ou podem ser elegíveis para o Registro Nacional são administradas e mantidas de uma forma que considere a preservação de seus valores históricos, arqueológicos, arquitetônicos e culturais em conformidade com a seção 106 e dá consideração especial à preservação de tais valores no caso de propriedades designadas como tendo significado nacional

(C) que a preservação de propriedades que não estão sob a jurisdição ou controle da agência, mas sujeitas a serem potencialmente afetadas pelas ações da agência, sejam totalmente consideradas no planejamento

(D) que as atividades relacionadas à preservação da agência são realizadas em consulta com outras agências federais, estaduais e locais, tribos indígenas, havaianas nativas

organizações que realizam atividades de planejamento de preservação histórica, e com o setor privado e

(E) que os procedimentos da agência para o cumprimento da seção 106-

(i) são consistentes com os regulamentos emitidos pelo Conselho de acordo com a seção 211

(ii) fornecer um processo para a identificação e avaliação de propriedades históricas para listagem no Registro Nacional e o desenvolvimento e implementação de acordos, em consulta com Oficiais de Preservação Histórica Estadual, governos locais, tribos indígenas, organizações nativas do Havaí e o público interessado , conforme apropriado, em relação aos meios pelos quais os efeitos adversos em tais propriedades serão considerados e

(iii) prever a disposição de itens culturais nativos americanos de terras federais ou tribais de maneira consistente com a seção 3 (c) da Lei de Proteção e Repatriação de Túmulos Nativos Americanos (25 U.S.C. 3002 (c)).

(b) Cada agência federal deve iniciar medidas para assegurar que, quando, como resultado de ação ou assistência federal realizada por tal agência, uma propriedade histórica deva ser substancialmente alterada ou demolida, medidas oportunas sejam tomadas para fazer ou ter feito os registros apropriados , e que tais registros sejam então depositados, de acordo com a seção 101 (a), na Biblioteca do Congresso ou em outra agência apropriada que venha a ser designada pelo Secretário, para uso futuro e referência.

(c) O chefe de cada agência federal deverá, a menos que isento de acordo com a seção 214, designar um oficial qualificado para ser conhecido como o & quot oficial de preservação & quot da agência, que será responsável por coordenar as atividades dessa agência de acordo com esta Lei. Cada Oficial de Preservação pode, a fim de ser considerado qualificado, completar satisfatoriamente um programa de treinamento apropriado estabelecido pelo Secretário nos termos da seção 101 (h).

(d) Consistente com a missão e os mandatos da agência, todas as agências federais devem realizar programas e projetos da agência (incluindo aqueles sob os quais qualquer assistência federal é fornecida ou qualquer licença federal, permissão ou outra aprovação é necessária) de acordo com os propósitos de esta Lei e, dar consideração aos programas e projetos que irão promover os objetivos desta Lei.

(e) O Secretário deve revisar e aprovar os planos dos cessionários dos excedentes de propriedades históricas de propriedade federal no prazo máximo de noventa dias após o recebimento de tais planos para garantir que os valores pré-históricos, históricos, arquitetônicos ou culturalmente significativos sejam preservados ou aumentados.

(f) Antes da aprovação de qualquer empreendimento federal que possa afetar direta e adversamente qualquer marco histórico nacional, o chefe da agência federal responsável deverá, na medida do possível, realizar o planejamento e as ações necessárias para minimizar os danos a tal marco, e proporcionará ao Conselho Consultivo de Preservação Histórica uma oportunidade razoável para comentar o empreendimento.

(g) Cada agência federal pode incluir os custos das atividades de preservação de tal agência sob esta Lei como custos de projeto elegíveis em todos os empreendimentos de tal agência ou assistidos por tal agência. O elegível

os custos do projeto também podem incluir valores pagos por uma agência federal a qualquer estado para serem usados ​​no cumprimento de tais responsabilidades de preservação da agência federal nos termos desta lei, e custos razoáveis ​​podem ser cobrados dos licenciados e permissionários federais como condição para a emissão de tal licença ou permissão.

(h) O Secretário deve estabelecer um programa anual de prêmios de preservação sob o qual ele pode fazer prêmios monetários em valores que não excedam US $ 1.000 e fornecer citações por realizações especiais para oficiais e funcionários de governos federais, estaduais e locais certificados em reconhecimento de suas contribuições pendentes para a preservação dos recursos históricos. Esse programa pode incluir a emissão de prêmios anuais pelo presidente dos Estados Unidos a qualquer cidadão dos Estados Unidos recomendado para tal prêmio pelo Secretário.

(i) Nada nesta Lei deve ser interpretado para exigir a preparação de uma declaração de impacto ambiental onde tal declaração não seria exigida de acordo com a Lei de Política Ambiental Nacional de 1969, e nada nesta Lei deve ser interpretado para fornecer qualquer isenção de qualquer requisito a respeito da preparação de tal declaração nos termos dessa lei.

(j) O Secretário deverá promulgar regulamentos sob os quais os requisitos desta seção podem ser dispensados ​​no todo ou em parte no caso de um grande desastre natural ou uma ameaça iminente à segurança nacional.

(k) Cada agência federal deve garantir que a agência não concederá um empréstimo, garantia de empréstimo, permissão, licença ou outra assistência a um requerente que, com a intenção de evitar os requisitos da seção 106, tenha intencionalmente afetado de forma adversa e significativa uma propriedade histórica ao qual a concessão estaria relacionada, ou tendo poder legal para evitá-la, permitiu que tal efeito adverso significativo ocorresse, a menos que a agência, após consulta com o Conselho, determine que as circunstâncias justificam a concessão de tal assistência, apesar do efeito adverso criado ou permitido pelo requerente .

(l) Com relação a qualquer empreendimento sujeito à seção 106 que afete adversamente qualquer propriedade incluída ou elegível para inclusão no Registro Nacional, e para a qual uma agência federal não tenha celebrado um acordo com o Conselho, o chefe de tal agência deverá documentar qualquer decisão tomada de acordo com a seção 106. O chefe de tal agência não pode delegar suas responsabilidades de acordo com tal seção. Quando um memorando de acordo com a seção 106 tiver sido executado com relação a um empreendimento, tal memorando deverá reger o empreendimento e todas as suas partes.

Seção 111 (16 U.S.C. 470h-3)

(a) Não obstante qualquer outra disposição da lei, qualquer agência federal após consulta com o Conselho, deverá, na medida do possível, estabelecer e implementar alternativas para propriedades históricas, incluindo o uso adaptativo, que não são necessários para fins de agência atual ou projetada, e pode alugar uma propriedade histórica de propriedade da agência para qualquer pessoa ou organização, ou trocar qualquer propriedade de propriedade da agência com

propriedade histórica comparável, se o chefe da agência determinar que o arrendamento ou troca assegurará adequadamente a preservação da propriedade histórica.

(b) O produto de qualquer arrendamento nos termos da subseção (a) pode, não obstante qualquer outra disposição da lei, ser retido pela agência que celebra tal arrendamento e usado para custear os custos de administração, manutenção, reparo e despesas relacionadas incorridas pelo agência com relação a tais propriedades ou outras propriedades que estão no Registro Nacional que são de propriedade de, ou estão sob a jurisdição ou controle de tal agência. Quaisquer receitas excedentes de tais arrendamentos deverão ser depositadas no Tesouro dos Estados Unidos no final do segundo ano fiscal após o ano fiscal em que tais receitas foram recebidas.

(c) O chefe de qualquer agência federal responsável pela gestão de qualquer propriedade histórica pode, após consulta com o Conselho Consultivo para a Preservação Histórica, celebrar contratos para a gestão de tal propriedade. Qualquer contrato deverá conter os termos e condições que o chefe da agência considerar necessários ou apropriados para proteger os interesses dos Estados Unidos e garantir a preservação adequada da propriedade histórica.

(a) Em geral.-Cada agência federal que é responsável pela proteção dos recursos históricos, incluindo recursos arqueológicos de acordo com esta Lei ou qualquer outra lei deve garantir a cada um dos seguintes-

(1) (A) Todas as ações tomadas por funcionários ou contratados de tal agência devem atender aos padrões profissionais sob os regulamentos desenvolvidos pelo Secretário em consulta com o Conselho, outras agências afetadas e as sociedades profissionais apropriadas das disciplinas envolvidas, especificamente arqueologia, arquitetura , conservação, história, arquitetura da paisagem e planejamento.

(B) O pessoal da agência ou contratados responsáveis ​​pelos recursos históricos devem atender aos padrões de qualificação estabelecidos pelo Escritório de Gestão de Pessoal em consulta com o Secretário e sociedades profissionais apropriadas das disciplinas envolvidas. O Escritório de Gestão de Pessoal deve revisar os padrões de qualificação dentro de 2 anos após a data de promulgação desta Lei para as disciplinas envolvidas, especificamente arqueologia, arquitetura, conservação, curadoria, história, arquitetura paisagística e planejamento. Esses padrões devem considerar as habilidades e conhecimentos específicos necessários para a preservação dos recursos históricos e devem ser requisitos equivalentes para as disciplinas envolvidas.

(2) Registros e outros dados, incluindo dados produzidos por pesquisas históricas e levantamentos arqueológicos e escavações, são mantidos permanentemente em bancos de dados apropriados e disponibilizados a usuários potenciais de acordo com os regulamentos que o Secretário deve promulgar.

(b) Diretrizes.-A fim de promover a preservação dos recursos históricos em propriedades elegíveis para inscrição no cadastro nacional, o Secretário deverá, em consulta com o Conselho, promulgar

diretrizes para garantir que os programas federais, estaduais e tribais de preservação histórica sujeitos a esta lei incluam planos para-

(1) fornecer informações aos proprietários de propriedades que contenham recursos históricos (incluindo arquitetônicos, curatoriais e arqueológicos) com significado de pesquisa comprovado ou provável, sobre a necessidade de proteção de tais recursos e os meios de proteção disponíveis

(2) incentivar os proprietários a preservar tais recursos intactos e no local e oferecer aos proprietários de tais recursos informações sobre o imposto e conceder assistência disponível para a doação dos recursos ou de uma servidão de preservação dos recursos

(3) encorajar a proteção de itens culturais nativos americanos (dentro do significado da seção 2 (3) e (9) da Lei de Proteção e Repatriação de Túmulos Nativos Americanos

(25 U.S.C. 3001 (3) e (9)) e de propriedades de importância religiosa ou cultural para tribos indígenas, nativos havaianos ou outros grupos nativos americanos e

(4) encorajar os proprietários que estão realizando escavações arqueológicas a-

(A) realizar escavações e análises que atendam aos padrões para escavações patrocinadas pelo governo federal estabelecidas pelo Secretário

(B) doar ou emprestar artefatos de pesquisa significativa para uma instituição de pesquisa apropriada

(C) permitir o acesso a artefatos para fins de pesquisa e

(D) antes de escavar ou descartar um item cultural nativo americano no qual uma tribo indígena ou organização nativa havaiana possa ter interesse nos termos da seção 3 (a) (2) (B) ou (C) da Proteção de túmulos dos índios americanos e Lei de Repatriação

(25 U.S.C. 3002 (a) (2) (B) e (C)), notificado e consultar tal tribo indígena ou organização nativa havaiana.

(a) Estudo.- A fim de ajudar a controlar o tráfego interestadual e internacional ilegal de antiguidades, incluindo objetos arqueológicos, curatoriais e arquitetônicos e documentos históricos de todos os tipos, o Secretário deve estudar e relatar a adequação e viabilidade de alternativas para o controle tráfico interestadual e internacional ilegal de antiguidades.

(b) Consulta. Ao conduzir o estudo descrito na subseção (a), o Secretário deve consultar o Conselho e outras agências federais que conduzem, fazem com que sejam realizadas ou permitem pesquisas arqueológicas ou escavações ou que tenham responsabilidades por outros tipos de antiguidades e com oficiais de preservação histórica do estado, organizações arqueológicas, arquitetônicas, históricas, de conservação e curatoriais, tribos indígenas, organizações nativas havaianas e outras organizações nativas americanas, organizações internacionais e outras pessoas interessadas.

(c) Relatório. - No máximo 18 meses após a data de promulgação desta seção, o Secretário deve apresentar ao Congresso um relatório detalhando as conclusões do Secretário e recomendações do estudo descrito na subseção (a).

(d) Autorização.- Não estão autorizados a destinar mais de $ 500.000 para o estudo descrito na subseção (a), permanecendo tais quantias disponíveis até que sejam gastas.

Seção 201 (16 U.S.C. 470i)

(a) É estabelecido como uma agência independente do Governo dos Estados Unidos um Conselho Consultivo sobre Preservação Histórica que será composto pelos seguintes membros:

(1) um presidente nomeado pelo presidente selecionado do público em geral

(2) o Secretário do Interior

(3) o Arquiteto do Capitólio

(4) o Secretário da Agricultura e os chefes de quatro outras agências dos Estados Unidos (exceto o Departamento do Interior), cujas atividades afetam a preservação histórica, nomeados pelo Presidente

(5) um governador nomeado pelo presidente

(6) um prefeito nomeado pelo Presidente

(7) o Presidente da Conferência Nacional de Oficiais de Preservação Histórica Estadual

(8) o Presidente do National Trust for Historic Preservation

(9) quatro especialistas no campo da preservação histórica nomeados pelo presidente das disciplinas de arquitetura, história, arqueologia e outras disciplinas apropriadas

(10) três membros gerais do público em geral, nomeados pelo Presidente e

(11) um membro de uma tribo indígena ou organização indígena havaiana que representa os interesses da tribo ou organização da qual é membro, nomeado pelo presidente.

(b) Cada membro do Conselho especificado nos parágrafos (2) a (8) (exceto (5) e (6)) pode designar outro oficial de seu departamento, agência ou organização para servir no Conselho em seu lugar, exceto que, no caso dos parágrafos (2) e (4), nenhum outro oficial além do Secretário Adjunto ou um oficial com responsabilidades importantes em todo o departamento ou agência pode ser designado para tal.

(c) Cada membro do Conselho nomeado nos termos do parágrafo (1) e nos termos dos parágrafos (9) e (10) da subseção (a) servirá por um mandato de quatro anos a partir do término do mandato de seu antecessor, exceto que os membros primeiro nomeados de acordo com esse parágrafo devem servir por mandatos de um a quatro anos, conforme designado pelo Presidente no momento da nomeação, de forma a assegurar que os mandatos de não mais de dois deles expirarão em qualquer ano. Os membros nomeados de acordo com os parágrafos (5) e (6) servirão durante o mandato de seus cargos eleitos, mas não por mais de quatro anos. Um membro nomeado cujo mandato tenha expirado servirá até que o sucessor desse membro seja nomeado.

(d) Uma vaga no Conselho não afetará seus poderes, mas deverá ser preenchida no prazo máximo de sessenta dias após o início da vaga, da mesma forma que a nomeação original (e para o saldo de quaisquer mandatos não expirados). Os membros do Conselho Consultivo de Preservação Histórica nomeados pelo Presidente nos termos desta Lei em vigor no dia anterior à promulgação das Emendas da Lei de Preservação Histórica Nacional de 1980 permanecerão no cargo até todos os membros do Conselho, conforme especificado nesta seção , foram nomeados. Os membros nomeados pela primeira vez de acordo com esta seção serão nomeados no prazo máximo de cento e oitenta dias após a promulgação das Emendas à Lei de Preservação Histórica Nacional de 1980.

(e) O Presidente designará um Vice-Presidente, dentre os membros nomeados de acordo com os parágrafos (5), (6), (9) ou (10). O Vice-Presidente pode substituir o Presidente durante a ausência ou impedimento do Presidente ou quando o cargo estiver vago.

(f) Nove membros do Conselho constituirão quorum.

Seção 202 (16 U.S.C. 470j)

(1) aconselhar o Presidente e o Congresso sobre questões relacionadas à preservação histórica, recomendar medidas para coordenar as atividades de agências federais, estaduais e locais e instituições privadas e indivíduos relacionados à preservação histórica e aconselhar sobre a divulgação de informações relativas a tais atividades

(2) incentivar, em cooperação com o National Trust for Historic Preservation e agências privadas apropriadas, o interesse público e a participação na preservação histórica

(3) recomendar a realização de estudos em áreas como a adequação dos estatutos e regulamentos legislativos e administrativos relativos às atividades de preservação histórica dos governos estaduais e locais e os efeitos das políticas fiscais em todos os níveis de governo sobre a preservação histórica

(4) aconselhar quanto às diretrizes para a assistência dos governos estaduais e locais na elaboração de legislação relativa à preservação histórica

(5) incentivar, em cooperação com agências e instituições públicas e privadas apropriadas, treinamento e educação no campo da preservação histórica

(6) revisar as políticas e programas das agências federais e recomendar a tais agências métodos para melhorar a eficácia, coordenação e consistência dessas políticas e programas com as políticas e programas realizados sob esta Lei e,

(7) informar e educar agências federais, governos estaduais e locais, tribos indígenas, outras nações e organizações internacionais e grupos privados e indivíduos quanto às atividades autorizadas do Conselho.

(b) O Conselho apresentará anualmente um relatório abrangente de suas atividades e os resultados de seus estudos ao Presidente e ao Congresso e, de tempos em tempos, apresentará os relatórios adicionais e especiais que julgar convenientes. Cada relatório deve propor tais atos legislativos e outras ações que, no julgamento do Conselho, sejam necessários e apropriados para a execução de seu

recomendações e fornecerá a avaliação do Conselho dos problemas atuais e emergentes no campo da preservação histórica e uma avaliação da eficácia dos programas das agências federais, dos governos estaduais e locais e do setor privado na realização dos objetivos desta lei.

Seção 203 (16 U.S.C. 470k)

O Conselho está autorizado a obter diretamente de qualquer departamento, escritório, agência, conselho, comissão, escritório, estabelecimento independente ou instrumentalidade do ramo executivo do Governo Federal informações, sugestões, estimativas e estatísticas para os fins deste título e de cada um deles departamento ou entidade está autorizada a fornecer tais informações, sugestões, estimativas e estatísticas na medida do permitido por lei e dentro dos fundos disponíveis.

Seção 204 (16 U.S.C. 470l)

Os membros do Conselho especificados nos parágrafos (2), (3) e (4) da seção 201 (a) servirão sem remuneração adicional. Os outros membros do Conselho receberão $ 100 diárias quando no exercício de suas funções. Todos os membros do Conselho receberão reembolso pelas despesas de viagem e estadia necessárias incorridas por eles no desempenho das funções do Conselho.

Seção 205 (16 U.S.C. 470m)

(a) Haverá um Diretor Executivo do Conselho, que será nomeado para o serviço competitivo pelo Presidente com a concordância do Conselho. O Diretor-Executivo se reportará diretamente ao Conselho e desempenhará as funções e deveres que o Conselho determinar.

(b) O Conselho terá um Conselheiro Geral, que será nomeado pelo Diretor Executivo. O Conselheiro Jurídico reporta-se diretamente ao Diretor Executivo e atua como consultor jurídico do Conselho. O Diretor Executivo nomeará outros procuradores que possam ser necessários para auxiliar o Conselho Geral, representar o Conselho nos tribunais sempre que apropriado, incluindo a execução de acordos com agências federais das quais o Conselho seja parte, auxiliar o Departamento de Justiça no tratamento litígios relativos ao Conselho em tribunais de justiça, e desempenhar outras obrigações e funções legais conforme o Diretor Executivo e o Conselho possam determinar.

(c) O Diretor Executivo do Conselho pode nomear e fixar a remuneração de tais oficiais e funcionários no serviço competitivo, conforme necessário para desempenhar as funções do Conselho, em taxas que não excedam as agora ou no futuro prescritas para a taxa mais alta para o grau 15 da Programação Geral sob a seção 5332 do título 5, Código dos Estados Unidos: desde que, no entanto, o Diretor Executivo, com a concordância do Presidente, possa nomear e fixar a remuneração de não exceder cinco funcionários no serviço competitivo a taxas não deve exceder o prescrito agora ou no futuro para a taxa mais alta de grau 17 do Programa Geral sob a seção 5332 do Título 5, Código dos Estados Unidos.

(d) O Diretor Executivo terá o poder de nomear e fixar a remuneração do pessoal adicional que for necessário para o desempenho de suas funções, sem levar em conta as disposições das leis da função pública e da Lei de Classificação de 1949.

(e) O Diretor Executivo do Conselho está autorizado a contratar serviços de especialistas e consultores de acordo com as disposições da seção 3109 do título 5, Código dos Estados Unidos.

(f) Os serviços financeiros e administrativos (incluindo aqueles relacionados com orçamento, contabilidade, relatórios financeiros, pessoal e aquisições) devem ser fornecidos ao Conselho pelo Departamento do Interior, para os quais os pagamentos devem ser feitos antecipadamente, ou por reembolso, dos fundos do Conselho em montantes que possam ser acordados pelo Presidente do Conselho e pelo Secretário do Interior, desde que os regulamentos do Departamento do Interior para a cobrança de dívidas de pessoal resultantes de pagamentos errôneos (5 USC 46e) será aplicável à cobrança de pagamentos errôneos feitos para ou em nome de um funcionário do Conselho, e os regulamentos do referido Secretário para o controle administrativo de fundos (31 USC 665 (g)) serão aplicáveis ​​às dotações do Conselho: E desde que, além disso, o Conselho não será obrigado a prescrever tais regulamentos.

(g) Os membros do Conselho especificados nos parágrafos (2) a (4) da seção 201 (a) fornecerão ao Conselho, com ou sem reembolso, conforme acordado pelo Presidente e os membros, com tais fundos, pessoal , instalações e serviços sob sua jurisdição e controle que possam ser necessários para que o Conselho cumpra suas funções, na medida em que tais fundos, pessoal, instalações e serviços sejam solicitados pelo Conselho e estejam disponíveis para esse fim. Na medida das dotações disponíveis, o Conselho pode obter, por compra, aluguel, doação ou de outra forma, tais propriedades, instalações e serviços adicionais que possam ser necessários para realizar suas funções e também pode receber doações de dinheiro para esse fim, e o Diretor Executivo está autorizado, a seu critério, a aceitar, reter, usar, gastar e administrar o mesmo para os fins desta Lei.

Seção 206 (16 U.S.C. 470n)

(a) A participação dos Estados Unidos como membro do Centro Internacional para o Estudo da Preservação e Restauração de Bens Culturais fica por meio deste autorizada.

(b) O Conselho recomendará ao Secretário de Estado, após consulta com a Smithsonian Institution e outras organizações públicas e privadas preocupadas com os problemas técnicos de preservação, os membros da delegação oficial que participarão das atividades do Centro em nome dos Estados Unidos. O Secretário de Estado nomeará os membros da delegação oficial de entre as pessoas que lhe forem recomendadas pelo Conselho.

(c) Para os fins desta seção, está autorizado a ser apropriado um montante igual à avaliação para a associação dos Estados Unidos no Centro para os anos fiscais de 1979, 1980, 1981 e 1982: Desde que nenhuma apropriação seja autorizada e nenhum pagamento deve ser feito ao Centro em mais de 25 por cento da avaliação anual total de tal organização. A autorização para o pagamento dessa avaliação terá início no ano fiscal de 1981, mas incluirá os custos anteriores.

Seção 207 (16 U.S.C. 470o)

Muito do pessoal, propriedade, registros e saldos não gastos de dotações, alocações e outros fundos empregados, mantidos, usados, programados ou disponíveis ou a serem disponibilizados pelo Departamento do Interior em relação às funções do Conselho , conforme o Diretor do Escritório de Administração e Orçamento determinar, será transferido do Departamento para o Conselho no prazo de 60 dias a partir da data de entrada em vigor desta Lei.

Seção 208 (16 U.S.C. 470p)

Qualquer funcionário no serviço competitivo dos Estados Unidos transferido para o Conselho de acordo com as disposições desta seção deverá reter todos os direitos, benefícios e privilégios relativos a eles detidos antes de tal transferência.

Seção 209 (16 U.S.C. 470q)

O Conselho está isento das disposições da Lei do Comitê Consultivo Federal (86 Estat. 770), e as disposições da Lei de Procedimento Administrativo (80 Estat. 381) regerão as operações do Conselho.

Seção 210 (16 U.S.C. 470r)

Nenhum dirigente ou agência dos Estados Unidos terá autoridade para exigir que o Conselho apresente suas recomendações legislativas, testemunho ou comentários sobre a legislação a qualquer dirigente ou agência dos Estados Unidos para aprovação, comentários ou revisão, antes do envio. de tais recomendações, testemunhos ou comentários ao Congresso. Nos casos em que o Conselho busca voluntariamente obter os comentários ou revisão de qualquer funcionário ou agência dos Estados Unidos, o Conselho deve incluir uma descrição de tais ações em suas recomendações legislativas, testemunho ou comentários sobre a legislação que transmite ao Congresso .

Seção 211 (16 U.S.C. 470s)

O Conselho está autorizado a promulgar as regras e regulamentos que julgar necessários para reger a implementação da seção 106 desta Lei em sua totalidade. O Conselho estabelecerá, por regulamento, os procedimentos que possam ser necessários para permitir a participação dos governos locais em procedimentos e outras ações tomadas pelo Conselho com relação aos empreendimentos mencionados na seção 106 que afetem tais governos locais.

Seção 212 (16 U.S.C. 470t)

(a) O Conselho apresentará seu orçamento anualmente como agência relacionada do Departamento do Interior. Para cumprir as disposições deste título, não está autorizado a destinar mais de $ 2.500.000 para cada um dos exercícios fiscais de 1985 a 1989. A destinação para os fins deste título está autorizada a não exceder $ 5.000.000 em cada um dos exercícios fiscais 1993 a 1996.

(b) Sempre que o Conselho apresentar qualquer estimativa de orçamento ou solicitação ao Presidente ou ao Escritório de Administração e Orçamento, ele deverá simultaneamente transmitir cópias dessa estimativa ou solicitação às Comissões de Dotações da Câmara e do Senado e à Comissão de Assuntos Internos e Insulares da Câmara e Comissão de Energia e Recursos Naturais do Senado.

Seção 213 (16 U.S.C. 470u)

Para auxiliar o Conselho no cumprimento de suas responsabilidades nos termos desta Lei, o Secretário, a pedido do Presidente, deve fornecer um relatório ao Conselho detalhando a importância de qualquer bem histórico, descrevendo os efeitos de qualquer empreendimento proposto na propriedade afetada e recomendando medidas para evitar, minimizar ou mitigar efeitos adversos.

Seção 214 (16 U.S.C. 470v)

O Conselho, com a concordância do Secretário, deverá promulgar regulamentos ou diretrizes, conforme o caso, segundo os quais programas ou empreendimentos federais podem ser isentos de qualquer ou de todos os requisitos desta Lei quando tal isenção for determinada para ser consistente com os propósitos de esta lei, levando em consideração a magnitude do empreendimento ou programa isento e a probabilidade de deterioração dos bens históricos.

Seção 301 (16 U.S.C. 470w)

Conforme usado nesta Lei, o termo-

(1) & quotAgência & quot significa agência conforme tal termo é definido na seção 551 do título 5, Código dos Estados Unidos.

(2) "Estado" significa qualquer Estado dos Estados Unidos, o Distrito de Columbia, a Comunidade de Porto Rico, Guam, as Ilhas Virgens, Samoa Americana, a Comunidade das Ilhas Marianas do Norte e o Território Fiduciário das Ilhas do Pacífico, República das Ilhas Marshall, os Estados Federados da Micronésia e, após a rescisão do Acordo de Tutela para o Território Fiduciário das Ilhas do Pacífico, a República de Palau.

(3) "Governo local" significa uma cidade, condado, paróquia, município, município ou distrito, ou qualquer outra subdivisão política de propósito geral de qualquer Estado.

(4) "Tribo indígena" ou "tribo" significa uma tribo, banda, nação ou outro grupo ou comunidade organizada, incluindo uma aldeia indígena, Corporação Regional ou Corporação de Aldeia, conforme esses termos são definidos na seção 3 da Lei de Liquidação de Reivindicações Nativas do Alasca

(43 U.S.C. 1602), que é reconhecida como elegível para os programas e serviços especiais fornecidos pelos Estados Unidos aos indianos devido à sua condição de indianos.

(5) "Propriedade histórica" ​​ou "recurso quothistórico" significa qualquer distrito, local, edifício, estrutura ou objeto pré-histórico ou histórico incluído ou elegível para inclusão no Registro Nacional, incluindo artefatos, registros e restos de materiais relacionados a tal propriedade ou recurso .

(6) & quotNational Register & quot ou & quotRegister & quot significa o Registro Nacional de Locais Históricos estabelecido de acordo com a seção 101.

(7) "Empreendimento" significa um projeto, atividade ou programa financiado no todo ou em parte sob a jurisdição direta ou indireta de uma agência federal, incluindo-

(A) aqueles realizados por ou em nome da agência

(B) aqueles realizados com assistência financeira federal

(C) aqueles que requerem uma permissão federal, licença ou aprovação e

(D) aqueles sujeitos a regulamentação estadual ou local administrada de acordo com uma delegação ou aprovação de uma agência federal.

(8) "Preservação" ou "preservação quothistórica" ​​inclui identificação, avaliação, registro, documentação, curadoria, aquisição, proteção, gestão, reabilitação, restauração, estabilização, manutenção, pesquisa, interpretação, conservação e educação e treinamento em relação às atividades anteriores ou qualquer combinação de as atividades anteriores.

(9) "Parque cultural" significa uma área definível que se distingue por recursos históricos e terras relacionadas a tais recursos e que constitui um recurso interpretativo, educacional e recreativo para o público em geral.

(10) "Distrito de conservação histórico" significa uma área que contém-

(B) edifícios com características arquitetônicas semelhantes ou relacionadas,

(C) coesão cultural, ou

(D) qualquer combinação dos anteriores.

(11) "Secretário" significa o Secretário do Interior agindo por intermédio do Diretor do Serviço Nacional de Parques, exceto onde especificado de outra forma.

(12) "Conselho de Revisão de Preservação Histórica do Estado" significa um conselho, conselho, comissão ou outro órgão colegiado semelhante estabelecido conforme previsto na seção 101 (b) (1) (B) -

(A) cujos membros são nomeados pelo Oficial Estadual de Preservação Histórica (a menos que de outra forma previsto pela lei estadual),

(B) a maioria dos membros dos quais são profissionais qualificados nas seguintes disciplinas relacionadas: história, arqueologia pré-histórica e histórica, história da arquitetura, arquitetura, folclore, antropologia cultural, curadoria, conservação e arquitetura paisagística e

(C) que tem autoridade para-

(i) analisar as nomeações do National Register e apelações de nomeações

(ii) revisar a documentação apropriada enviada em conjunto com o Fundo de Preservação Histórica

(iii) fornecer aconselhamento geral e orientação ao Oficial de Preservação Histórica do Estado, e

(iv) desempenhar outras funções conforme apropriado.

(13) "Comissão de revisão de preservação histórica" ​​significa um conselho, conselho, comissão ou outro órgão colegiado semelhante estabelecido pela legislação estadual ou local, conforme previsto na seção 101 (c) (1) (B), e cujos membros são nomeados , salvo disposição em contrário da legislação estadual ou local, pelo chefe oficial eleito da jurisdição em questão dentre-

(A) profissionais das disciplinas de arquitetura, história, história da arquitetura, planejamento, arqueologia pré-histórica e histórica, folclore, antropologia cultural, curadoria, conservação e arquitetura paisagística ou disciplinas relacionadas, na medida em que tais profissionais estejam disponíveis na comunidade em questão, e

(B) outras pessoas que tenham demonstrado interesse especial, experiência ou conhecimento em história, arquitetura ou disciplinas relacionadas e que providenciarão uma comissão adequada e qualificada.

(A) todas as terras dentro dos limites externos de qualquer reserva indígena e

(B) todas as comunidades indígenas dependentes.

(15) "Governo local certificado" significa um governo local cujo programa de preservação histórica local foi certificado de acordo com a seção 101 (c).

(16) "Conselho" significa o Conselho Consultivo sobre Preservação Histórica estabelecido pela seção 201.

(17) "Havaiano nativo" significa qualquer indivíduo que seja descendente do povo aborígene que, antes de 1778, ocupou e exerceu a soberania na área que agora constitui o Estado do Havaí.

(18) "Organização nativa do Havaí" significa qualquer organização que-

(A) atende e representa os interesses dos nativos havaianos

(B) tem como objetivo principal e declarado a prestação de serviços para nativos havaianos e

(C) demonstrou experiência em aspectos de preservação histórica que são culturalmente significativos para os nativos havaianos.

O termo inclui, mas não está limitado a, o Escritório de Assuntos Havaianos do Estado do Havaí e Hui Malama I Na Kapuna O Hawai'i Nei, uma organização incorporada sob as leis do Estado do Havaí.

Seção 302 (16 U.S.C. 470w-1)

Quando apropriado, cada agência federal está autorizada a despender fundos apropriados para seus programas autorizados para os fins de atividades realizadas de acordo com esta Lei, exceto na medida em que a legislação de apropriações estipule expressamente o contrário.

Seção 303 (16 U.S.C. 470w-2)

(a) O Secretário está autorizado a aceitar doações e legados de dinheiro e bens pessoais para os fins desta Lei e deve manter, usar, gastar e administrar os mesmos para tais fins.

(b) O secretário está autorizado a aceitar presentes ou doações de valor inferior a taxas em qualquer propriedade histórica onde a aceitação de tais interesses facilitará a conservação ou preservação de tais propriedades. Nada nesta seção ou em qualquer disposição desta Lei deve ser interpretado para afetar ou prejudicar qualquer outra autoridade do Secretário sob outra disposição da lei para aceitar ou adquirir qualquer propriedade para conservação ou preservação ou para qualquer outro propósito.

Seção 304 (16 U.S.C. 4702-3)

(a) Autoridade para reter a divulgação.-O chefe de uma agência federal ou outro funcionário público que recebe assistência de subvenção de acordo com esta Lei, após consulta com o Secretário, deve impedir a divulgação ao público de informações sobre a localização, caráter ou propriedade de um recurso histórico se o secretário e a agência determinarem que a divulgação pode-

(1) causar uma invasão significativa de privacidade

(2) arriscar danos ao recurso histórico ou

(3) impedir o uso de um local religioso tradicional pelos praticantes.

(b) Determinação de acesso.-Quando o chefe de uma agência federal ou outro funcionário público determinar que as informações devem ser retidas do público de acordo com a subseção (a), o secretário, em consulta com o chefe de agência federal ou oficial, deve determinar quem pode ter acesso às informações para fins de execução desta Lei.

(c) Consulta com o Conselho.-Quando a informação em questão tiver sido desenvolvida no decurso do cumprimento por uma agência da seção 106 ou 110 (f), o Secretário deverá consultar o Conselho para chegar a determinações sob as subseções (a) e (b) )

Seção 305 (16 U.S.C. 470w-4)

Em qualquer ação civil instaurada em qualquer tribunal distrital dos Estados Unidos por qualquer pessoa interessada em fazer cumprir as disposições desta Lei, se essa pessoa prevalecer substancialmente em tal ação, o tribunal pode conceder honorários advocatícios, honorários de testemunhas especializadas e outros custos de participação em tal ação, como o tribunal julgar razoável.

Seção 306 (16 U.S.C. 470w-5)

(a) A fim de fornecer um centro nacional para comemorar e incentivar as artes da construção e para preservar e manter um edifício de importância nacional que exemplifique as grandes realizações das artes da construção nos Estados Unidos, o Secretário e o Administrador da Administração de Serviços Gerais estão autorizados e orientados a entrar em um acordo cooperativo com o Comitê para um Museu Nacional das Artes da Construção, Incorporado, uma corporação sem fins lucrativos organizada e existente sob as leis do Distrito de Columbia, ou seu sucessor, para a operação de um Museu Nacional para o Building Arts no Federal Building localizado no quarteirão delimitado pela Fourth Street, Fifth Street, F Street e G Street, Northwest em Washington, Distrito de Columbia. Esse museu deve-

(1) coletar e disseminar informações sobre as artes da construção, incluindo o estabelecimento de um centro de referência nacional para documentos atuais e históricos, publicações e pesquisas relacionadas às artes da construção

(2) fomentar programas educacionais relacionados com a história, prática e contribuição para a sociedade das artes da construção, incluindo a promoção de abordagens educacionais imaginativas para aumentar a compreensão e apreciação de todas as facetas das artes da construção

(3) exibir publicamente exposições temporárias e permanentes ilustrando, interpretando e demonstrando as artes da construção

(4) patrocinar ou conduzir pesquisas e estudos sobre a história das artes da construção e seu papel na formação de nossa civilização e

(5) encorajar contribuições para as artes da construção.

(b) O acordo de cooperação referido na subseção (a) deve incluir disposições que-

(1) disponibilizar o site ao Comitê referido na subseção (a) gratuitamente

(2) fornecer, sujeito às dotações disponíveis, manutenção, segurança, informação, zeladoria e outros serviços que possam ser necessários para garantir a preservação e operação do local e

(3) prescrever termos e condições razoáveis ​​pelos quais o Comitê pode cumprir suas responsabilidades nos termos desta Lei.

(c) O Secretário está autorizado e orientado a fornecer subsídios de contrapartida ao Comitê referido na subseção (a) para seus programas relacionados à preservação histórica. O Comitê deverá equiparar esses subsídios de maneira e com os fundos e serviços que forem satisfatórios para o Secretário, exceto que não mais do que $ 500.000 podem ser fornecidos ao Comitê em qualquer ano fiscal.

(d) A renovação do local será realizada pelo Administrador com o conselho do Secretário. Tal renovação deve, na medida do possível-

(1) ser iniciado imediatamente,

(2) preservar, aprimorar e restaurar o caráter arquitetônico distinto e historicamente autêntico do local, consistente com as necessidades de um museu nacional de artes de construção e outros usos compatíveis, e

(3) manter a disponibilidade do tribunal central do edifício, ou partes dele, para atividades públicas apropriadas.

(e) O Comitê deve apresentar um relatório anual ao Secretário e ao Administrador sobre suas atividades sob esta seção e fornecer ao Secretário e ao Administrador outras informações que o Secretário possa, de tempos em tempos, considerar necessárias ou aconselháveis.

(f) Para os fins desta seção, o termo "artes da construção" inclui, mas não deve ser limitado a, todos os aspectos práticos e acadêmicos da arquitetura pré-histórica, histórica e contemporânea, arqueologia, construção, tecnologia e habilidades de construção, arquitetura paisagística, preservação e conservação,

construção e construção, engenharia, projeto urbano e comunitário e renovação, planejamento urbano e regional e profissões, habilidades, ofícios e ofícios relacionados.

Seção 307 (16 U.S.C. 470w-6)

(a) Pelo menos trinta dias antes da publicação no Federal Register de qualquer regulamento proposto exigido por esta Lei, o Secretário deve transmitir uma cópia do regulamento ao Comitê de Assuntos Internos e Insulares da Câmara dos Representantes e ao Comitê de Energia e Recursos Naturais do Senado. O Secretário também deverá transmitir a esses comitês uma cópia de qualquer regulamento final antes de sua publicação no Federal Register. Exceto conforme disposto na subseção (b) desta seção, nenhum regulamento final do Secretário entrará em vigor antes do vencimento de trinta dias corridos após sua publicação no Federal Register durante o qual uma ou ambas as Casas do Congresso estão em sessão.

(b) Em caso de emergência, um regulamento final do Secretário pode entrar em vigor sem levar em conta a última frase da subseção (a) se o Secretário notificou por escrito o Comitê de Assuntos Internos e Insulares da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e a Comissão de Energia e Recursos Naturais do Senado dos Estados Unidos expondo as razões pelas quais é necessário tornar o regulamento efetivo antes do término do período de trinta dias.

(c) Exceto conforme disposto na subseção (b), o regulamento não entrará em vigor se, dentro de noventa dias corridos de sessão contínua do Congresso após a data da promulgação, ambas as Casas do Congresso adotarem uma resolução concorrente, o assunto após a cláusula de resolução do qual é o seguinte: & quotO Congresso desaprova o regulamento promulgado pelo Secretário que trata da matéria de ________, regulamento esse que foi transmitido ao Congresso em _______, & quot; os espaços em branco nele sendo devidamente preenchidos.

(d) Se ao final de sessenta dias corridos de sessão contínua do Congresso após a data de promulgação de um regulamento, nenhuma comissão de qualquer das Casas do Congresso relatou ou foi dispensada de uma análise posterior de uma resolução concorrente desaprovando o regulamento, e nem A Câmara aprovou tal resolução, o regulamento pode entrar em vigor imediatamente. Se, dentro desses sessenta dias corridos, tal comissão tiver relatado ou sido exonerada de uma análise posterior de tal resolução, o regulamento pode entrar em vigor não antes de noventa dias corridos de sessão contínua do Congresso após sua promulgação, a menos que reprovado conforme previsto.

(e) Para os fins desta seção-

(1) a continuidade da sessão é interrompida apenas por um sine die de adiamento e

(2) os dias em que qualquer das Casas não está em sessão devido a um adiamento de mais de três dias a um determinado dia são excluídos no cálculo de sessenta e noventa dias de calendário de sessão contínua do Congresso.

(f) A inação do Congresso ou a rejeição de uma resolução de desaprovação não será considerada uma expressão de aprovação de tal regulamento.

O Congresso considera e declara que, dada a complexidade dos problemas técnicos encontrados na preservação de bens históricos e a falta de distribuição adequada de informações técnicas para preservá-los, uma iniciativa nacional para coordenar e promover pesquisas, distribuir informações e fornecer treinamento em habilidades de preservação e as tecnologias seriam benéficas.

Para os fins deste título-

(1) O termo & quotBoard & quot significa o National Preservation Technology and Training Board estabelecido de acordo com a seção 404.

(2) O termo & quotCenter & quot significa o Centro Nacional de Tecnologia de Preservação e Treinamento estabelecido de acordo com a seção 403.

(3) O termo & quotSecretário & quot significa o Secretário do Interior.

(a) Estabelecimento.-Fica estabelecido no Departamento do Interior um Centro Nacional de Tecnologia de Preservação e Treinamento. O Centro estará localizado na Northwestern State University of Louisiana em Nachitoches, Louisiana.

(b) Objetivos.-Os objetivos do Centro serão para-

(1) desenvolver e distribuir habilidades e tecnologias de preservação e conservação para a identificação, avaliação, conservação e interpretação de recursos pré-históricos e históricos

(2) desenvolver e facilitar o treinamento para profissionais de preservação de recursos federais, estaduais e locais, gestores de recursos culturais, pessoal de manutenção e outros que trabalham na área de preservação

(3) tomar medidas para aplicar os benefícios da tecnologia de preservação de pesquisas em andamento por outras agências e instituições

(4) facilitar a transferência de tecnologia de preservação entre agências federais, governos estaduais e locais, universidades, organizações internacionais e o setor privado e

(5) cooperar com organizações internacionais relacionadas, incluindo, mas não se limitando ao Conselho Internacional de Monumentos e Sítios, o Centro Internacional para o Estudo da Preservação e Restauração de Bens Culturais e o Conselho Internacional de Museus.

(c) Programas. - Tais propósitos serão realizados por meio de pesquisa, treinamento profissional, assistência técnica e programas de conscientização pública, e por meio de um programa de subsídios estabelecido na seção 405.

(d) Diretor Executivo. O Centro será dirigido por um Diretor Executivo com comprovada experiência em preservação histórica, nomeado pelo Secretário com o conselho do Conselho.

(e) Assistência do Secretário. O Secretário deve fornecer ao Centro assistência na obtenção de pessoal, equipamento e instalações que possam ser necessários para o Centro realizar suas atividades.

(a) Estabelecimento.-É estabelecido um Conselho de Tecnologia de Preservação e Treinamento.

(1) fornecer liderança, aconselhamento sobre políticas e supervisão profissional para o Centro

(2) aconselhar o Secretário sobre as prioridades e a alocação de bolsas entre as atividades do Centro e

(3) apresentar um relatório anual ao Presidente e ao Congresso.

(c) Membros.-O Conselho será composto por-

(1) O Secretário, ou pessoa designada pelo Secretário

(2) 6 membros nomeados pelo Secretário que representará agências federais, estaduais e locais apropriadas, comissões estaduais e locais de preservação histórica e outras organizações públicas e internacionais, e

(3) 6 membros nomeados pelo Secretário com base em excelentes qualificações profissionais que representam as principais organizações nas áreas de arqueologia, arquitetura, conservação, curadoria, engenharia, história, preservação histórica, arquitetura paisagística, planejamento ou educação de preservação.

(a) Em geral.-O Secretário, em consulta com o Conselho, deve fornecer tecnologia de preservação e bolsas de treinamento para candidatos elegíveis com uma capacidade institucional demonstrada e compromisso com os objetivos do Centro, a fim de garantir um sistema eficaz e eficiente de pesquisa, distribuição de informações e treinamento de habilidades em todos os campos relacionados à preservação histórica.

(1) As subvenções fornecidas ao abrigo desta secção devem ser atribuídas de forma a reflectir a diversidade dos campos de preservação históricos e devem ser distribuídas geograficamente.

(2) Nenhum recebedor de subsídio pode receber mais de 10 por cento dos subsídios alocados de acordo com esta seção em qualquer ano.

(3) Os custos administrativos totais, diretos e indiretos, cobrados para a execução de subvenções nos termos desta seção não podem exceder 25 por cento dos custos agregados.

(c) Candidatos elegíveis. Os candidatos qualificados podem incluir laboratórios federais e não federais, museus credenciados, universidades, escritórios de organizações sem fins lucrativos, unidades e unidades de estudo de parques cooperativos do Sistema de Parques Nacionais, escritórios de preservação histórica estaduais, escritórios de preservação tribal e organizações nativas havaianas.

(d) Padrões.-Todos esses subsídios devem ser concedidos de acordo com os padrões e métodos profissionais aceitos, incluindo a revisão de projetos por pares.

(e) Autorização de Dotações. - Estão autorizados a serem alocados para realizar esta seção as quantias que forem necessárias.

(a) Aceitação de concessões e transferências.-O Centro pode aceitar-

(1) subsídios e doações de particulares, grupos, organizações, corporações, fundações e outras entidades e

(2) transferências de fundos de outras agências federais.

(b) Contratos e acordos cooperativos. Sujeito a apropriações, o Centro pode celebrar contratos e acordos cooperativos com governos federais, estaduais, locais e tribais, organizações nativas havaianas, instituições educacionais e outras entidades públicas para cumprir as responsabilidades do Centro sob este título.

(c) Autorização de dotações.- Estão autorizadas a destinar as quantias que forem necessárias para o estabelecimento, operação e manutenção do Centro. Os fundos para o Centro serão adicionais aos programas, centros e escritórios existentes do Serviço Nacional de Parques.

A fim de melhorar o uso dos recursos existentes do Serviço Nacional de Parques, o Secretário deverá utilizar e desenvolver plenamente os centros de preservação (incluindo conservação) e escritórios regionais do Serviço Nacional de Parques. O Secretário deve melhorar a coordenação de tais centros e escritórios dentro do Serviço Nacional de Parques e, quando apropriado, coordenar suas atividades com o Centro e com outras partes apropriadas.

Emendas à Lei de Preservação Histórica Nacional de 1980, Lei Pública 96-515, de 12 de dezembro de 1980, 94 Stat. 3000

Este apêndice contém disposições legislativas relacionadas promulgadas nas Emendas da Lei de Preservação Histórica Nacional de 1980, mas que não fazem parte da Lei de Preservação Histórica Nacional.

Não obstante a seção 7 (a) da Lei de 27 de junho de 1960 (16 U.S.C. 469c), ou qualquer outra disposição da lei em contrário -

(1) identificação, levantamentos e avaliação realizados com relação às propriedades históricas dentro das áreas do projeto podem ser tratados para fins de qualquer lei ou regra de direito como custos de planejamento do projeto e não como custos de mitigação

(2) custos razoáveis ​​para identificação, levantamentos, avaliação e recuperação de dados realizados com relação às propriedades históricas dentro das áreas do projeto podem ser cobrados dos licenciados e permissionários federais como condição para a emissão de tal licença ou permissão e

(3) As agências federais, com a concordância do Secretário e após notificação da Comissão de Assuntos Internos e Insulares da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e da Comissão de Energia e Recursos Naturais do Senado dos Estados Unidos, estão autorizadas a renunciar, em casos apropriados, a limitação de 1 por cento contida na Seção 7 (a) de tal lei.

Seção 401 (16 U.S.C. 470a-1)

(a) O Secretário do Interior deve dirigir e coordenar a participação dos Estados Unidos na Convenção Relativa à Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, aprovada pelo Senado em 26 de outubro de 1973, em cooperação com o Secretário de Estado, a Smithsonian Institution e o Conselho Consultivo para a Preservação Histórica. Sempre que possível, as despesas incorridas na realização de atividades em cooperação com outras nações e organizações internacionais devem ser pagas na moeda excedente do país ou área onde a despesa foi incorrida, conforme possa estar disponível para os Estados Unidos.

(b) O Secretário do Interior nomeará periodicamente os bens que ele determinar serem de importância internacional para o Comitê do Patrimônio Mundial em nome dos Estados Unidos. Nenhum bem pode ser nomeado a menos que tenha sido previamente determinado como tendo significado nacional. Cada uma dessas nomeações deve incluir evidências das proteções legais que possam ser necessárias para garantir a preservação da propriedade e de seu meio ambiente (incluindo cláusulas restritivas, servidões ou outras formas de proteção). Antes de fazer qualquer indicação, o Secretário notificará a Comissão de Assuntos Internos e Insulares da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e a Comissão de Energia e Recursos Naturais do Senado dos Estados Unidos.

Apêndice I, Seção 401, continuação

(c) Nenhum bem não federal pode ser indicado pelo Secretário do Interior ao Comitê do Patrimônio Mundial para inclusão na Lista do Patrimônio Mundial, a menos que o proprietário do bem concorde por escrito com tal indicação.

Seção 402 (16 U.S.C. 470a-2)

Antes da aprovação de qualquer empreendimento federal fora dos Estados Unidos que possa afetar direta e adversamente uma propriedade que esteja na Lista do Patrimônio Mundial ou no equivalente do Registro Nacional do país, o chefe de uma agência federal com jurisdição direta ou indireta sobre esse compromisso deve ter em conta o efeito do compromisso sobre esses bens, a fim de evitar ou atenuar quaisquer efeitos adversos.

Seção 502 (Nota 16 U.S.C. 470a)

O Secretário, em cooperação com o American Folklife Center da Biblioteca do Congresso, deverá, no prazo de dois anos após a data da promulgação deste ato, apresentar ao Presidente e ao Congresso um relatório sobre a preservação e conservação dos elementos imateriais de nosso patrimônio cultural como artes, habilidades, vida popular e costumes populares. O relatório deve levar em consideração a opinião de outras organizações públicas e privadas, conforme apropriado. Este relatório deve incluir recomendações para ações legislativas e administrativas do Governo Federal a fim de preservar, conservar e encorajar a continuação das diversas tradições culturais tradicionais pré-históricas, históricas, étnicas e folclóricas que fundamentam e são uma expressão viva de nossa herança americana .

Seção 503 (Nota 16 U.S.C. 470j)

O Conselho Consultivo de Preservação Histórica, em cooperação com o Secretário e o Secretário da Fazenda, apresentará ao Presidente e ao Congresso um relatório sobre as leis tributárias federais relativas à preservação histórica ou que afetem de alguma forma a preservação histórica. Tal relatório deve incluir recomendações a respeito de emendas a tais leis que promovam os objetivos desta Lei. Esse relatório deve ser apresentado no prazo de um ano após a data de promulgação desta Lei.

Seção 504 (Nota 16 U.S.C. 470h)

O Secretário apresentará um relatório diretamente ao Presidente e ao Congresso em ou antes de 1º de junho de 1986, revisando a operação do Fundo de Preservação Histórica e o programa de preservação histórica nacional desde a promulgação desta Lei e recomendando níveis de financiamento apropriados, o período de tempo para a reautorização para dotações do fundo, e outras ações legislativas apropriadas a serem tomadas após o término da autorização do fundo atual.

Seção 505 (nota 40 U.S.C. 874)

A Pennsylvania Avenue Development Corporation deve revisar o plano de desenvolvimento para as partes da área de desenvolvimento que não estão em desenvolvimento ou comprometidas com o desenvolvimento a partir de

Apêndice I, Seção 505, continuação

a data da promulgação desta Lei, para identificar os meios pelos quais os valores históricos de tais partes da área de desenvolvimento podem ser preservados e aprimorados ao máximo possível. A revisão anterior não será limitada pelas disposições aplicáveis ​​do plano de desenvolvimento em vigor no momento da revisão, nem exigirá qualquer ação da Corporação durante o curso da revisão ou durante sua consideração pelo Congresso. Dentro de um ano a partir da data deste ato, a Corporação apresentará aos comitês apropriados do Congresso um relatório contendo as conclusões da revisão exigida nesta seção, juntamente com as recomendações da Corporação para quaisquer medidas legislativas ou financiamento necessário para realizar os objetivos de esta seção. O relatório incluirá também uma descrição das atividades que a Corporação se propõe empreender para cumprir os objetivos desta seção e as implicações financeiras da execução dessas atividades.

Seção 506 (Nota 16 U.S.C. 470a)

O Secretário deve realizar um estudo abrangente e formular recomendações para um sistema coordenado de parques culturais e distritos de conservação históricos que proporcionam a preservação, interpretação, desenvolvimento e uso por entidades públicas e privadas do pré-histórico, histórico, arquitetônico, cultural e recreativo recursos encontrados em áreas urbanas definíveis em toda a Nação. O estudo deverá propor alternativas de gestão e financiamento desse sistema por entidades públicas e privadas e pelos diversos níveis de governo. O Secretário apresentará um relatório de seu estudo e recomendações ao Presidente e ao Congresso no prazo de dois anos após a promulgação desta Lei.

Seção 507 (Nota 16 U.S.C. 470a)

O Secretário, em cooperação com o Secretário do Tesouro, o Administrador da Administração de Incêndios dos Estados Unidos e o Administrador da Administração de Seguros Federal, deve apresentar ao Presidente e ao Congresso um relatório sobre o incêndio em propriedades históricas. Tal relatório deve incluir uma revisão das leis federais para determinar qualquer relação entre essas leis e incêndio criminoso ou incêndio de & origem suspeita & quot, e para fazer recomendações a respeito de emendas a tais leis caso seja encontrada uma correlação. Tal relatório deve incluir a viabilidade e necessidade de estabelecer ou desenvolver medidas de proteção em nível federal, estadual ou local para a prevenção, detecção e controle de incêndio criminoso ou incêndio de & quot; origem suspeita & quot em propriedades históricas. Esse relatório também deve incluir recomendações sobre o papel federal em ajudar os estados e governos locais na proteção de propriedades históricas de danos por incêndio. Esse relatório deve ser apresentado no prazo de dezoito meses após a data de promulgação desta Lei.

O Secretário do Interior, em consulta com o Conselho Consultivo, deve procurar garantir que as propriedades históricas preservadas sob a Lei de Preservação Histórica Nacional reflitam totalmente a experiência histórica desta nação.

SEC. 4023. REQUISITO DE AUTORIZAÇÃO ESPECÍFICA PARA PROJETOS NA LEI DE SITES, EDIFÍCIOS E ANTIQUIDADES HISTÓRICAS.

A seção 6 da lei intitulada "Uma lei para fornecer a preservação de locais históricos americanos, edifícios, objetos e antiguidades de importância nacional e para outros fins" (16 U.S.C. 461-467) é alterada para ler o seguinte:

SEC. 6. REQUISITOS DE AUTORIZAÇÃO ESPECÍFICA PARA PROJETOS NA LEI DE SÍTIOS HISTÓRICOS, EDIFÍCIOS E ANTIQUIDADES.

(a) Em geral.-Exceto conforme disposto na subseção (b), não obstante qualquer outra disposição da lei, nenhum fundo apropriado ou de outra forma disponibilizado ao Secretário do Interior para realizar a seção 2 (e) ou 2 (f) pode ser obrigado ou gasto após a data de promulgação desta seção-

(1) a menos que a apropriação de tais fundos tenha sido especificamente autorizada por lei promulgada em ou após a data de promulgação desta seção ou

(2) além do valor prescrito pela lei promulgada em ou após essa data.

(b) Provisão para Poupança. Nada nesta seção deve proibir ou limitar as despesas ou obrigações de quaisquer fundos apropriados antes de 1o de janeiro de 1993.

(c) Autorização de dotações. Exceto conforme disposto na subseção (a), é autorizada a destinação para a realização dos fins desta Lei de quantias que o Congresso possa determinar periodicamente.

SEC. 4024. MARTIN LUTHER KING, JUNIOR, SITE HISTÓRICO NACIONAL E DISTRITO DE PRESERVAÇÃO.

(a) Modificação do limite. Subseção (a) da primeira seção da lei intitulada "Uma lei para estabelecer Martin Luther King Junior, Sítio Histórico Nacional no Estado da Geórgia e para outros fins" (Lei Pública 96-428 94 Stat. 1839), estabelecendo o Martin

Apêndice II, SEC. 4024 (a), continuado

Luther King, Junior, Sítio Histórico Nacional e Distrito de Preservação, é alterado pelo impressionante & quot numerado NASM / SERO / 20, 109-C, e datado de maio de 1980 & quot e inserindo em seu lugar & quotnumber 489 / 80.013B, e datado de setembro de 1992 & quot.

(b) Limitação de apropriações. A Seção 6 da Lei Pública 96-428 (94 Estat. 1842) é alterada por & quot, mas não deve exceder $ 1.000.000 para desenvolvimento, $ 100.000 para planejamento local e $ 3.500.000 para a aquisição de terras e interesses nele & quot.

SEC. 4025. RELATÓRIO SECRETARIAL.

(a) Relatório.- O mais tardar um ano após a data de promulgação desta Lei, o Secretário do Interior deve preparar e apresentar ao Congresso um relatório sobre a forma como as propriedades são listadas ou determinadas como elegíveis para listagem em o Registro Nacional, incluindo, mas não se limitando a, a adequação dos critérios usados ​​para determinar tal elegibilidade, e o efeito, se houver, de tal listagem ou determinação de elegibilidade.

(b) Preparação.- Ao preparar o relatório, o Secretário deve consultar e considerar as opiniões e comentários de outras agências federais, bem como de indivíduos interessados ​​e organizações públicas e privadas, e deve incluir comentários representativos recebidos como um apêndice ao relatório.


CVE-16 U.S.S. Nassau - História

/s-l64.jpg "/>

UAAOSwc9ZctSGL / s-l64.jpg "/>

Zcs80f / s-l64.jpg "/>

/s-l64.jpg "/>

UAAOSwc9ZctSGL / s-l64.jpg "/>

Zcs80f / s-l64.jpg "/>


CVE-16 U.S.S. Nassau - História

Robert E. Pierce faleceu em 9 de fevereiro de 2010. Info. do obituário encontrado na internet por Rich Noar. 25 de outubro de 2001
As informações a seguir foram encontradas no site [http://home.kscable.com/ussnassaucve16/] em homenagem ao USS NASSAU CVE-16. Sem contato familiar

Eu [Robert E. Pierce] nasci em 30 de junho de 1919 em Corona, Califórnia. Frequentei escolas em Corona e Riverside, Califórnia. Eu ganhei um B.S. em Economia Agrícola e um M.S. na educação.

Entrei para a Marinha em 15 de julho de 1938. Após o Boot Camp em San Diego, Califórnia, fui designado para os EUA. Idaho (BB42), reatribuído aos EUA Salt Lake City (CA25) em abril de 1940 em Pearl Harbor. Em setembro de 1941, quebrei meu tornozelo e fui transferido para o Hospital Naval dos EUA, em Pearl Harbor, e estava lá em 7 de dezembro de 1941 quando os japoneses atacaram. Voltei para Salt Lake City na terça-feira, após o ataque. Em março de 1942, fui transferido para a New Construction School, Washington, D.C. Fui promovido a Fire Controlman de 1ª Classe e designado para o pré-comissário do USS Nassau (CVE-16). Servi no Nassau até fevereiro de 1944, quando fui comissionado para Ensign, USN e enviado para comissionar os EUA Flint (CL97).

Enquanto estava a bordo do Nassau, meu trabalho era manter os canhões de 20 e 40 mm disparando e alinhados. Exceto para a prática, a única vez que os canhões foram disparados contra o inimigo foi em Attu, em maio de 1943.

Permaneci na Marinha como Oficial da Reserva e posteriormente como Oficial de Serviço Limitado (Artilharia). Finalmente, me aposentei como Tenente Comandante da USN em 1961 após servir vários navios (Baltimore, Boxer, FireDrake) e estações (Naval Mine Depot Yorktown, Armas Nucleares, Base San Dia, Naval Magazine, Guam. Estive em 10 batalhas em o Pacífico Asiático no Boxer na Coréia, Vietnã e Mar da China. Recebi a Comenda da Unidade, todas as fitas e medalhas da Segunda Guerra Mundial, fitas da Coreia, fitas GCM e do Vietnã.

Outras memórias do serviço militar são o Boxer de San Diego a Tóquio, julho de 1950 no início da Guerra da Coréia, tempo de recarga ainda está Sigmon Rhea, presidente do discurso da Coreia a bordo do Boxer três semanas antes do ataque norte-coreano em 16 de julho de 1950.


Aula de bogue


O porta-aviões de escolta USS Copahee (CVE 12) da Marinha dos Estados Unidos.

Informação técnica

ModeloEscolta transportadora
Deslocamento16620 BRT
Comprimento496 pés
Complemento908 homens
Armamento2 canhões 5 "DP (2x1) 10 20 mm AA (10x1) 24 aeronaves
velocidade máxima18 nós
MotoresTurbinas a vapor 1 eixo
Poder8500 hp
Notas sobre a aulaEsses navios eram conhecidos como classe Bogue na USN e classe Attacker na Marinha Real.

Todos os navios da classe Bogue

Marinha dos Estados Unidos (mais sobre a Marinha dos EUA)

10 transportadoras de escolta (18 nomes) do Aula de bogue. 1 deles foi perdido.


7 de abril de 1943

O Presidente dos Estados Unidos tem o prazer de apresentar a MEDALHA DE HONRA a

PRIMEIRO LIEUTENANT JAMES E. SWETT
RESERVA DO CORPO MARINHO DOS ESTADOS UNIDOS

para serviço conforme estabelecido na CITAÇÃO a seguir:

Por bravura e intrepidez conspícuas com o risco de sua vida acima e além do dever, como um líder de divisão no Esquadrão de Combate da Marinha DOIS VINTE E UM em ação contra as forças aéreas japonesas inimigas na Área das Ilhas Salomão, 7 de abril de 1943. Em um vôo ousado para interceptar uma onda de 150 aviões japoneses, o primeiro-tenente Swett sem hesitação lançou sua divisão de quatro aviões em ação contra uma formação de quinze bombardeiros inimigos e durante seu mergulho explodiu pessoalmente três aviões hostis no ar com fogo preciso e mortal. Embora separado de sua divisão enquanto limpava a forte concentração de fogo antiaéreo, ele corajosamente atacou seis bombardeiros inimigos, enfrentou os quatro primeiros por sua vez e, sem ajuda, os abateu em chamas. Esgotando sua munição ao fechar o quinto bombardeiro japonês, ele incansavelmente dirigiu seu ataque contra uma terrível oposição que desligou parcialmente seu motor, quebrou o pára-brisa e cortou seu rosto. Apesar disso, ele derrubou seu avião danificado com precisão hábil na água ao largo de Tulagi sem mais ferimentos. A habilidade soberba e o espírito de luta tenaz que permitiram ao primeiro-tenente Swett destruir oito bombardeiros inimigos em um único vôo estavam de acordo com as mais altas tradições do Serviço Naval dos Estados Unidos.

James Elms Swett nasceu em Seattle, Washington, em 15 de junho de 1920, o primeiro de três filhos de George Elms Swett, engenheiro elétrico e reservista do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, e de Nellie Emily Burns Swett. Ele cresceu em San Mateo, Califórnia, onde estudou na San Mateo High School e no College of San Mateo. Enquanto estava na faculdade, Swett aprendeu a voar através do Programa de Treinamento de Pilotos Civis.

Swett alistou-se na Marinha dos Estados Unidos como Marinheiro de 2ª Classe, em 26 de agosto de 1941. Ele tinha cabelos castanhos e olhos azuis, media 5 pés e 11 polegadas (1,803 metros) de altura e pesava 154 libras (69,9 kg). O marinheiro Swett foi designado para o treinamento de vôo como Cadete de Aviação na NAS Corpus Christi, Texas. Durante o treinamento, Sweet escolheu servir como oficial do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA. Após a conclusão do treinamento de vôo, James Swett foi premiado com as asas de ouro de um Aviador Naval e comissionado um Segundo Tenente, Reserva do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, 1 de abril de 1942. Ele foi então enviado para o MCAS Quantico em Quantico, Virgínia, para treinamento avançado.

Em julho de 1942, o 2º Tenente Swett foi colocado sob prisão por um período de dez dias por & # 8220 mergulhar e voar sobre o tráfego & # 8221 abaixo de 500 pés (152 metros), ao longo da US Route 1. Ele foi então transferido para uma estação aérea na Flórida .

Em seguida, Swett foi designado para o Esquadrão de Combate dos Fuzileiros Navais 221 (VMF-221), Grupo 21 dos Fuzileiros Navais (MAG-21), Primeira Asa de Fuzileiros Navais, Força de Fuzileiros Navais. Em março de 1943, o esquadrão foi implantado do Havaí ao Pacífico Sul a bordo do Bogue- transportadora de escolta de classe USS Nassau (CVE-16), chegando a Espiritu Santo, Novas Hébridas, no final de março. VMF-221 então voou para o Campo de Henderson, Guadalcanal, nas Ilhas Salomão.

Grumman F4F Wildcat fighters em Henderson Field, Guadalcanal, 1943.

Na manhã de 7 de abril de 1943, o tenente Swett liderou um vôo de quatro aviões de Wildcats em uma patrulha, depois voltou para reabastecer no Campo de Henderson. Enquanto seu lutador, Grumman F4F-4 Wildcat, Bu. No. 12084, estava sendo atendido, veio a notícia de um grande grupo de aeronaves inimigas se aproximando do norte. Swett e seu esquadrão juntaram-se a vários outros caças para interceptar a aeronave inimiga de ataque.

Perto das Ilhas Russell, cerca de 30 milhas (48 quilômetros) a noroeste de Guadalcanal, os caças americanos entraram em contato com cerca de 150 aeronaves inimigas. Swett, em combate pela primeira vez, engajou rapidamente três bombardeiros de mergulho Aichi D3A Tipo 99 (nome do relatório americano, & # 8220Val & # 8221). Ele os abateu. Separando-se de sua fuga, ele continuou a enfrentar o inimigo, derrubando vários outros. Sua asa direita foi danificada por armas antiaéreas americanas, mas ele continuou. Tendo abatido sete Vals, ele enfrentou um oitavo. O artilheiro Val & # 8217s disparou suas duas metralhadoras de 7,7 mm em defesa. A essa altura, Swett estava ficando sem munição, mas suas balas finais mataram o artilheiro inimigo e colocaram fogo no Aichi. As balas de metralhadora disparadas do Val danificaram seu pára-brisa, perfuraram um radiador de óleo do motor e incendiaram o Wildcat.

Bombardeiro de mergulho Aichi D3A Tipo 99, nome de relatório aliado, & # 8220Val & # 8221. (Arquivos de fotos do Museu Aéreo e Espacial de San Diego)

Incapaz de voltar para Henderson, Swett cavou um buraco no oceano perto de Tulagi. O avião afundou rapidamente. Estava a cerca de 7 metros de profundidade antes que Swett conseguisse escapar da cabine do piloto Wildcat & # 8217s. Ele foi pego por um barco de patrulha da Guarda Costeira dos EUA. O Tenente Swett foi listado como ferido em ação.

Durante apenas quinze minutos, o 2º Tenente Swett destruiu sete aeronaves inimigas e danificou uma oitava.¹ Ele se tornou um & # 8220Ace in One Day. & # 8221

Este Grumman F4F Wildcat no fundo do mar perto de Tulagi pode ser o Tenente Swett & # 8217s F4F-4, Bu. No. 12084. (Plano de mergulho)

Swett foi promovido a 1º Tenente e transferido para o Corsair Chance Vought F4U-1. Ele abateu quatro bombardeiros médios bimotores Mitsubishi G4M & # 8220Betty & # 8221 e um A6M Zero, antes de ser abatido novamente perto de New Georgia, em 10 de julho de 1943. Ele voltou ao combate em outubro, abateu mais dois bombardeiros de mergulho Val e um Kawasaki Ki-61 Hien Lutador tipo 3, conhecido pelas forças aliadas como & # 8220 Tony. & # 8221

Durante uma cerimônia realizada no Espírito Santo, em 10 de outubro de 1943, o Major General Ralph Johnson Mitchell, comandante da 1ª Ala Aérea da Marinha, entregou ao Primeiro Tenente James Elms Swett, da Reserva do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, a Medalha de Honra.

Em 1944, o Capitão Swett foi devolvido aos Estados Unidos e estava treinando com VMF-221 no MCAS de Santa Bárbara, Califórnia. Ele se encontraria com o presidente Franklin D. Roosevelt na Casa Branca durante a primavera.

Oakland Tribune, Vol. CXL, nº 20, quinta-feira, 20 de janeiro de 1944, página 14, colunas 5–7

O Capitão Swett casou-se com a Srta. Lois Aileen Anderson em 22 de janeiro de 1944 na Igreja Episcopal de St. Paul & # 8217s em Burlingame, Califórnia. Mais tarde, eles teriam dois filhos, que viriam a se tornar oficiais do Corpo de Fuzileiros Navais.

Após um retreinamento no sul da Califórnia, VMF-221 voltou para a guerra, designado para o Essex- porta-aviões de classe USS Bunker Hill (CV-17) no Pacífico ocidental.

Chance Vought F4U-1D Corsair a bordo do USS Bunker Hill (CV-17), 6 de maio de 1945. (Marinha dos EUA)

Na manhã de 11 de maio de 1945, o Capitão Swett estava voando em uma patrulha aérea de combate em um Corsair F4U-1D, quando a frota foi atacada por Kamikaze aeronave suicida. Swett abateu um Yokosuka D4Y Suisei (& # 8220Judy & # 8221) bombardeiro de mergulho.

Durante este ataque, Bunker Hill foi atingido por dois sucessivos Kamikazes e sofreu danos catastróficos. 346 homens foram mortos em combate, 43 desaparecidos em combate e 264 feridos. O porta-aviões sobreviveria, mas ficaria fora de ação pelo restante da guerra.

Incapaz de pousar a bordo de seu porta-aviões, o Capitão Swett organizou os aviões ainda no ar e os conduziu para USS Enterprise (CV-6).

30 segundos após o primeiro, um segundo Mitsubishi A6M Zero bate no USS Bunker Hill (CV-17), 1.005 horas, 11 de maio de 1945. (Marinha dos EUA)

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Major Swett voou 103 missões de combate. Ele é oficialmente creditado com 15,5 vitórias aéreas.

Após a Segunda Guerra Mundial, o Major Swett permaneceu na Reserva do Corpo de Fuzileiros Navais. Em 1949, ele assumiu o comando do Marine Fighting Squadron 141 (VMF-141) em NAS Oakland. Ele foi chamado de volta ao serviço ativo durante a Guerra da Coréia, mas não foi enviado para a zona de guerra.

James Swett ascendeu ao posto de Coronel. Ele se aposentou do Corpo de Fuzileiros Navais em 1970.

Além da Medalha de Honra, durante sua carreira no Corpo de Fuzileiros Navais, o Coronel Swett recebeu a Distinguished Flying Cross com estrela de ouro (2 prêmios) Coração Púrpura com estrela de ouro (2 prêmios) Medalha Aérea com 4 estrelas de ouro (5 prêmios) Fita de Ação de Combate da Marinha Citação de Unidade Presidencial com 2 estrelas de bronze (3 prêmios) Fita de Comenda de Unidade da Marinha Medalha de Campanha Ásia-Pacífico com 1 estrela de ouro e 1 estrela de prata (6 campanhas) Medalha da Vitória na Segunda Guerra Mundial e Medalha de Reserva das Forças Armadas com ampulheta de prata dispositivo (20 anos de serviço).

O coronel James Elms Swett, da Reserva do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos (aposentado), morreu no Mercy Medical Center em Redding, Califórnia, em 18 de janeiro de 2009, com a idade de 88 anos. Ele foi enterrado no Cemitério de Veteranos do Norte da Califórnia, Igo, Califórnia.

Major James E. Swett, Reserva do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos

O Grumman F4F-4 Wildcat era um monoplano de asa média monomotor e local único com trem de pouso retrátil, projetado para operações de porta-aviões da Marinha dos Estados Unidos. As asas podem ser dobradas ao longo da fuselagem para armazenamento.

O F4F-4 tinha 28 pés e 10-5 / 8 polegadas (8,804 metros) de comprimento, com envergadura de 38 pés e 0 polegadas (11,582 metros) e altura de 12 pés e 1-3 / 8 polegadas (3,693 metros). A asa do Wildcat & # 8217s tinha ângulo de incidência de 0 °. A asa interna fixa tem 0 ° diédrico, enquanto os painéis da asa externa têm 5 ° diedro. Não há varredura. A largura do avião com as asas dobradas era de 14 pés e 6 polegadas (4,420 metros). O peso vazio do lutador era 5.895 libras (2.674 kg), e o peso bruto, 7.975 libras (3.618 kg).

Grumman F4F Wildcat, por volta de 1942-1943. (Marinha dos Estados Unidos)

O F4F-4 era movido por um motor radial de 1829,399 polegadas cúbico (29,98 litros) Pratt & amp Whitney Twin WaspSSC7-G (R-1830-86) de duas carreiras e quatorze cilindros radial com compressão proporção de 6,7: 1. O R-1830-86 foi avaliado em 1.100 cavalos de potência a 2.550 r.p.m. a 3.500 pés (1.067 metros), 1.000 cavalos de potência a 2.550 r.p.m. a 19.000 pés (5.791 metros) e 1.200 cavalos de potência a 2.700 r.p.m. para a decolagem, queimando gasolina de 100 octanas. O motor acionava uma hélice Curtiss Electric de três lâminas com um diâmetro de 9 pés e 9 polegadas (2.972 metros) por meio de uma redução de marcha de 3: 2. O R-1830-86 tinha 5 pés, 7,44 polegadas (1.713 metros) de comprimento, 44 ​​pés, 0,19 polegadas (1.224 metros) de diâmetro e pesava 1.560 libras (708 quilogramas).

O F4F-4 Wildcat tinha uma velocidade máxima de 275,0 milhas por hora (442,6 quilômetros por hora) no nível do mar e 318,0 milhas por hora (511,8 quilômetros por hora) a 19.400 pés (5.913 metros). Seu teto de serviço era de 34.800 pés (10.607 metros) e tinha um alcance máximo de 765 milhas (1.231 quilômetros).

O F4F-4 estava armado com seis metralhadoras Browning AN-M2 calibre .50 refrigeradas a ar montadas nas asas com 1.440 cartuchos de munição.

Entre fevereiro de 1940 e agosto de 1945, 7.898 Wildcats foram produzidos pela Grumman Aircraft Engineering Corporation, Bethpage, Nova York, e pela General Motors Eastern Aircraft Division em Linden, New Jersey.

Grumman F4F-4 Wildcat. (Marinha dos Estados Unidos)

¹ Várias fontes confiáveis ​​fornecem valores diferentes para o número de aeronaves inimigas abatidas pelo 2º Tenente Swett em 7 de maio de 1943, sendo cinco as mais comuns. Swett afirmou que oito foram destruídos, e isso se reflete em sua citação sobre a Medalha de Honra. O oficial de inteligência que investigou determinou que suas alegações eram válidas. A Divisão de História do USMC credita sete aeronaves inimigas destruídas: & # 8220O coronel James Elms Swett, de San Mateo, Califórnia, ganhou a Medalha de Honra na Segunda Guerra Mundial por abater sete bombardeiros japoneses em 15 minutos. & # 8221


USS Croatan (CVE-25)

O USS Croatan foi um porta-aviões de escolta lançado em 1 de agosto de 1942 pela Seattle-Tacoma Shipbuilding Corporation de Seattle, Washington, sob um contrato da Comissão Marítima patrocinado pela Sra. J. S. Russell e comissionado em 28 de abril de 1943, capitão J. B. Lyon no comando.

1. Histórico de serviço
Partindo de San Diego, Califórnia, em 2 de julho de 1943, Croatan chegou a Norfolk, Virgínia, em 19 de julho. Como núcleo de um grupo de caçadores-assassinos, ela partiu em 5 de agosto para operações anti-submarino no Atlântico cobrindo o movimento de comboios. Seus aviões tiveram duas escaramuças com submarinos que surgiram na superfície e, em 5 de setembro, iniciaram operações noturnas de voo de porta-aviões de escolta. Ela voltou para Norfolk em 22 de setembro.
De 17 de outubro a 29 de dezembro de 1943, Croatan fez duas viagens para Casablanca, transportando aeronaves e tripulações de avião para as operações no Norte da África. Depois de outra patrulha anti-submarina de 14 de janeiro a 27 de fevereiro de 1944, ela participou de testes com o Laboratório de Pesquisa Naval em Annapolis, Maryland. De 24 de março a 11 de maio, Croatan fez uma patrulha de grande sucesso. Em 7 de abril, seus aviões marcaram o submarino alemão U-856, que foi afundado por suas escoltas Champlin e Huse a 40 ° 18′N 62 ° 22′W. Na noite de 25-26 de abril, suas quatro escoltas juntaram-se ao afundamento do U-488 a 17 ° 54′N 38 ° 05′W. Ela também teve sucesso em sua patrulha de 2 de junho a 22 de julho. Em 10 de junho, os aviões e escoltas de Croatan Frost, Huse e Inch atacaram o U-490 e permaneceram em contato constante com ele, forçando-o a emergir no dia seguinte. Sessenta sobreviventes, incluindo o oficial comandante, foram resgatados antes que o submarino afundasse de cargas de afundamento em 42 ° 47′N 40 ° 08′W. A aeronave e as escoltas Frost e Inch se combinaram novamente para afundar o U-154 em 3 de julho, a 34 ° 00′N 19 ° 30′W.
Após uma breve revisão e testes de radar com o Laboratório de Pesquisa Naval, Croatan voltou ao mar em 20 de agosto de 1944. Em 15 de setembro, ela ajudou os sobreviventes do destróier Warrington, que naufragou em um furacão.Retornando a Norfolk em 1 ° de outubro, Croatan partiu em seguida para o treinamento anti-submarino na Base Naval da Baía de Guantánamo e nas Bermudas, em seguida, passou a fornecer cobertura aérea para uma força-tarefa de alta velocidade com destino ao leste, retornando a Nova York em 4 de fevereiro de 1945. Durante o mês seguinte , ela qualificou pilotos em operações de porta-aviões, depois partiu de Norfolk em 25 de março para se juntar a uma barreira para interceptar submarinos alemães como parte da Operação Teardrop. Em 16 de abril, suas escoltas, Frost e Stanton, afundaram o U-880 e o U-1235 a 47 ° 53′N 30 ° 26′W. Croatan retornou pela Estação Naval de Argentia, Newfoundland, à cidade de Nova York em 14 de maio para revisão.
De 15 de setembro a 3 de novembro, Croatan qualificou os aviadores em Quonset Point, depois liberou Norfolk em 23 de novembro na primeira das duas viagens transatlânticas para trazer tropas de Le Havre, na França.
Croatan foi colocado fora de serviço na reserva em Norfolk em 20 de maio de 1946.
Reativada, Croatan foi designada para o Serviço de Transporte Marítimo Militar em condição de não comissionada, tripulada por uma tripulação civil em 16 de junho de 1958. Em agosto de 1963, ela carregou 23 Caças F-104 entregues ao Esquadrão 331 da Real Força Aérea Norueguesa em Bodo, Noruega . Em outubro de 1964, ela serviu como um navio experimental sob o controle da NASA até maio de 1965. Em agosto de 1965, ela ajudou a transportar helicópteros do Airmobile da 1ª Divisão de Cavalaria do Exército dos EUA para o Vietnã. Ela foi eliminada em 15 de setembro de 1970 e vendida para sucata em 1971.


CVE-16 U.S.S. Nassau - História

Auxiliar de Pesquisa Ambiental Geral (AGER)
USS Pueblo AGER-2 (FP-344, FS-344, AKL-44) capturado em 23 de janeiro de 1968 na Coreia do Norte

Navio Hospital (AH)
USS Comfort (AH-6) descartado em 1967
USS Hope (AH-7) desfeito em 1978
USS Mercy (AH-8) descartado em 1970

Docas Secas Flutuantes (ABSD)
USS ABSD-2 Dique Seco Flutuante Auxiliar 2 (AFDB-2) atingido em 24 de março de 1987, desmontado em seções de 1990
USS ABSD-4 Auxiliary Floating Dry Dock 4 (AFDB-4) atingido em 15 de abril de 1989 parcialmente afundado em Seealder Harbor

Fleet Oiler (AO)
USS Kanawha (AO-1) afundado em 7 de abril de 1943
USS Neosho (AO-23) afundou em 11 de maio de 1942
USS Sangamon (AO-28) convertido em porta-aviões AVG-26 (posteriormente CVE-26) fevereiro de 1942
USS Guadalupe (AO-32) desfeito em 1975
USS Mississinewa (AO-59) afundado em 20 de novembro de 1944

Transporte de Ataque (APA)
USS McCawley APA-4 (AP-10) afundado em 30 de junho de 1943
USS Libra (AKA-12) vendido para sucata em 17 de abril de 1985
USS John Penn APA-23 (AP-51) afundado em 13 de agosto de 1944
USS Elmore APA-42 descartado por volta de abril de 1971

Minelayer (CM)
USS Ogala (ID-1255 / CM-4 / ARG-1) afundado em 7 de dezembro de 1941 reflutuado e reparado desfeito em 1955

Campo minado classe Auk (AM)
USS Starling (AM-64) transferiu México ARM Valentín Gómez Farías (C79 / G11 / P110)
USS Herald (AM-101) transferiu México ARM Mariano Matamoros (G17)
O USS Pilot (AM-104) transferiu o ARM do México Juan Aldama (C85 / G18 / P116)
USS Pioneer (AM-105 / MSF-105) transferiu o ARM do México Leandro Valle (C70 / G01 / P101)
USS Sage (AM-111) transferiu México ARM Hermenegildo Galeana (C86 / G19 / P117)
USS Sway (AM-120) transferiu México ARM Ignacio Altamirano (C80 / G12 / P111) em Guaymas, México
O símbolo USS (AM-123) transferiu o ARM do México Guillermo Prieto (C71 / G02 / P102)
USS Threat (AM-124) transferiu o ARM Francisco Zarco para o México (C81 / G13 / P112)
USS Velocity (AM-128 / MSF-128) transferiu o ARM do México Ignacio L. Vallarta (C82 / G14 / P113)
O USS Champion (AM-314 / MSF-314) transferiu o México para ARM Mariano Escobedo (C72 / G03 / P103)
O Chefe do USS (AM-315 / MSF-315) transferiu o ARM do México Jesús González Ortega (C83)
USS Competent (AM-316) transferiu México ARM Ponciano Arriaga (G04)
O USS Defense (AM-317) transferiu o ARM Manuel Doblado do México (C73)
O USS Devastator (AM-318) transferiu o ARM do México Sebastián Lerdo de Tejada (C74 / G06 / P105)
USS Gladiator (AM-319) transferiu México ARM Santos Degollado (C75 / G07 / P106) em Guaymas, México
USS Spear (AM-322) transferiu o ARM do México Ignacio de la Llave (C76 / G08 / P107)
USS Roselle (AM-379 / MSF-379) para o México ARM Melchor Ocampo (C78) / Melchor Ocampo (G10) / Manuel Gutiérrez Zamora (P109)
USS Scoter (AM-381) transferido México ARM Gutiérrez Zamora (C84) / ARM Melchor Ocampo G16 / Felipe Xicoténcatl (P115)
USS Scoter (AM-381) transferiu México ARM Gutiérrez Zamora (C84 / G16 / P115)

Campo Minado de classe Admirável (AM)
USS Hazard (AM-240 / MSF-240) exibido no Freedom Park em Omaha, Nebraska
USS Inaugural (AM-242 / MSF-242) afundado Rio Mississippi em 1993
USS Knave (AM-256 / MSF-256) para o México ARM DM-13 / ARM Cadete Juan Escutia C56 afundado em outubro de 2000 ao largo de Puerto Morelos
Projeto USS (AM-278) para Filipinas RPS Sama M-33 atingido em 1960
USS Ransom (AM-283 / MSF-283) ARM DM-12 / ARM Teniente Juan de la Barrera C55 afundado em outubro de 2000 ao largo de Cozumel
USS Scrimmage (AM-297) MV Giant II / MS Mahi afundado em fevereiro de 1982 em Oahu
USS Scuffle (AM-298) para o México ARM DM-05 / ARM General Felipe Xicoténcatl C53 afundado em junho de 2000 ao largo de Cozumel
USS Harlequin (AM-365 / MSF-365) para o México RM DM-20 / Oceanográfico / General Pedro María Anaya / Aldabaran afundado em maio de 2000

Campo Minado Motor Auxiliar (YMS)
YMS-51 afundado em 29 de abril de 1945
YMS-329 afundado em 28 de abril de 1945
YMS-363 afundado em 1º de maio de 1945
YMS-364 afundado em 1º de maio de 1945
YMS-481 afundado em 1º de maio de 1945

Navio de reparo (AR)
USS Medusa (AR-1)
USS Vestal (AR-4) vendido para sucata em 28 de julho de 1950
USS Ortolan (ASR-5) vendido em 20 de agosto de 1947 destino final desconhecido
USS Chanticleer (ARS-7) vendido para sucata em 1º de junho de 1974
USS Sperry (AS-12) vendido para sucata em 2011
USS Laertes (AR-20)

Submarine Tender (AS)
USS Holland (AS-3)
USS Fulton (AS-11)

Rebocador de frota (AT)
USS Conestoga AT-54 / SP-1128 afundado em 21 de março de 1921, descoberto em 2009, identificado em 2016
USS Seminole (AT-65) afundado em 25 de outubro de 1942
USS Cocopa (ATF-101, ARM Seri, RE-03) ainda em uso em 2009
USS Rail (AT-139)

Rebocador Portuário (YT)
USS Sotoyomo (YT-9) 7 de dezembro de 1941 afundado, mas posteriormente levantado e reparado

Battleship (BB)
USS Utah BB-31 / AG-16 afundado em 7 de dezembro de 1941 em Pearl Harbor
USS New York BB-34 afundado em 8 de julho de 1948
USS Texas BB-35 exibido no Battleship Texas State Historic Site em LaPorte, TX
USS Nevada BB-36 afundado em 31 de julho de 1948
USS Oklahoma BB-37 afundado em 7 de dezembro de 1941 em Pearl Harbor
USS Arizona BB-39 afundado em 7 de dezembro de 1941 em Pearl Harbor
USS New Mexico (BB-40) descartado em 1947
USS Mississippi BB-41 vendido para sucata em 28 de novembro de 1956
USS California BB-44 vendido para sucata em 10 de julho de 1959
USS Colorado BB-45 desfeito em 23 de julho de 1959
USS Maryland BB-46 desfeito em 8 de julho de 1959
USS West Virginia BB-48 vendido para sucata em 24 de agosto de 1959
USS North Carolina BB-55 exibido em Wilmington, NC
USS South Dakota BB-57 vendido para sucata em 25 de outubro de 1962
USS Indiana BB-58 vendido para sucata em 6 de setembro de 1963
USS Massachusetts BB-59 exibido em Battleship Cove
USS Alabama BB-60 exibido em Mobile, AL
USS Iowa BB-61 exibido como USS Iowa Museum no Pacific Battleship Center no porto de Los Angeles
USS New Jersey BB-62 exibido em Camden, NJ
USS Missouri BB-63 exibido em Pearl Harbor, HI
USS Wisconsin BB-64 exibido no Museu do Navio de Guerra USS Wisconsin em Norfolk, Virgínia

Cruiser / Crusier Blindado / Cruiser Protegido
USS Baltimore (C-3, CM-1) afundado em 22 de setembro de 1944, descoberto em setembro de 2017 por Okeanos Explorer no Musicians Seamounts
USS Rochester (CA-2 USS New York ACR-2, USS Saratoga ACR-2) afundado em dezembro de 1941
USS Olympia (CA-6 CA-15, CL-15, IX-40) exibido em Filadélfia, PA

Heavy Cruiser (CA)
USS Pensacola (CA-24) afundado em 10 de novembro de 1948
USS Salt Lake City (CA-25)
USS Northampton (CL-26 / CA-26) afundado em 1º de dezembro de 1942
USS Chester CA-27 desfeito em 1959
USS Louisville (CA-28, CL-28) desfeito em 1959
USS Chicago (CA-29, CL-29) afundado em 30 de janeiro de 1943 na Batalha da Ilha Rennell
USS Houston (CA-30) afundado em 28 de fevereiro de 1942
USS Augusta (CA-31) descartado em 1960
USS New Orleans (CA-32) desfeito em 1959
USS Portland (CA-33) desfeito em 1959
USS Astoria (CA-34) afundado em 9 de agosto de 1942
USS Indianapolis (CA-35) afundado em 30 de julho de 1945
USS Minneapolis (CA-36) desfeito em julho de 1960
USS San Francisco (CA-38) desfeito em maio de 1961
USS Quincy (CA-39) afundado em 9 de agosto de 1942
USS Baltimore (CA-68) desfeito em 1972
USS Canberra (CA-70, CAG-2) descartado em 1980

Transportadora de escolta (CVE)
USS Long Island CVE-1 desfeito em 1977
USS Copahee CVE-12 descartado em 1961
USS Nassau CVE-16 desfeito em 1961
USS Barnes CVE-20 desfeito em 1959
USS Block Island CVE-21 afundado por três torpedos do U-549
USS Breton CVE-23 desfeito em 1972
USS Sangamon CVE-26 convertido do lubrificador AO-28 durante fevereiro de 1942
USS Suwannee CVE-27 desfeito em junho de 1962
USS Baffins CVE-35 (AVG-35, ACV-35, HMS Ameer)
USS Liscome Bay CVE-56 afundado em 24 de novembro de 1943 *
USS Manila Bay CVE-61 desfeito em 1959
Baía USS Natoma (CVE – 62)
USS St. Lo CVE-63 (AVG-63, ACV-63) afundado em 25 de outubro de 1944 por ataque kamikaze
USS Kalinin Bay CVE-68 desfeito em 1946
Baía USS Kadashan (CVE-76)
USS Ommaney Bay CVE-79 afundado em 4 de janeiro de 1945
USS Sargent Bay (CVE-83) descartado em 1959
USS Gambier Bay CVE-93 afundado em 25 de outubro de 1944 *
USS Kwajalein CVE-98 descartado em 1961
USS Block Island (CVE-106) desfeito em 1960
USS Gilbert Islands CVE-107 desfeito em 1979

Porta-aviões leves (CVL)
USS Independence CVL-22 (CV-22) afundou em 1951
USS Princeton CVL-23 afundado em 24 de outubro de 1944 *
O USS Belleau Wood CVL-24 foi transferido para a Marinha da França e voltou em 1960, descartado em 1960
USS Cowpens CVL-25 (CV-25, AVT-1) descartado em 1960
USS Monterey CVL-26 (CV-26) descartado em maio de 1971
USS Langley CVL-27 desfeito em 1964
USS Cabot CVL-28 descartado em 2002
USS Bataan CVL-29 desfeito em 1961
USS San Jacinto CV-30 (CVL-30) descartado em 1971

Destroyer (DD), Destroyer Escort (DE), Destroyer Minesweeper (DMS), High-Speed ​​Transport (APD) e Auxiliary Seaplane Tender (AVD)
USS Manley DD-74
USS Rathburne DD-113 (APD-25) vendido para sucata em novembro de 1946
USS Little DD-79 (APD-4) afundado em 5 de setembro de 1942
USS Gregory DD-82 (APD-3) afundado em 5 de setembro de 1942
USS McKean DD-90
USS Talbot DD-114 (APD-7) descartado em 30 de janeiro de 1946
USS Gamble DD-123 (DM-15) afundou em 16 de julho de 1945 fora do porto de Apra, perto de Guam
USS Ward (No. 139, DD-139, APD-16) afundado em 7 de dezembro de 1944 na Batalha de Ormoc Bay
USS Elliot (DD-146)
USS Crosby (No. 164, DD-164, APD-17
USS Liddle DE-206 / APD-60 vendido para sucata em 1967
USS Southard (DD-207 / DMS-10)
USS Kephart DE-207 (APD-61, Kyong Puk PF-82)
USS Hovey DD-208 (DMS-11)
USS Long DD-209 afundado em 6 de janeiro de 1945 por Kamikaze
USS Barker (DD-213) desfeito em 30 de novembro de 1945
USS John D. Edwards (DD-216) desfeito em 30 de novembro de 1945
USS Parrott (DD-218) desfeito em 5 de abril de 1947
USS Edsall (DD-219) afundado em 1º de março de 1942
USS Bulmer (DD-222) desfeito em 19 de fevereiro de 1947
O USS Stewart (DD-224) afundou em 2 de março de 1942, reparado pelos japoneses como Barco de Patrulha nº 102
USS Pope DD-225 afundado em 1º de março de 1942 *
USS Peary DD-226 afundado em 19 de fevereiro de 1942
USS Pillsbury DD-227 afundado em 2 de março de 1942 pelos cruzadores japoneses Atago e Takao
USS Ballard DD-267 (AVD-10)
USS Dale DD-290 (SS Masaya) afundado em 28 de março de 1943
USS Osborne DD-295 (SS Matagalpa) queimado em 26 de junho de 1942, afundado em 6 de setembro de 1947
USS Zane DD-337 (DMS-14 / AG-109) descartado em 1947
USS Trever DD-339 (DMS-16 / AG-110) descartado em 1946
USS Perry DD-340 (DMS-17) afundado em 14 de setembro de 1944 *
USS William B. Preston DD-344 (AVP-20 / AVD-7) descartado em 6 de novembro de 1946
USS Macdonough (DD-351) desfeito em 1946
USS Worden (DD-352) fundado em 12 de janeiro de 1943
USS Selfridge DD-357
USS Phelps DD-360 descartado em agosto de 1947
USS Mahan (DD-364) afundado em 7 de dezembro de 1944 durante a Batalha de Ormoc Bay
USS Drayton DD-366 descartado em dezembro de 1946
USS Lamson DD-367 afundado em 1º de julho de 1946 durante o teste & quotAble & quot bomba atômica
USS Reid DD-369
USS Case DD-370
USS Cassin DD-372 7 de dezembro de 1941 destruído, peças recuperadas
USS Shaw DD-373, 7 de dezembro de 1941, danos pesados, descartado em julho de 1946
USS Downes DD-375 7 de dezembro de 1941 destruído, peças recuperadas e recomissionadas, descartado em 18 de novembro de 1947
USS Cushing DD-376 afundado em 13 de novembro de 1942 Batalha Naval de Guadalcanal
USS Perkins DD-377 afundado em 29 de novembro de 1942 após colisão com MV Duntroon
USS Preston DD-379 afundado em 14 de novembro de 1942
USS Gridley DD-380
USS Bagley DD-386 descartado em 8 de setembro de 1947
USS Blue DD-387 afundado em 22 de agosto de 1942 *
USS Helm (DD-388) 7 de dezembro de 191 danos leves
USS Mugford DD-389 *
USS Ralph Talbot (DD-390)
USS Henley DD-391 afundado em 3 de outubro de 1943
USS Jarvis DD-393 afundado em 9 de agosto de 1942
USS Ellet DD-398
USS McCall DD-400
USS Maury DD-401
USS Edmonds DE-406
USS Sterett DD-407
USS Sims DD-409 afundado em 7 de maio de 1942
USS Anderson DD-411
USS Hammann DD-412 afundado em 6 de junho de 1942 pela I-168 durante a Batalha de Midway
USS Mustin DD-413 afundado em 18 de abril de 1948 por tiros de Kwajalein
USS Samuel B. Roberts DE-413 afundado em 25 de outubro de 1944
USS Walke DD-416 afundado em 15 de novembro de 1942
USS Gwin DD-433 danificado em 13 de julho de 1943 afundado
USS Monssen DD-436 afundado em 13 de novembro de 1942
USS Fletcher DD-445 desfeito em 1972
USS Radford DD-446
USS Jenkins DD-447
USS Nicholas DD-449
USS O'Bannon DD-450
USS Laffey DD-459 afundado em 13 de novembro de 1942
USS Woodworth DD-460
USS Saufley DD-465 afundado em 20 de fevereiro de 1968
USS Strong DD-467 afundado em 5 de julho de 1943
USS De Haven DD-469 afundado em 1º de fevereiro de 1943
USS Bache DD-470
USS Bennett DD-473
USS Emmons DD-475 / DMS-22 afundado em 6 de abril de 1945
USS Hutchins DD-476
USS Pringle DD-477 afundado em 1º de abril de 1945 *
USS Aaron Ward DD-483 afundado em 7 de abril de 1943
USS Buchanan DD-484 transferido para a Turquia como TCG Gelibolu (D-346) descartado em 1976
USS Duncan DD-485 afundado em 12 de outubro de 1942
USS Lansdowne DD-486
USS Lardner DD-487
USS McCalla (DD-488)
USS Farenholt DD-491
USS Philip DD-498 (DDE-498) afundado em 2 de fevereiro de 1972
USS Renshaw DD-499
USS Conway DD-507 afundado como alvo em 26 de junho de 1970
USS Brownson DD-518 afundado em 26 de dezembro de 1943
USS Daly DD-519
USS Abner Read DD-526
USS Bush DD-529 afundado em 6 de abril de 1945
USS Hoel DD-533 *
USS Lewis DE-535
USS John D. Henley DD-553
USS Johnston DD-557 afundado em 25 de outubro de 1944
USS Prichett DD-561 (Geniere (D 555) transferido para a Itália 1970 desfeito em 1975
USS Aulick DD-569
USS Burns DD-588
USS Barton DD-599 afundado em 13 de novembro de 1942
USS Meade DD-602
USS Kalk DD-611 afundado em março de 1969 como alvo
USS England DE-635 vendido para sucata em 26 de novembro de 1946
USS Sigourney DD-643 desfeito em 31 de julho de 1975
USS Kidd DD-661
USS Gatling (DD-671)
USS Underhill (DE-682) afundado em 24 de julho de 1945 por Kaiten
USS Cooper DD-695 afundado em 3 de dezembro de 1944
USS Walke DD-723 desfeito em 1975
USS O'Brien (DD-725)
USS Strong (DD-758 / DE-758) / Rio Grande do Norte (D-37) afundou 1997 ao largo de Durban enquanto estava sendo rebocado do Brasil para a Índia para demolição
USS Slater DE-766 (Aetos D01) exibido no Destroyer Escort Historical Museum em Albany, NY
USS Ebert DE-768 afundado em julho de 2002
USS Aaron Ward (DD-773 / DM-34) descartado em 1946
USS Henderson DD-785
USS Cassin Young DD-793
O USS Colhoun (DD-801) foi danificado em 6 de abril de 1945 por uma aeronave kamikaze e retornou aos Estados Unidos
USS Little DD-803 afundado em 3 de maio de 1945 por Kamikaze perto de Okinawa
USS Basilone DD 824 afundado em 9 de abril de 1982
USS Joseph P. Kennedy (DD-850) exibido em Battleship Cove
USS Jesse L. Brown (DE-1089) vendido para o Egito Damiyat F961

Frete e carga do tipo FP (FS)
FS-172 encalhou e afundou em julho de 1946 perto do Cabo Croisilles na Nova Guiné
FS-177 afundado em 17 de julho de 1972

Embarcação de Pouso Não Identificada
Embarcação de pouso não identificada afundada em Kwajalein
Barcaça de concreto afundada em Kwajalein

Infantaria de embarcações de pouso (LCI) / LCI (L) / LCI (M)
LCI (L) -600 afundado em 12 de janeiro de 1945 por Kaiten com a perda de três tripulantes
USS LCI (M) -807 / USS LCI (G) -807 / USS LCI (L) -807 destino final desconhecido provavelmente eliminado

Embarcação de pouso mecanizada (LCM)
LCM (3) P-56 exibido em Battleship Cove
LCM (3) afundou na Ilha de Gavutu

Landing Ship Medium (LSM)
USS LSM-201 vendido para sucata em 10 de novembro de 1946 e sucateado depois
USS LSM (R) -195 afundado em 3 de maio de 1945 na costa de Okinawa

Tanque do navio de desembarque (LST)
O USS LST-18 desembarcou em Tanahmerah em 24 de abril de 1944
USS LST-169 descartado por volta de 1947
USS LST-202
USS LST-245 descartado por volta de 1948
USS LST-340 (USS Spark, IX-196) danificado em 16 de junho de 1943 reparado
USS LST-342 afundado em 18 de julho de 1943, proa encalhada na Ilha da Flórida
USS LST-353
USS LST-396
USS LST-454 desfeito em 1947
USS LST-456 (Q043, USNS T-LST-456, MV Karkas, MV Bshair) destino final desconhecido provavelmente eliminado
USS LST-480 afundado em 20 de maio de 1944 devido a uma explosão de munição em West Lock
USS LST-577 afundado em 10 de fevereiro de 1945 por um torpedo disparado por RO-50
USS LST-711 destino final desconhecido provavelmente descartado
USS LST-927 descartado em 9 de dezembro de 1947
USS LST-974 destino final desconhecido provavelmente descartado
USS LST-1110 (USS San Bernardion County, RPS Chung Chiang) descartado em 1993

Liberty Ship (EC2-S-C1)
SS John W. Brown atracou o porto de Baltimore, Maryland, operado pelo navio Project Liberty
SS Russell H. Chittenden encalhou em 13 de março de 1945 e naufragou
SS Rufus King encalhou em 7 de julho de 1942
SS Jeremiah O'Brien ancorado no Pier 45 em Fisherman's Wharf, São Francisco The National Liberty Ship Memorial, Inc
SS Joseph Stanton desfeito em 1964
SS John L. Sullivan (YAG-37) desfeito em 1958

Canhoneira a motor (PGM)
USS PGM-7 afundado em 18 de julho de 1944

Tender Barco Torpedo a Motor (PG, AGP)
USS Jamestown PG-55 descartado em 16 de dezembro de 1946
USS Hilo PG-58 (AGP-2) destino final desconhecido provavelmente descartado
USS Oyster Bay (AGP-6, AVP-28) transferido para Itay

Escuna
USS Lanikai afundou 1947 durante o tufão

Subcomprador (SC)
USS SC-750
USS SC-772

Transporte e navio marítimo (SS, USAT, USS)
SS Masaya (anteriormente USS Dale DD-290) afundado em 28 de março de 1943
SS Matagalpa (formalmente USS Osborne DD-295) Queimado em 26 de junho de 1942, afundado em 6 de setembro de 1947
USAT Liberty afundado em 11 de janeiro de 1942
O presidente da SS Coolidge afundou em 26 de outubro de 1942, colisão acidental com uma mina
O presidente Grant da SS foi fundado em 26 de fevereiro de 1944
Presidente do USS Taylor (Estado de Granito, Presidente Polk), castigado em 14 de fevereiro de 1942
SS Stanvac Manila afundado em 24 de maio de 1943

Navio Vitória (VC2-S-AP2)
SS American Victory exibida em Tampa, Flórida, no SS American Victory Ship Mariners Memorial Museum
O SS Lane Victory atracou em San Pedro, operado pelos veteranos da Marinha Mercante dos EUA na segunda guerra mundial
SS Red Oak Victory exibida no Parque Histórico Nacional da Frente Interna Rosie the Riveter / Segunda Guerra Mundial

Barcaça de combustível não autopropelida (YON)
Erskine M. Phelps (YON-147) afundado em 7 de abril de 1943, posteriormente levantado e resgatado

Embarcação Diversa Não Classificada (IX)
USS Olympia (IX-40) exibido em Filadélfia, PA
Etamin IX-173 (USS Etamin AK-93) descartado em 1948
USS Ocelot (IX-110) vendido para sucata em 1948
USS Armadillo (IX-111)
USS Abarenda (IX-131)
USS Spark (IX-196) formalmente USS LST-340
IX-522 seção D do USS AFBD-2 no escritório de manutenção no local de navios inativos da NAVSEA em Pearl Harbor.
IX-524 seção F do USS AFBD-2 rebocado para Pacific Missile Range Facility em Kekaha, Havaí
IX-535 seção H do USS AFBD-2 rebocado para Pacific Missile Range Facility em Kekaha, Havaí

Iate (PY)
USS Isabel (PY-10) desfeito em março de 1946

HistoryLink.org

Em 21 de junho de 1942, o submarino I-25 da Marinha Imperial Japonesa bombardeia as defesas costeiras do Fort Stevens do Exército dos EUA no lado de Oregon da foz do rio Columbia. Os japoneses estão retaliando pelo bombardeio americano ao Japão em abril anterior. As baterias dos EUA não respondem ao fogo e não há danos graves.

A foz do rio Columbia era defendida por três fortes do Exército: Fort Stevens do lado do Oregon e Forts Canby e Columbia do lado de Washington. Em 1942, unidades de Artilharia Costeira e da Guarda Nacional manejavam pesados ​​canhões e morteiros que datavam da virada do século XX. As armas que cobrem as praias datam da Primeira Guerra Mundial

Em 18 de abril de 1942, 16 bombardeiros B-25 do Exército dos EUA atacaram as ilhas japonesas após serem lançados do porta-aviões U.S. Hornet. O Doolittle Raid, como veio a ser conhecido, teve pouco efeito tático e todos os aviões foram perdidos. O episódio fez com que os líderes militares japoneses ajustassem sua disposição de forças em todo o Pacífico. Vários submarinos classe I de longo alcance foram despachados pelo Pacífico para atacar o transporte marítimo e a costa oeste dos Estados Unidos e do Canadá.

O alto comando japonês despachou os submarinos I-25 e I-26 para o noroeste do Pacífico em busca de embarcações navais com destino ao Alasca e às Aleutas. Em 20 de junho de 1942, o I-26 bombardeou o farol em Estevan Point na Ilha de Vancouver, e o I-25, sob o comando do Comandante Meiji Tagami, torpedeou e bombardeou o cargueiro S.S. Fort Camosun fora de Cape Flattery. O cargueiro não afundou e ela foi rebocada para um local seguro na baía de Neah.

Na noite de 21 de junho de 1942, o I-25 usou uma tela de barcos de pesca para evitar campos minados ao largo do Columbia e tomou posição ao largo de Fort Stevens. Na superfície, a tripulação disparou seu canhão de convés de 14 cm (5,5 polegadas) na costa sem fazer pontaria. No primeiro tiro, os soldados do forte manejaram suas armas e holofotes, e os vigias puderam ver o submarino disparando. Mas o navio inimigo foi planejado (erroneamente) para ficar fora do alcance, e os artilheiros nunca receberam permissão para responder ao fogo. Além disso, o comandante do forte não quis revelar a localização precisa das defesas.

Os projéteis do I-25 caíram inofensivamente na areia e esfregaram ao redor de Battery Russell, danificando apenas o contra-freio do diamante de beisebol e um cabo de força. Um soldado cortou a cabeça correndo para seu posto de batalha. Por volta da meia-noite, os disparos cessaram e o submarino partiu para o oeste, depois para o norte. A tripulação japonesa disparou 17 tiros, mas as testemunhas em terra contaram apenas entre 9 e 14 tiros. Algumas conchas podem ter fracassado ou podem ter caído no mar.

I-25 atacou os EUA novamente em setembro de 1942, quando lançou uma aeronave que lançou bombas incendiárias nas florestas no sul do Oregon. Não houve conflagração como o alto comando esperava. O I-25 então atacou e afundou dois navios na costa do Oregon e torpedeou um submarino soviético por engano no meio do Pacífico.

Destróieres americanos afundaram o I-25 em 1943. Vários de seus tripulantes foram transferidos e sobreviveram à guerra para contar suas histórias.

O ataque ao Fort Stevens ilustrou uma falha na estratégia de defesa costeira dos EUA. Apesar dos esforços dos engenheiros militares, os inimigos sempre podiam desenvolver armas de alcance maior do que os canhões costeiros. O pequeno canhão de convés do I-25 poderia ultrapassar os grandes rifles e morteiros do forte.

Em janeiro de 1944, a maioria das unidades da Artilharia Costeira havia sido dissolvida. Em 1975, a propriedade tornou-se uma unidade do sistema de Parques Estaduais de Oregon.

Rifle de desaparecimento de 10 "em Fort Stevens, cerca de 1942

Cortesia de amigos de Old Fort Stevens

Soldados e cratera japonesa, Fort Stevens, Oregon, junho de 1942

Cortesia dos Arquivos Nacionais, (ARC 299678)

Fort Stevens State Park, 2004

Cortesia dos Parques Estaduais de Oregon

Fontes:

Bert Webber, Retaliação: Ataques Japoneses e Contramedidas Aliadas na Costa do Pacífico na Segunda Guerra Mundial (Corvallis: Oregon State University Press, 1975).
Nota: Este ensaio foi corrigido em 7 de novembro de 2011.


USS Block Island (CVE 21)


Fotografia do Centro Histórico Naval dos EUA # NH106576

Esta é uma lista de pessoas associadas a este navio.
Temos também uma página detalhada sobre a transportadora americana USS Block Island (CVE 21).

A bordo do USS Block Island (CVE 21), quando atingido em 29 de maio de 1944

Você pode clicar em qualquer um dos nomes para possíveis informações adicionais

NomeEraClassificaçãoServido em
Abel, Alfred Oliver, USN Comissário ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Adsit, Harold Ira, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ahern, James Francis, USNR Ferreiro de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Airoldi, Chester Paul, USN Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Aker, George Ellsworth, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Albea, James Bussey, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Aleck, Nick, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Allen, Russell Leroy, USNR Yeoman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Allen, Sprunt Johnnie, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Allen, Wyman Everette, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Alvarez, Armand, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Anderson, Lawrence Dean, USNR Companheiro de Farmacêutico de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Andresen, Eugene Raymond, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ankiewicz, Charles George, USNR Água de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Annunziata, Joseph Pelligrino, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Antosh, Joseph Paul, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Arens, Austin John, USNR Radioman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Armstrong, John Everett, USNR Eletricista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Arnold, Francis Hussong, USN Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bailey, Clarence M., USN Carpinteiro ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Bair, Eldred Eugene, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Baker, Cyrel Chandler, USNR Yeoman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Baldwin, Jerome Donald, USN Ferreiro de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ballard, Frederick A., USNR Tenente ComandanteUSS Block Island (CVE 21)
Banner, Reginald Percy, USNR Companheiro de maquinista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Barksdale, Thomas Mayfield, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Barnes, Bertrum P., USN Imediato de contramestre de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Barnett, Jacob A., USN Tenente (grau júnior)USS Block Island (CVE 21)
Bartlett, Sylvester, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Battle, Otis Thomas, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bazemore, Cling, USNR Hospital Aprendiz de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bazzini, Emil George, USNR Companheiro de carpinteiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Beasley, Warren Denney, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Beckworth, Claud Keger, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bell, George Curtis, USNR Cozinheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bell, George Everett, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bell, William Francis, USNR Yeoman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Benner, George Benjamin, USNR Ferreiro de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Benson, Kenneth Earlie, USNR Fire Controlman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bergstrom, Harvey Raymond, USNR Companheiro de eletricista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bernal, Ernest Robert, USN TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Betz, Carl Milton, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bevel, Walter Shivers, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Biggs, Arthur Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Biron, Irving Angelo, USNR Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bispo, Daniel Cristoplice, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bispo, Harold Henley, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Black, Ralph Thorne, USNR Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Blackburn, W.C., USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Blalock, James Boyce, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Em branco, Chester Robert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Booi, Walter Joseph, USN Eletricista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Booth, Everett Wendell, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Booth, Jules Robert, USN Radarman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Botelho, Robert William, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Botsford, Richard Adelbert, USNR Quartermaster Third ClassUSS Block Island (CVE 21)
Bouck, Gene Warren, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Boudreaux, Wilbur Anthony, USNR Radioman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bowling, Rudell Townsend, USNR Mecânico de mira de bomba de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bowman, Julius William, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Boyer, Frank James, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bradley, William Edwin, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brand, Charles, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brand, Henry, USN Companheiro do maquinista chefe da aviaçãoUSS Block Island (CVE 21)
Brannigan, Francis, USN Companheiro do maquinista chefe da aviaçãoUSS Block Island (CVE 21)
Branum, Carl Ambers, USNR Ferreiro de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Bratton, Dennis, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brendle, Boyd Wharton, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bridges, Gene Frank, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brink, Harold Lester, USN Ferreiro de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Britt, Thomas Kirk, USNR Companheiro do fotógrafo de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Broadt, Leroy Conrad, USN Imediato do Farmacêutico ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Brod, Leander Andrews, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bronson, Freddie Horace, USNR Maquinista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Brower, Don W., USNR Maquinista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Brown, Charles Ellwood, USNR Chefe YeomanUSS Block Island (CVE 21)
Brown, Charles Lawrence, USN Metalúrgico de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brown, Charlie, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brown, Gene, USNR Radioman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Brown, Henry, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brown, Jack Dale, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Brown, James Richard, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Brown, Pierce, USN Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Browne, John Joseph, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Buckner, Harold Houston, USNR Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Buckner, Waneard Austin, USN Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Buell, Robert Perry, USNR TenenteUSS Block Island (CVE 21) +
Buena, Crispin, USNR Comissário de Primeira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Bullis, Martin Nichols, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Burchfield, Calvin Warren, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Burgan, Donald A., USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Burnes, R.F., USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Burnette, Walter R., USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Bustamante, Abraham, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Butler, Curtis Nelson, USNR Radarman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Butow, Arthur Ray, USN Shipfitter de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Buxie, Francis, USNR Comissário de Terceira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Byrd, Williamson Albert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Byrne, L.C., USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cadawas, Santos Cruz, USNR Cozinheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cain, Lewis Benford, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Caine, Ellis Warren, USN Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Caldwell, William Bartlett, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Campilli, Olvaldo, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cannon, Clyde Vernon, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Cannon, Gordon Phillip, USN Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Cannon, Jack Leland, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Cansler, Robert, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Capen, Robert Frank, USN Companheiro do maquinista chefe da aviaçãoUSS Block Island (CVE 21)
Carmel, Robert Paul, USNR Hospital Aprendiz de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Carney, William, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Carpinteiro, Arthur Raymond, USNR Hospital Aprendiz de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Carr, John F., USN Tenente (grau júnior)USS Block Island (CVE 21)
Carr, Norman Bertram, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Carter, Milton Duval, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Caster, Paul Monroe, USNR Companheiro do fotógrafo-chefeUSS Block Island (CVE 21)
Cavner, Richard Donald, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Chamberlain, James David, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Chan, Patrick Hop, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Chatham, Archie Reeves, USN Shipfitter de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Chevalier, Harold Edward, USNR Yeoman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Church, Earl, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Igreja, Ellis Charles, USN Imediato de contramestre de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ciemiewicz, Joseph John, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cileo, Santo Paulo, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Clark, James, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Clark, James Kay, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Clarke, Lewis Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Clarno, Eugene Lyle, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Clement, James Martin, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Clemento, Thomas, USN Chefe YeomanUSS Block Island (CVE 21)
Clemons, Jack Ambrose, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Clewis, Carson, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Coate, Charles Franklin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Coates, William Earl, USN Fire Controlman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Cobia, Bobbie Eugene, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Coen, Rex D., USN Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Café, Leon Grady, USNR Comissário de Terceira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Colbert, Virgil James, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Coleman, Alonzo Burton, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Colletti, Jerry Carmine, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Colvin, William Robert, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Connolly, Joseph William, USNR Radioman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cook, Charles Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cook, Orra Ivan, USNR Companheiro de Farmacêutico de Segunda ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Cooper, Harold LeRoy, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Costello, James Joseph, USNR Comandante de incêndio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Courtney, Edward Maurice, USNR Yeoman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cousineau, Donald Myles, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cox, Robert Lee, USN Baker terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Crane, Raymond Michael, USNR Ferreiro de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Creviston, Paul Rat, USN Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Tripulações, Andrew Thomas, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Crosby, Carlton Charlie, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Culberson, Alexander, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Cunningham, Joseph Edward, USN Imediato do Maquinista ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Cupka, John Joseph, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Atual, Eugene, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Curtis, Pearson Gilbert, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Custer, Jasper L., USNR ComandanteUSS Block Island (CVE 21)
Cyr, Walter Garland, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
D'Antuono, Antonio, USN Cozinheiro do navio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Dahneke, Jack Mathew, USNR Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Daigre, Felton Antony, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Daley, George Philip, USNR Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Daly, Irvin Henry, USNR Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Damelin, Robert George, USNR Sinalizador de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dargus, Dominick, USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Dauphinais, Raymond Charles, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Davis, William Harold, USN Radioman First ClassUSS Block Island (CVE 21)
Davison, Henry Royal, USNR Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Dawley, Forest Earl, USNR Baker terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
De Berry, Robert Green, USN Imediato do eletricista-chefeUSS Block Island (CVE 21)
De Biase, Patsey Francis, USNR Shipfitter de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
De Celles, Henry, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
De Donato, John Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
De Vito, George Anthony, USNR Sinalizador de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
De Vos, George Daniel, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dearden, Joseph Herbert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Deffenbaugh, Robert Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Delhomme, Louis Mouton, USNR Yeoman First ClassUSS Block Island (CVE 21)
Demello, Alfred, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dennison, Alan V., USNR TenenteUSS Block Island (CVE 21)
Dennisuk, Victor, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Dentone, James, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Devanna, Arthur Raymond, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dever, James Bernard, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Di Prospero, Mario N., USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Difiglia, Charles, USNR Companheiro do torpedomano de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Dionne, Reme Louis, USNR Companheiro de maquinista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dishaw, Frederick Maurice, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dix, John Clair, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dobbins, Jack, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Doggett, Cecil J., USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Doherty, Francis Xavier, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dolan, Edward Dorsey, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Donahue, Bartley, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dorriety, James Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Downey, John James, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Downing, William Keith, USNR Maquinista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Doxtader, Francis Guy, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dozier, Eugene, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Drake, Philip Sterns, USNR Quartermaster Third ClassUSS Block Island (CVE 21)
Ducharme, Norman E., USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Duerk, Edwin William, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Duffy, James Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Dulman, Albert Leon, USNR Lojista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ebel, Milton Irvin, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Eberhardt, Edward Malhon, USNR Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Eddy, Cleal Gerald, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Edgington, Marion Oscar, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Edmondson, Kirk R., USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Edwards, Donald Dale, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Edwards, Napoleon Bonneparte, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Edwards, Rutherfold Lee, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Effinger, Edward Thompson, USNR Shipfitter de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Elam, James Garland, USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ellingson, John Roe, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ellison, Warren G. Harden, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Elopre, Fernando, USN Cozinheiro chefeUSS Block Island (CVE 21)
Erbes, Oscar Leo, USNR Sinalizador de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ernest, Clifford Robert, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Escumbise, Espiridion, USNR Cozinheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Evans, Amos Jones, USNR Cozinheiro do navio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Evers, Louis Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Fabian, Francis Maurice, USNR Radioman First ClassUSS Block Island (CVE 21)
Fagan, Thomas John, USNR Companheiro de maquinista Engenheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Farley, Harold Lafayette, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Farrel, Melvin Mearl, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Faulk, John Andrew, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Fedele, John Elbe, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Felker, Paul Russell, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Fell, Mathias Joseph, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Fickas, James Byron, USNR Cozinheiro de navio de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Fincher, Cecil Lane, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Fisher, Fred August, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Flandres, Jimmy Donoran, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Floyd, Herbert Aubrey, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Flynn, Chester Patrick, USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ford, Roy Louis, USN Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Foreman, Amos Edward, USNR Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Foss, William Marion, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Fossum, Arthur Martin, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Foster, Charles Carmack, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Foster, Charles Wilson, USNR Radioman de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Fournier, Albert Henry, USNR Shipfitter de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Fowler, Gustus William, USN Ferreiro-chefe da aviaçãoUSS Block Island (CVE 21)
Frame, Earl Samuel, USNR Companheiro de maquinista de aviação, mecânico hidráulico, segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Franks, James O'Neil, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21) +
Frasher, Chester Hobert, USN Lojista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Freeman, Winfield, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Francês, June Henry, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Fuller, John James, USNR Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Fusci, Peter Alexander, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Fusco, Francis Angelo, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Gadson, Wesley, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gamba, Joe Charles, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Garriott, Lawrence Emery, USN Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Garrison, C.B., USNR Companheiro do torpedomano de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gasper, William Pete, USNR Radioman de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gatta, Antonio Leonard, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Gauthier, Francis Richard, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Gellner, Robert James, USN Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Gentry, Charles Ray, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Georgeadis, Christostomo, USNR Radioman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gerdes, Clyde Edward, USNR Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Gibbs, Melvin Lesley, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gibson, Edward William, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gibson, Lloyd Gordon, USN Quartermaster First ClassUSS Block Island (CVE 21)
Giovanniello, Urbano Carl, USN Ferreiro de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Gober, Phillip Bell, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Goetz, Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Goodwin, John Raymond, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Goos, Jacob W., USN Torpedoman's Mate Aviation Third ClassUSS Block Island (CVE 21)
Gosby, Eddie, USN Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Grant, Herman James, USNR Comissário de Terceira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Grant, Robert Arthur, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Green, George Robert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Green, Robert Wesley, USNR Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Greer, Jack Herbert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Griffin, Eugene Sterling, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Griffin, James Parker, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Griswold, William Harrison, USN TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Grizzard, James Hulan, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Grogan, William Joseph, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gronau, Victor Paul, USNR Companheiro de eletricista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Groninger, Richard LeRoy, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gronvold, George R., USN ComandanteUSS Block Island (CVE 21)
Gstalter, Edmond Albert Russell, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Guay, Leonard Bartholomew, USNR Cozinheiro de navio de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Guilfoile, William Russell, USNR Mecânico de instrumentos de maquinista de aviação, segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Gurr, Wesley Edward, USNR Baker terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Gustafson, George Goodwin, USNR Radarman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hagan, William Joseph, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hahn, Francis Aosa, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hall, Clifford Max, USN Água de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Halliday, Thomas Robert, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hamilton, Samuel Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hamrick, Donald, USN Shipfitter de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hanes, Marvin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hanlon, Joseph Daniel, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hardman, Manuel Deearmond, USN Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Harper, Charles James, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Harrell, William Henderson, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Harrington, David William, USNR Técnico de rádio de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Harrington, Wallace Aallen, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hart, Kenneth Clifford, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hastings, James David, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Heather, Leo Henry, USN Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Heide, Robert Lee, USN TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Hellwig, Louis Herman, USN Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Henderson, Colman Burkett, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Henderson, Marlin Myron, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hepting, William Bernhard, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Herbst, Isadore Albin, USN Lojista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Herman, George Elmer, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Herman, William Norman, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hernandez, Frank Guerrero, USNR Quartermaster Third ClassUSS Block Island (CVE 21)
Hess, Walter Henry, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Heyer, Harvey William, USNR Mecânico de mira de bomba de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hice, Raymond Ellis, USNR Ferreiro de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hill, Allen Hugh, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hill, Edwin Joseph, USNR Radioman de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hoff, Paul Franklin, USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Holcomb, Ernest Augusta, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Holmes, Robert Patterson, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hoobler, Norman Gunn, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hood, William A., USN Tenente ComandanteUSS Block Island (CVE 21)
Hopson, Joseph Daniel, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Horen, Robert, USNR Companheiro de Farmacêutico de Segunda ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Horsefield, Albert Marvin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hospers, Werner Albert, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Huckstep, Joseph Franklin, USNR Shipfitter de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hughes, Francis Massie, USN CapitãoUSS Block Island (CVE 21)
Hughes, James Thomas, USNR Pintor de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Humphlett, Eugene Mathews, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hurdle, Thomas Lynn, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Hutzler, Harry Edward, USN Imediato de contramestre de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Hypse, LeRoy Edwin, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ide, William Clarence, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Innis, Robert Earnest, USNR BandeiraUSS Block Island (CVE 21) +
Iyall, Jack Aoner, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Jaadan, Philip Nelson, USN Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Jackson, Archie Otto, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Jackson, Thornwell O., USNR Lojista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
James, Murray Allen, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
James, Vester Lee, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Jamison, Merle George, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Jarvis, Robert Phillip, USNR Cozinheiro de navio de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Jenkins, Gilbert Richard, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Johnson, Edward O'Neil, USNR Aviação Radioman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Johnson, Frederick Bruce, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Johnson, Leonard Leroy, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Johnson, Norman Garvice, USN Ferreiro de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Johnson, Onnie Claude, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Jones, Edsel Thomas, USN Ferreiro de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Jones, Harold Emerson, USN Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Jones, John Henry, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Jones, Joseph Rufus, USNR Aviação Radioman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Jones, Lester Wilson, USN Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Jordan, L.T., USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Joshua, Edmond, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kattlove, Litman Lawrence, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kearl, Theo J., USN Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Keizer, John William, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Keller, Billy Ray, USNR Radarman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Keller, Lester Prince, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kemp, James William, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kennedy, Clinton Veranice, USNR Maquinista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kerr, Edward Thomas, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ketchum, Richard James, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Key, James William, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kibash, James Peter, USNR Maquinista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21) +
Kieszek, Walter Stanley, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kimball, Robert Bryson, USNR Caldeireiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kimberlin, Emmett Howard, USNR Maquinista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kimmel, Robert Ellsworth, USN Artilheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
King, Earl Thomas, USN Fire Controlman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kirk, James Jacob, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kirkpatrick, Jean Harold, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Klecker, Leon Henry, USNR Água de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Klempfner, Milton Jacob, USNR Shipfitter de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kluss, Edward Victor, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Knapp, James, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kneeves, Leslie, USNR Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kneip, Gilbert Frank, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Knowles, Charles Clifford, USNR Maquinista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Knowles, Robert S., USNR Tenente ComandanteUSS Block Island (CVE 21)
Knox, Matthew Andrew, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Knutson, Arne Edward, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kobb, Donald Andrew, USNR Companheiro de maquinista de aviação, mecânico hidráulico de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kodman, Steven, USNR Companheiro de eletricista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kolhoss, Munsey Lee, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kon, Michael, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Koonce, Wilburn Lee, USNR Companheiro de aerógrafo de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kralj, George Joseph, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kramer, Harold Fayne, USN Baker Segunda ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Kraus, Vincent, USNR Eletricista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kring, Theodore Morgan, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Krische, Matthew, USNR Comandante de incêndio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kroner, Lawrence Roy, USN Eletricista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Krueger, Theodore Roosevelt, USNR Companheiro de aerógrafo de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kulas, Engelbert Anthony, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Kulik, Edward Gerard, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Kvatintz, Hyman, USNR Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
La Salle, Frederick Marcus, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lackey, Floyd Caldwell, USNR Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lago, Joseph Duran, USNR Shipfitter de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Lair, Allen Howard, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Lambert, Robert Eugene, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lampi, Waino, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Landry, Larvern Etinne, USNR Companheiro de maquinista Engenheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lapeyrolerie, Arlie Joseph, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lash, Robert Thomas, USNR Cozinheiro de navio de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lauderdale, John Dock, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Lee, Norman Carl, USN Radarman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lee, Wayne Jay, USN Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Alho-poró, Alfred, USNR Companheiro de eletricista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Leet, Kenneth Winston, USNR Yeoman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lentz, Howard Otto Wilfred, USN Rigger de pára-quedas de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Leonard, John Henry, USNR Aerógrafo de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Lewey, James Lloyd, USNR Shipfitter de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lewis, Russell Victor, Civil TécnicoUSS Block Island (CVE 21)
Liberty, George Edward, USN Maquinista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Lindgren, Francis John, USNR Técnico de rádio de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Long, Otis Melrose, USN Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Senhor, Robert Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Lorentzen, Elmer Claire, USNR Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lueder, Richard Russell, USN Bugler de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Luetger, Ralph E., USN Maquinista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Lybarger, Chester Crum, USNR Cozinheiro do navio de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Macaluso, James, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
MacInnes, Gorden A., USNR TenenteUSS Block Island (CVE 21)
Magnuson, Lloyd Willard, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Major, Jack Arnold, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Maldonado, Alfredo Frank, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Masculino, Thorman Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Mandozzi, Philip, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Manning, Vinton Wayne, USNR Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Marino, Frederick James, USNR Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Martin, Andres Nieto, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Martin, Cleveland T., USNR Maquinista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Martin, Leon Junior, USNR Companheiro de Farmacêutico de Terceira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Martin, Lester Samuel, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Martin, Richard Wilbur, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Maslanka, Stanley Joseph, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Mestres, George Thomas, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Mastrangelo, Louis Dominic, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Mathis, Robert Joseph, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Mayo, Norwood Simmons, USN Água de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
McArt, George Raymond, USN Chefe da aviação do TorpedomanoUSS Block Island (CVE 21)
McBride, Donald Harris, USN Artilheiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McCall, Cecil Earnest, USN Buglemaster segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McCollum, Gerald Washington, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McCoy, Charles Russell, USN Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
McCue, Donald Hulet, USN TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
McCullough, Calvin Wilson, USNR Ferreiro de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
McDaniel, James G., USN Tenente (grau júnior)USS Block Island (CVE 21)
McDonald, Gerald Richard, USNR Companheiro do torpedomano de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McDonald, Robert Emmett, USN Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McElhaney, Harry L., USNR TenenteUSS Block Island (CVE 21)
McGhghy, Harmond Dwight, USN Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
McKay, Harry, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
McKenny, Albert Louis, USN Comandante de incêndio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McKinney, Guy Hershell, USN Maquinista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
McLain, Charles Christopher, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McManus, Preston Truman, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McMath, Irwin Archibald, USNR Chefe do Concurso de ÁguaUSS Block Island (CVE 21)
McMillan, Ray Emile, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McMurrey, Ira Lawrence, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McNamara, Charles William, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
McNatt, James Raymond, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Medaglia, Frank Domenick, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Medley, Hubert, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Melnick, Walter William, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Comerciante, Carlos Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Mercher, Thomas Alvin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Merrill, Donald Edward, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Merritt, Collins Franklin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Messinger, William Koons, USNR Companheiro do torpedomano de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Meyer, Henry Alfred, USNR Eletricista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21) +
Meyers, Willis Wilson, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Michell, Anthony James, USN Imediato do Artilheiro ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Miketinac, Nicholas Michael, USNR Especialista Chefe (A)USS Block Island (CVE 21)
Miller, Edward, USNR Companheiro de Farmacêutico de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Miller, Edward Bernard, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Miller, George Thomas, USNR Companheiro do torpedomano de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Miller, Jack, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Miller, John Denton, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Mitchell, James John, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Mixon, Charles Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Montesinos, Ralph, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Montgomery, Mack Leonidas, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Monti, Charles Joseph, USNR Cozinheiro do navio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Moore, Curtis, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Moore, George Willard, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Moore, Jackson Albert, USNR Ferreiro de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Moore, Leland Edsel, USNR Radioman de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Mora, Dario, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Morgan, James W., USN Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Morrisroe, John Michael, USNR Comandante de incêndio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Mrazek, Jay Charles, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Murphy, James Joseph, USNR Cozinheiro do navio de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Musselwhite, Emory Marvin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Myers, David Franklin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Myers, James, USNR Yeoman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Myers, Robert Keith, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Nanney, William Douglas, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Naylor, Boyd Eugene, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Nealey, Herman Howard, USN Companheiro do fotógrafo de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Nelson, Harold Duke, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Nicholson, Paul W., USNR Ferreiro de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Nicolini, George William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Nipper, James Edward, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Noblett, James Gordon, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ninguém, Francis Joseph, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Nordstrom, James Arthur, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Norman, John William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Norman, Reeves John, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Nottingham, Gerald Hamilton, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Nowikowsky, Bernard, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Bernier, Walter Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Brien, Charles Patrick, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Brien, Cornelius James, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Brien, James Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Brien, James Joseph, USNR Pintor de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Connell, Robert Emmett, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Connor, Dennis Joseph, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Donell, Ervin Leroy, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Keefe, Harry Elliott, USNR Quartermaster Third ClassUSS Block Island (CVE 21)
O'Keefe, Wilbur Fiske, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Neil, William Joseph, USNR Radarman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Rourke, Edward James, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Rourke, Francis Xavier, USNR Radarman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
O'Shea, Clarence Joseph, USNR Radarman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Oborn, Richard Eugene, USN Terceira classe do concurso de águaUSS Block Island (CVE 21)
Ogrodnik, Raymond Albert, USNR Companheiro de aerógrafo de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Oliver, Robert LeRoy, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Olsen, Ralph Warren, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Olson, Oscar Frederick, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Orchel, John, USN Imediato do Maquinista ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Orin, Solano Samonte, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Orsini, Albert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Osborne, John Francis, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ostermiller, Herman Harold, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Otto, Herbert Ross, USNR Companheiro de maquinista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Overstreet, George Philmore, USN Radioman chefeUSS Block Island (CVE 21)
Owen, Eugene Foshee, USNR Yeoman First ClassUSS Block Island (CVE 21)
Owen, James Byrell, USNR Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21) +
Owens, Bennie George, USN Companheiro de Farmacêutico de Segunda ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Pace, Edward Walter, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pacholec, Francis Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Padgett, Robert Richard, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Page, Bedford Jackson, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Paradinski, S.G., USNR Tenente (grau júnior)USS Block Island (CVE 21)
Paradise, Joseph Paul, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Parnell, Edward Conrad, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Parsons, Richard, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Patashnick, Edward, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Paterson, Irwin Grant, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Patsenka, Edward Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pattat, Clarence Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Patterson, Roy Sherman Lee, USN Pintor de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Paul, James Garfield, USNR Yeoman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pavliska, Raymond Victor, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pearce, Charles Henry, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Peifer, Marvin Wayne, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pellettierre, Salvatore Dominick, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Perkins, Lamont Wheeler, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Perna, John Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Perri, Gus Frank, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Perrone, Anthony, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Perry, Frank, USNR Baker terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Perry, Jimmie Rodgers, USN Comissário de Primeira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Perry, Joseph John, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Petersen, Marvin George, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Peterson, James Leroy, USN Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Peterson, Michael Jermiah, USN Companheiro do maquinista chefe da aviaçãoUSS Block Island (CVE 21)
Peterson, Walter Lewis, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Peterson, William Arden, USNR Cozinheiro de navio de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Petry, Bernard Arthur, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pettis, Edward Benson, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pettit, John Edward, USNR Companheiro de maquinista de motor de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Pfisterer, Leo Edward, USN Maquinista de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Phelps, Frederick Arthur, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Phillips, Lawrence Henry, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Phillips, William C., USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Pickering, Powell, USNR Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pierce, Robert Harland, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Piotter, Herbert Alexander, USNR Companheiro de maquinista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Piper, William Ashly, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Pisani, Bruno Alfred, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pisco, Thomas Anthony, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Pitt, Norman, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Pitts, Julian Leroy, USNR Tenente (grau júnior)USS Block Island (CVE 21) +
Platon, Lauro Eto, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Plesha, Mathew, USNR Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Popoli, Lawrence Joseph, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Porenta, Raymond George, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Poris, Philip, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Postolowski, George, USNR Companheiro de maquinista de motor de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Potoski, Joseph Leo, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Powell, Walter Edward, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Powers, Harry William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Powers, Thomas Joseph, USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Prajzner, Bruno, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Price, Arthur, USNR Imediato do chefe contramestreUSS Block Island (CVE 21)
Price, Hugh Denzell, USNR Aviação Radioman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Price, John William, USNR Yeoman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Price, Samuel Isadore, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Printz, Charles Jordan, USN Companheiro de eletricista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pritchard, Norwin Beryl, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Procopio, William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pruett, James Warren, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Pupino, Joseph Robert, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Púrpura, George James, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Pusateri, Anthony Joseph, USNR Companheiro de maquinista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Putnam, Richard Lincoln, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Putney, Richard Wray, USNR Técnico de rádio de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Quilici, Dino Lawrence, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Raczkowski, Walter J., USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Raisgard, Helge, USNR Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ramsey, Ralph Gavin, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Randolph, Earl Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Reber, Kenneth Robert, USNR Maquinista, maquinista, maquinista, segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Registro, John Curtis, USNR Lojista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Reed, Gene Shannon, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Reuter, Eugene Francis, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Reutlinger, Walter Joseph, USN Companheiro de eletricista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Revard, Franklin Napoleon, USNR Companheiro de eletricista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Arroz, Richard St. Clair, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Rickman, Ollie Winston, USN Maquinista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ridenhour, Roy Lester, USN TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Rider, Robert Houge, USNR Radioman chefe da aviaçãoUSS Block Island (CVE 21)
Ringer, Fred Ray, USN Maquinista, maquinista, maquinista, segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Rismiller, George Franklin, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ritchey, James Casey, USNR Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ritchie, Earl James, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Robbins, James Edward, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Robinson, Blaine Okey, USN Companheiro de carpinteiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Rock, Joseph Leo, USNR Água de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Rodriguez, Fabian, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Roedersheimer, Lawrence Vincent, USNR Companheiro de maquinista de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Romano, John Vincent, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Roskey, Francis, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ross, Samuel Moses, USNR Ferreiro de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Rossi, Edward Thomas, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Roth, Henry Harry, USNR Água de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Rude, Darrell Dalmer, USN Rigger de pára-quedas de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Rutledge, William Mort, USN Lojista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Rydzewski, George, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Sabine, Roy Raymond, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Sallay, Bela, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
San Filippo, Tony Salvatore, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Sansouci, Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Santantonio, George, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Santos, Edmond Joseph, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Saxe, Harold John, USNR Rigger de pára-quedas de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Schatz, Anton Mike, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Scheidler, Donald Raymond, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Schertzer, Ray Douglass, USN Boilermaker de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Schlenker, John Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21) +
Schmidt, Lester Arnold, USNR Eletricista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Schmoker, Wallace, USNR Pintor de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Schulze, Francis Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Scott, Grady Jackson, USNR Companheiro de carpinteiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Secof, Al, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Semeraro, Joseph Jack, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Senft, Robert Joseph, USNR Mecânico de carburador de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Setz, William Chester, USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Shafer, William Lee, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Shanahan, William Martin, USN Companheiro do torpedomano de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Shannon, John Irving, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Shaprio, Martin, USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Sharak, Harry Russell, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Sharp, Marion Henry, USN Sinaleiro ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Shaub, Melvin Herbert, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Shaw, William Arthur, USN Cozinheiro de navio de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Shea, John Anthony, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Folhas, Clifford Odell, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Shellem, James John, USN Quartermaster Third ClassUSS Block Island (CVE 21)
Shelton, James Roland, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Shepherd, James, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Sherdahl, Robert Ben, USN TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Silvia, Manuel, USNR Shipfitter de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Simcic, James Michael, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Simms, Harold Ray, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Simpson, Edwin Forren, USNR Companheiro de Farmacêutico de Terceira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Slavin, John Joseph, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Slivka, George, USNR Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Sloan, Wallace Virgil, USN Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Smith, Glenn Erlan, USNR Técnico de rádio de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Smith, Lowell Gene, USNR Sinaleiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Smith, Malcom Lee, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Smith, Robert Earl, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Smith, Vernon Joe, USNR Metalúrgico de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Smith, Willie Cecil, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Snediker, Charles John, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Spalletta, Tom, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Spencer, Robert Alfred, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Spillane, Charles, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
St. Clair, Robert Murle, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Stahlin, Charles Robert, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Stankey, Roger A., ​​USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Stanley, Irvin Elroy, USNR Aviação Radioman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Stark, Clifford Frank, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Steer, Gordon Macaulay, USNR Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Steingass, Daniel Junior, USNR Buglemaster terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Stephenson, Bennie, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Stephenson, Floyd Roderick, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Stetson, George F., USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Stevens, Wilson Robert, USNR Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Steward, Albert Charles, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ações, Donald Arthur, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Strickland, Alvin Wesley, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Strouse, Stanley William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Struck, John Albert, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Suitter, Warren William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Sullivan, Robert John, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Suprey, John Francis, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Swails, Harold Lloyd, USN Mecânico de mira de bomba de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Sweeney, Raymond Leo, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Doce, Francis William, USNR Chefe do ArmazémUSS Block Island (CVE 21)
Swiantek, Frank, USNR Companheiro de maquinista de aviação, mecânico de hélice de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Taff, Theodore Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Takacs, Alexander Aleysisus, USN Companheiro do maquinista chefe da aviaçãoUSS Block Island (CVE 21)
Tamulonis, Peter A., ​​USNR Aviação Ordnanceman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Taveroni, Leno Joseph, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Taylor, Arthur William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Taylor, Don Arlo, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Taylor, Robert, USNR Companheiro de maquinista de aviação, mecânico hidráulico, segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Tegarden, Warren Harvey, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Terhune, Richard Raymond, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Terry, Curtis Nathaniel, USN Cozinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Thibodeaux, Milton, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Thomas, Ferris Kimball, USNR Técnico de rádio de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Thomas, Ralph Elbert, USNR Técnico de rádio de aviação de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Thompson, James Denney, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Thurlow, William Madison, USN Terceira classe do concurso de águaUSS Block Island (CVE 21)
Tinney, Allen W., USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tokarz, William Henry, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Toleno, Dominic William, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tomah, Frederick Lawrence, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tomaszewski, Joseph Chester, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tumbas, Bert Lorenzo, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tomkewicz, Charles Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Torres, Weber Rego, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Torrey, Edward G., USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Trewhitt, Lloyd Reed, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Trimmer, Donald Richard, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tritt, William Clifford, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Verdade, Charles Henry, USNR Companheiro de aerógrafo de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Truitt, John Albert, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Trujillo, Levi Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tryon, Boyd P., USNR Água de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tullis, Karl George, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tunnero, Anthony George, USNR Shipfitter de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Turgeon, Donald Allen, USNR Companheiro de eletricista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Turner, John, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Tutten, John Alan, USNR Radarman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Tych, Peter, USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21) +
Tyliszczak, John Leo, USNR Terceira classe do concurso de águaUSS Block Island (CVE 21)
Tyrell, Edward Thomas, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Urquhart, Andrew George, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Vachon, Kenneth Edward, USNR Lojista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Van Sickle, Earl Robert, USNR Lojista de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Vanuga, Michael, USNR Radarman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Vasquez, Charles John, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Vernetti, Hector Gilbert, USNR Rigger de pára-quedas de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Vierra, Everett William, USNR Baker Segunda ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Villere, Arthur Louis, USNR Aviação Ordnanceman de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Vitellaro, Dominick Dominick, USNR Shipfitter de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Vogt, Raymond Arthur, USNR Companheiro de maquinista de aviação de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wade, Derwood, USN Água de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wagner, William Burton, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Espere, Delos E., USN ComandanteUSS Block Island (CVE 21)
Waite, Jack David, USNR Cozinheiro do navio de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Waleski, Walter A., ​​USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Walker, Wilson Franklin, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wallace, Edward Walter, USN Artilheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Waller, Harold Ray, USN Companheiro de contramestre de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Walsh, John, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Walsh, John Francis, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Walsh, Robert Channing, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Walsh, Robert Francis Anthony, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Ward, George Wallace, USNR Companheiro de Farmacêutico de Terceira ClasseUSS Block Island (CVE 21)
Ward, John J., USN Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Diretor, Ray Wilburn, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Warzecha, Benny, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wassenaar, Garrett John, USN Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Waters, John Myrick, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Watson, Jesse Lynn, USNR Radioman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Weaver, Bobbie Clarence, USNR Aviação Ordnanceman de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Weckbaugh, Leland Stanford, USNR Radarman segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Weed, Thurlow Robert, USNR Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Weekley, Eldridge Booth, USNR Bombeiro de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Weeman, Merle Dunlap, USNR Lojista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Weimer, Frederick Michael, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Weiss, Martin, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Weissenberger, Richard Carl, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Weltner, Henry Francis, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wennerstrand, Paul Warren, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wentworth, Chester Tucker, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
West, Bertus, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
West, Robert Fred, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wetzel, William Thomas, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wheeler, John Marion, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
White, Calvin Joseph, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
White, Cecil Lloyd, USNR Radioman de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Whitmire, Dennis Kenneth, USNR Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Whitt, Carl Edward, USNR Sinalizador de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wickham, Joseph Howard, USNR Companheiro do fotógrafo de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wieman, Elmo John, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wiley, Richard Albert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Williams, Charles Henry, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Williams, Olin Calvin, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Williams, William, USNR Radioman terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Willison, Richard Alva, USNR Companheiro de carpinteiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wills, Edward Arthur, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wilson, Albert Kennedy, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wilson, Fred Andrew, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wilson, Lonnie, USNR Comissário de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wilson, Raymond B., USNR Companheiro de eletricista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wilson, Robert Walton, USN Imediato do Maquinista ChefeUSS Block Island (CVE 21)
Wilson, Thomas Bell, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wiwigac, Stanley, USN Artilheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wolchek, Edward John, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wolf, John Frank, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wolf, Robert Eugene, USN Radioman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wood, Everett Warren, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wood, John Junior, USNR Companheiro de eletricista de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wood, Robert James, USNR Artilheiro de terceira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wormell, John Philip, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wright, Bruce Kenneth, USN Imediato do chefe contramestreUSS Block Island (CVE 21)
Wright, Delmar Hermon, USNR Comandante de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Wright, Wilbur Lincoln, USNR Companheiro de maquinista de aviação de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Wyatt, John Tildon, USNR TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Wyatt, Robert Walden, USNR Tenente (grau júnior)USS Block Island (CVE 21) +
Yablonicki, Michael Joseph, USNR Bombeiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Yaccarino, Frank, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Young, Bradley Fred, USN Quartermaster Third ClassUSS Block Island (CVE 21)
Young, James Elbert, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Zammuto, Salvatore, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)
Zenchenko, John, USNR Seaman de segunda classeUSS Block Island (CVE 21)
Ziegel, Dean Ellsworth, USN TimoneiroUSS Block Island (CVE 21)
Zylick, Theodore, USNR Marinheiro de primeira classeUSS Block Island (CVE 21)

Servido em indica os navios que listamos para a pessoa, alguns estavam estacionados em vários navios atingidos por U-boats.

Pessoas faltando nesta lista? Ou talvez informações adicionais?
Se desejar adicionar um membro da tripulação à lista, precisaremos da maioria destas informações: nome do navio, nacionalidade, nome, data de nascimento, local de nascimento, serviço (marinha mercante,.), posto ou trabalho a bordo. Temos espaço para uma foto também, se fornecido. Você pode nos enviar as informações por e-mail aqui.


Assista o vídeo: Japanese zero makes kamikaze dive on USS Suwanee CVE-27, and impacts deck, as s..HD Stock Footage