John Collins Tr - História

John Collins Tr - História

John Collins

Nome anterior retido.

(Tr: dp. 500; 1. 135 '; b. 22'; dr. 14'6 "; s. 9 k.)

John Collins, uma traineira civil britânica, foi alugada pela Marinha e comissionada em 28 de maio de 1919. Ela imediatamente iniciou as operações de remoção de minas em Kirkwall, Escócia, limpando a metade ocidental da Barragem de Mina do Norte, que havia sido construída durante a Primeira Guerra Mundial para proteger os portos do Reino Unido. John Collins continuou esta tarefa até que ela descomissionou em 6 de agosto e foi devolvida a seus proprietários.


John Collins

John Collins pode ser considerado o primeiro advogado profissional de Albany. A fonte indocumentada mais envolvente nos diz que ele nasceu na Inglaterra por volta de 1670 e recebeu treinamento jurídico na Europa.

No início dos anos 1700, ele estava em Nova York e servia nas guarnições britânicas. Em poucos anos, ele era tenente na companhia sediada em Albany, comandada pelo capitão Henry Holland.

O primeiro registro de sua vida em Albany vem de anotações em seu próprio dicionário jurídico fornecendo a data de seu casamento com a viúva Margarita Schuyler Verplanck em 2 de novembro de 1701. Estabelecendo-se em Albany no enclave de soldados "Southside", sua casa em Albany cresceu com o nascimento de três filhos de Collins entre 1704 e 1714. Essas crianças foram batizadas na Igreja Holandesa de Albany e ele freqüentemente patrocinava batismos lá com sua esposa - um membro vitalício. De origem britânica, ele também foi um assinante proeminente da fundação da Igreja Anglicana de São Pedro em 1714. Em 1709, sua primeira propriedade da ala recebeu uma avaliação substancial.

Seu casamento com Margarita Schuyler representou uma maneira freqüentemente repetida de as famílias aspirantes da Nova Holanda se conectarem com o estabelecimento real inglês, na época britânico. Ao mesmo tempo, o casamento com um nativo de Albany qualificou Collins para o comércio. No entanto, ele se tornou mais conhecido como um advogado - já que seu nome era mais freqüentemente encontrado representando a população local e estranhos importantes nos tribunais de Albany e além. Embora sua carreira militar continuasse pelo resto de sua vida, John Collins tornou-se um empresário de sucesso em Albany, combinando a prática jurídica com o fornecimento do forte e outras iniciativas militares, algumas importando e agrimensor.

Freqüentemente em serviço na Schenectady, Collins foi capaz de formar negócios e relações jurídicas que se estenderam até o Vale Mohawk. Embora não ocupasse cargos locais, ele foi nomeado para os Comissários de Assuntos Indígenas. Como um insider real, ele também obteve ações em patentes de terras de fronteira - possuindo terras ao norte do Mohawk duas milhas acima do Forte Hunter.

John Collins morreu em Schenectady em abril de 1728. Sua viúva morreu em 1748. Ele foi sucedido em seus empreendimentos por seu filho Edward.

Fontes: A vida de John Collins é a biografia CAP número 7677. Este esboço é derivado principalmente de recursos da família e da comunidade. A história da família Schuyler fornece as informações mais interessantes sobre esse indivíduo. Buscamos informações sobre sua formação europeia.

O primeiro Criança Collins filho da mãe Margarita Schuyler Verplanck Collins, agora com trinta e dois anos, foi Edward (1704) seguido por Samuel (1712-14) e Margaret (1715) - que se casou com Hitchen Holland.


Ele nasceu em Collins Mill Pond, em Nanticoke Hundred, Condado de Sussex, Delaware, filho do Capitão John e Mary Houston Collins. O capitão John Collins extraiu minério de turfa de sua propriedade e serviu doze anos na Assembleia Geral de Delaware. A irmã do jovem John, casou-se com o futuro governador David Hazzard. O próprio John mais jovem se casou com Jane Hall, filha do ex-governador David Hall, e teve seis filhos, Theophilus, John, Joseph, Sarah, Catherine e Martha. A casa deles era em Collins Mill Pond em Nanticoke Hundred, onde ele continuou a operação de um moinho. Acredita-se que eles eram membros da Igreja Metodista.

Collins foi eleito governador em 1820 ao derrotar o candidato federalista, um membro de longa data da Assembleia Geral, Jesse Green. Ele foi governador de 16 de janeiro de 1821 até sua morte em 16 de abril de 1822. Collins era conhecido por seu interesse em melhorar a educação pública. Foi durante seu mandato que uma polêmica taxa de trânsito começou a ser avaliada para apoiar o início de uma nova faculdade em Newark. Ele também nomeou Willard Hall, o futuro "pai da educação pública", como secretário de Estado. Ambas as ações alcançariam resultados nos anos posteriores.

Collins morreu em Collins Mill Pond, em Nanticoke Hundred, Condado de Sussex, Delaware. Ele está enterrado lá na fazenda da família. Não existe nenhum retrato conhecido de John Collins.

As eleições foram realizadas na primeira terça-feira de outubro. O governador toma posse na terceira terça-feira de janeiro, com mandato de três anos.


[Carta de John J. Herrera para John Collins - 31/03/1953]

Cópia da carta de John J. Herrera, Presidente Nacional do LULAC, ao Rev. John Collins do Basilian Fathers Mexican Mission Center em Rosenberg, Texas, datada de 31 de março de 1953. Herrera escreve sobre cópias da literatura da Paternidade Planejada sobre controle de natalidade que foram enviadas para Rev. Kelly por Ofelia Mendoz de Planned Parenthood. Herrera refuta o uso de seu nome na carta de Mendoz e nega qualquer endosso da literatura por ele mesmo ou pela LULAC.

Descrição física

Informação de Criação

Contexto

Esse carta faz parte da coleção intitulada: Texas Cultures Online e foi fornecida pelo Houston Metropolitan Research Center na Houston Public Library para o Portal to Texas History, um repositório digital hospedado pelas Bibliotecas da UNT. Já foi visto 105 vezes. Mais informações sobre esta carta podem ser vistas abaixo.

Pessoas e organizações associadas à criação desta carta ou ao seu conteúdo.

Autor

Pessoas Nomeadas

Pessoas que são significativas de alguma forma para o conteúdo desta carta. Nomes adicionais podem aparecer em Assuntos abaixo.

Audiências

Confira nosso site de recursos para educadores! Nós identificamos isso carta como um fonte primária dentro de nossas coleções. Pesquisadores, educadores e alunos podem achar esta carta útil em seu trabalho.

Fornecido por

Houston Metropolitan Research Center na Houston Public Library

O Houston Metropolitan Research Center (HMRC) faz parte da Divisão de Coleções Especiais do Houston Public Library System, que também inclui o Clayton Library Center for Genealogical Research e a African American Library na Gregory School.

Entre em contato conosco

Informações descritivas para ajudar a identificar esta carta. Siga os links abaixo para encontrar itens semelhantes no Portal.

Títulos

  • Título principal: [Carta de John J. Herrera para John Collins - 31/03/1953]
  • Título alternativo: [Carta de John J. Herrera para John Collins - 31 de março de 1953]

Descrição

Cópia da carta de John J. Herrera, Presidente Nacional do LULAC, ao Rev. John Collins do Basilian Fathers Mexican Mission Center em Rosenberg, Texas, datada de 31 de março de 1953. Herrera escreve sobre cópias da literatura da Paternidade Planejada sobre controle de natalidade que foram enviadas para Rev. Kelly por Ofelia Mendoz de Planned Parenthood. Herrera refuta o uso de seu nome na carta de Mendoz e nega qualquer endosso da literatura por ele mesmo ou pela LULAC.


John Collins Tr - História

Data de introdução / preço:
KWM-2 - 1959 / $ 1150
KWM-2A - 1961 / $ 1250
(Preço $ 3.533,00 em 1977)

Lista de tubos:
6AU6 / 7543 (1)
6AZ8 (3)
6BN8 (3)
6CL6 (1)
6DC6 (1)
6EB8 (1)
6U8A (4)
12AT7 (2)
6146 (2)


Descrição:

O KWM-2 / 2A foi incomparável em desempenho e confiabilidade para aplicações de estação fixa e móvel. A entrada de energia do transceptor é 175 watts PEP em SSB ou 160 watts em CW. Transmite voz ou CW de interrupção modificado. O KWM-2A utiliza uma placa de cristal adicional que permite ao operador selecionar até 14 cristais opcionais que podem estar fora das bandas amadoras. Freqüências próximas às bordas da faixa podem exigir o ajuste do aparador para operação adequada. O KWM-2A pode ser usado para RTTY quando uma fonte de alimentação 516F-2 e ar de resfriamento externo são empregados.

O transceptor é acabado em esmalte cinza claro com um painel frontal de couro simulado para combinar com o S / Line e seus acessórios. A compactação e a eficiência do KWM-2A são alcançadas por meio do design avançado da Collins, no qual todos os circuitos sintonizados e várias válvulas funcionam na dupla função de transmissão e recepção. Os mesmos osciladores, filtro mecânico e amplificador de RF servem tanto para o transmissor quanto para o receptor. Os circuitos de interrupção CW e de monitoramento de tom lateral são integrados.

Os controles facilmente acessíveis no painel frontal do KWM-2A incluem a chave OFF-ON-NB-CAL, EXCITER TUNING, ZERO SET, PA TUNING, LOADING, MIC GAIN, BAND Switch, AF GAIN, RF GAIN, EMISSÃO e MEDIDOR Trocar.

ALCANCE DE FREQUÊNCIA:
Qualquer faixa de 200 kHz de 3,4 a 30 MHz (exceto 5,0 a 6,5 ​​MHz) usando o cristal apropriado.
Os seguintes cristais são fornecidos:
80 medidores: 3,4 - 3,6 MHz, 3,6 - 3,8 MHz e 3,8 - 4,0 MHz.
40 metros: 7,0 - 7,2 MHz e 7,2 - 7,4 MHz.
20 metros: 14,0 - 14,2 MHz e 14,2 - 14,4 MHz.
WWV (calibração): 14,8 - 15,0 MHz.
15 metros: 21,0 - 21,2 MHz, 21,2 - 21,4 MHz e 21,4 - 21,6 MHz.
10 metros: 28,5 - 28,7 MHz.

CONTROLE DE FREQÜÊNCIA:
Oscilador ajustado de permeabilidade 70K-2 (PTO)

MODOS:
SSB (bandas laterais selecionáveis), CW ou RTTY com fonte de alimentação 516F-2 e ar de resfriamento externo.

TIPO DE SERVIÇO:
Ciclo de trabalho de 50% em CW contínuo SSB.

REQUERIMENTOS PODEROSOS:
A energia pode ser fornecida por uma fonte externa, como 516F-2, PM-2, MP-1 ou 516E-2, que deve fornecer 800 vdc a 230 ma 285 v dc a 210 ma 6,3 v a 11 amps, e de - 55 a -80 vdc sem necessidade de corrente. A alimentação do aquecedor também pode ser 12,6 v a 5,5 amperes ou 24 v a 2,75 amperes. A redução da tensão e da corrente da placa final típica de instalações móveis reduzirá as especificações de saída de energia. Com o 516F-2, o consumo de energia é de aproximadamente 190 watts na recepção, 430 watts na chave de bloqueio e 290 watts na transmissão de voz normal.

ENTRADA DA PLACA:
175 watts PEP em SSB 160 watts em CW.

POTÊNCIA DE SAÍDA (carga de 50 ohms):
100 watts PEP (3,4-15 MHz) 90 watts PEP (15-25 MHz) 80 watts PEP (25-30 MHz).

RADIAÇÃO HARMÔNICA E OUTRAS RADIAÇÕES ESPURIOSAS:
Supressão de portadora -50 db banda lateral indesejada -50 db oscilador feed-through e / ou produtos de misturador -50 db exceto -40 db a 3500 kHz. Segundo harmônico -40 db. Distorção de terceira ordem -30 db.

NÍVEL DE RUÍDO:
40 db abaixo da portadora de tom único.

CALIBRADOR:
Oscilador de cristal de 100 kHz.

ESTABILIDADE DE FREQUÊNCIA:
Dentro de 100 Hz durante qualquer período de uma hora após um aquecimento de 20 minutos. Não mais do que 100 Hz com variação de tensão de linha de 10%.

PRECISÃO DE CALIBRAÇÃO:
I kHz após calibração de banda média.

FOLGA:
Não mais do que 50 Hz.

PRECISÃO DE DISCAGEM VISUAL:
200 Hz em todas as bandas.

IMPEDÂNCIA DE SAÍDA:
Variável, 50 ohms nominais, rede Pi capaz de corresponder a até 2: 1 VSWR.

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:
A codificação é livre de chilros e cliques. CW break-in e tom lateral fornecido.

ENTRADA DE ÁUDIO:
Microfone de alta impedância ou patch de fone 312B-4, -5.

RESPOSTA DE FREQUÊNCIA DE ÁUDIO:
300 - 2400 Hz nominal, determinado pelo filtro mecânico.

CARACTERÍSTICAS DE COMPRESSÃO DE ÁUDIO:
O ALC opera em estágios de amplificador IF e RF e é capaz de compressão de 10 db.

FEEDBACK RF:
Aproximadamente 10 db de feedback de RF em torno do PA e do driver para maior linearidade.

SENSIBILIDADE DO RECEPTOR:
0,5 uv para relação sinal-mais-ruído-ruído de 10 db em bandas amadoras.

SELETIVIDADE DO RECEPTOR:
Largura de banda nominal de 2,1 kHz a 6 db para baixo Largura de banda de 4,2 kHz a 60 db para baixo conforme determinado pelo filtro mecânico.

RESPOSTA ESPURIOSA DO RECEPTOR:
Rejeição de imagem melhor que 40 db. Espúrio interno abaixo da entrada de antena equivalente a I uv.

NÍVEL DE SAÍDA DO RECEPTOR:
Máximo de 1,0 watts.

CONTROLE AUTOMÁTICO DE GANHO:
O nível de saída de áudio não muda mais do que 20 db conforme o sinal de entrada é alterado de 10 uv para I v. O ataque rápido e a liberação lenta fornecem excelente ação AVC em voz e CW.

VIBRAÇÕES:
2 g a 10-33 Hz.

TEMPERATURA AMBIENTE:
O'- 50 'C.

DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO:
A gaiola PA está intertravada.

TAMANHO:
Com pés - 14 3/4 "W, 7 3/4" H, 14 "D (37,47 cm L, 19,69 cm H, 35,56 cm D).


(Histórico de Aclosund / Alamy)

O inventor da Anatólia do século 12, frequentemente considerado o pai da robótica, criou todos os tipos de autômatos, incluindo relógios elaborados. Ele também criou conjuntos musicais mecânicos movidos a água, com estatuetas de músicos: À medida que a água fluía pelo mecanismo, ela exercia pressão sobre as válvulas das estatuetas de flautista para criar melodia, e sobre os pinos de madeira dos tambores e pratos para regular ritmo. Essas criações proporcionavam entretenimento em festas reais.

Assine a revista Smithsonian agora por apenas $ 12

Este artigo é uma seleção da edição de julho / agosto da revista Smithsonian


Tootsie Roll Industries, Inc. (TR)

Outras ações com alto interesse a descoberto e dias para cobrir incluem Inovio Pharmaceuticals e B & ampG Foods.

Coloque uma bolsa no espelho do carro ao viajar

Brilliant Car Cleaning Hacks que os revendedores locais gostariam que você não soubesse

A Rosen Law anuncia o prazo atualizado para o reclamante principal em ações judiciais coletivas de títulos em nome de investidores incapazes de executar negociações e que venderam e / ou compraram certos títulos na plataforma de negociação Robinhood em ou próximo a 28 de janeiro de 2021

Rosen Law Firm, um escritório de advocacia de direitos do investidor global, anuncia o prazo atualizado do reclamante principal de 27 de julho de 2021 nas ações coletivas movidas em nome daqueles que foram incapazes de executar negociações, venderam e / ou compraram certos títulos, incluindo American Airlines Group Inc. (NASDAQ: AAL), AMC Entertainment Holdings Inc. (NYSE: AMC), BlackBerry Limited (NYSE: BB), Bed Bath & amp Beyond Inc. (NASDAQ: BBBY), GameStop Corp. (NYSE: GME), Express ( NYSE: EXPR), Koss Corporation (NASDAQ: KOSS), Naked

Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR) chega ao ex-dividendo em breve

Os leitores regulares saberão que amamos nossos dividendos no Simply Wall St, e é por isso que é emocionante ver o Tootsie Roll.

Tootsie Roll Industries, Inc. & # X27s (NYSE: TR) teve um bom desempenho, mas os fundamentos parecem variados: há uma direção clara para o estoque?

As ações da Tootsie Roll Industries & # x27 (NYSE: TR) aumentaram 2,9% nos últimos três meses. No entanto, decidimos estudar o.

Tootsie Roll mostra o lado negativo de uma empresa de capital aberto controlada por uma família

Ainda acredito que a TR comandaria um prêmio sólido em uma aquisição, mas não estou prendendo a respiração.

Retorno da mãe e do # x27s - Ela comprou a propriedade do vizinho e do # x27s

Depois de tanto drama e muitas visitas da polícia, ela levou a melhor. Quem diria que um pequeno pedaço de papel tem tanto poder?

Mario Gabelli & # x27s Principais negociações do primeiro trimestre

Alfabeto pai do Google recebe um grande impulso

Achamos que alguns acionistas podem hesitar em aumentar a remuneração do CEO da Tootsie Roll Industries, Inc. & # X27s (NYSE: TR)

Apesar do crescimento positivo do preço das ações de 27% para a Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR) nos últimos anos.

Tootsie Roll Industries (NYSE: TR) pode correr o risco de encolher como empresa

Se você está olhando para uma empresa madura que já passou da fase de crescimento, quais são algumas das tendências subjacentes que se destacam.

Por que o estoque da Tootsie Roll caiu 22% em fevereiro

As ações da Tootsie Roll Industries (NYSE: TR) caíram 22% em fevereiro, de acordo com dados fornecidos pela S & ampP Global Market Intelligence. A ação tipicamente sonolenta foi pega pela mania de short-squeeze em janeiro, com os comerciantes procurando explorar seu alto nível de juros a descoberto para ganhos rápidos. Tootsie Roll faz seus doces homônimos e muitas outras marcas conhecidas como Dots e Charlestown Chew.

Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR) parece interessante e está prestes a pagar dividendos

Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR) está prestes a negociar ex-dividendo nos próximos 3 dias. Ex-dividendo significa isso.

Achamos que a Tootsie Roll Industries (NYSE: TR) pode ficar no topo de sua dívida

O gestor de fundos externos apoiado pela Berkshire Hathaway & # x27s Charlie Munger, Li Lu, não esconde isso quando diz.

30 Reis do Dividendo de 2021 (Parte I)

Neste artigo, discutimos 30 reis de dividendos de 2021. Esta é uma série de três partes. Você pode pular nossa discussão sobre os méritos do investimento em dividendos, por que é uma estratégia sólida de longo prazo para comprar reis de dividendos e ir diretamente para os 5 reis de dividendos principais de 2021 (Parte I). Você também pode ir para 30 Dividendos [...]

Pesquisa: Frenesi comercial recente corrói a confiança no mercado de ações

O frenesi do day trading desferiu um leve golpe na confiabilidade do mercado de ações, mas ainda não impediu os investidores de manter o curso assumindo o risco.

Há muita confusão no mercado sobre o que é um vendedor a descoberto: Dan David

O fundador da Wolfpack Research, Dan David, junta-se ao Yahoo Finance Live para discutir os riscos para o mercado geral à medida que a saga movida a GameStop e Reddit continua, e por que ele acha que a regulamentação é o movimento errado.

Short Squeeze Stockbrokers e Hedge Funds enfrentam proposta de ação coletiva antitruste

O escritório de advocacia Joseph Saveri entrou com uma ação coletiva antitruste hoje em nome de uma classe de investidores de varejo no tribunal federal contra 35 réus, incluindo Robinhood, E * TRADE, TD Ameritrade, Melvin Capital, Citadel, Sequoia Capital e outros. Os demandantes alegam que eles e outros investidores de varejo continuam a ser prejudicados devido a uma grande e abrangente conspiração entre os réus para impedi-los de comprar ações em mercados de títulos públicos abertos e justos. Os demandantes afirmam que o objetivo e efeito do esquema era proteger os fundos de hedge, os capitalistas de risco e os investidores institucionais de perdas maciças a que se expunham devido às suas estratégias de venda a descoberto altamente especulativas. Os demandantes trazem reclamações sob as leis antitruste federais e estaduais, bem como outras leis estaduais e direito consuetudinário.

ALERTA DE INVESTIGAÇÃO EM ANDAMENTO: O escritório de advocacia Schall anuncia que está investigando reivindicações contra Robinhood Financial, LLC e incentiva investidores com perdas a contatar a empresa

A Schall Law Firm, uma firma nacional de litígios de direitos de acionistas, anuncia que está investigando reivindicações em nome daqueles que perderam dinheiro usando Robinhood Financial, LLC, Robinhood Securities LLC e Robinhood Markets, Inc. (& quotRobinhood & quot) resultantes de alegações de que Robinhood pode se envolveram na manipulação ilegal de mercado.

Saga alimentada pelo Reddit, uma "maneira muito ruim de atacar o homem", diz o especialista

Steve Sosnick, estrategista-chefe da Interactive Brokers, junta-se ao Yahoo Finance Live para discutir a recente ação do mercado, incluindo a mania de investimentos impulsionada pelo Reddit.

'A SEC deveria ter usado sua autoridade de suspensão de negociação': Antigo ato da SEC

A saga GameStop (GME) “é uma montanha-russa que simplesmente não para”, diz Jacob S. Frenkel, presidente da Dickinson Wright e ex-conselho sênior da divisão de fiscalização da SEC.

& # x27 Lembro-me vividamente de & # x27: Redditors torcendo pela lembrança do caos do mercado crescendo em meio à Grande Recessão

Percorra os comentários no fórum WallStreetBets e você encontrará histórias de dificuldades financeiras que cresceram durante a grande recessão.

Levi & amp Korsinsky LLP, escritório de advocacia nacional de ação coletiva, anuncia investigação de ação coletiva contra Robinhood e outros corretores em nome de investidores da Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR)

New York, New York - (Newsfile Corp. - January 28, 2021) - Levi & amp Korsinsky, LLP, uma firma nacional de advocacia de valores mobiliários que recuperou centenas de milhões de dólares para investidores, anuncia que iniciou uma investigação sobre Robinhood, Corretores interativos e outras plataformas de negociação de varejo populares em nome de investidores da Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR) que foram prejudicados como resultado de proibições de negociação ou liquidações forçadas envolvendo ações da TR. Em janeiro.

Recapitulando a alta das ações fortemente vendidas

No Morning Brief de quinta-feira, Myles Udland recapitula a recuperação contínua das ações altamente vendidas, alimentada pela atenção do Reddit.

Será que Godiva e o varejo de # x27s vão dar início à nova guerra do chocolate?

A chocolatier Godiva anunciou no início desta semana que fechará todas as 128 de suas lojas nos Estados Unidos e Canadá em março, com uma mudança para vender seus produtos em canais de mercearia e e-commerce. O que vem a seguir para Godiva: A empresa sediada em Nova York, fundada na Bélgica em 1926 e adquirida pelo conglomerado turco Yildiz Holding em 2007, disse que sua decisão foi baseada no declínio do interesse do consumidor por compras pessoais, com o CEO Nurtac Afridi Apontando os produtos da empresa & # x27s estão & qtotalmente disponíveis em muitos varejistas na América do Norte, e nós continuaremos a aumentar nossa presença lá. & quot As lojas da empresa & # x27s na Europa, China e Oriente Médio permanecerão operacionais. A presença da Godiva & # x27s no varejo na América do Norte foi principalmente em shoppings de luxo, que viram quedas agudas no tráfego de pedestres durante a pandemia do coronavírus. Por que é importante: o chocolate premium tem sido um alimento reconfortante popular durante a pandemia, com a Associação Nacional de Confeiteiros relatando que as vendas do produto em supermercados aumentaram 21,4% durante os primeiros seis meses da pandemia. Resta saber se o novo foco da Godiva & # x27s em mantimentos e comércio eletrônico vai desencadear uma guerra do chocolate, mas as empresas de chocolate com sede nos Estados Unidos de capital aberto certamente não estarão ansiosas para ceder território. A concorrência da Choco: Hershey Co. & # X27s (NYSE: HSY) As vendas líquidas da América do Norte durante o terceiro trimestre totalizaram US $ 2,1 bilhões, um aumento de 6,3% ano a ano. Com muitas pessoas presas em casa durante a pandemia, as vendas de itens de panificação da Hershey & # x27s, incluindo manteiga de amendoim, xarope, batatas fritas e cacau, continuaram fortes e aumentaram 15,7% ano a ano. Tootsie Roll Industries (NYSE: TR) viu $ 156,9 milhões em vendas líquidas no terceiro trimestre, queda de 14% em relação aos $ 181,9 milhões um ano antes. A empresa disse que sua dependência de eventos e reuniões do grupo sofreu com os cancelamentos induzidos pela pandemia, cortando um fluxo de receita significativo. A Mondelez International, Inc. (NASDAQ: MDLZ), empresa controladora das marcas Cadbury, Milka e Toblerone, relatou US $ 2,059 bilhões em vendas no terceiro trimestre, um aumento de 12,9% ano a ano. Embora a empresa, que possui um portfólio diversificado de produtos, não tenha divulgado as vendas de chocolate na América do Norte em seu relatório de lucros, o presidente e CEO Dirk Van De Put disse na teleconferência de resultados que os chocolates & quot voltou no terceiro trimestre. Acelerou em relação ao segundo trimestre em grande parte porque alguns de nossos mercados emergentes voltaram, como, por exemplo, a Índia. & Quot Rocky Mountain Chocolate Factory (NASDAQ: RMCF), um franqueador e fabricante, relatou receita no terceiro trimestre de $ 8,3 milhões, um aumento de 4,6% no ano ano, mas o lucro líquido caiu 17%, para US $ 724.968, que a empresa atribuiu aos custos operacionais mais altos de suas lojas de iogurte Aspen Leaf e ao aumento dos custos de combustível e transporte. Veja mais de BenzingaClique aqui para negociações de opções de BenzingaChief Diversity Officers assumem nova visibilidade, desafios © 2021 Benzinga.com. Benzinga não fornece consultoria de investimento. Todos os direitos reservados.

A saga GameStop é sobre & # x27classe de trabalho vs fundos de hedge & # x27: usuário do Reddit WSB

Um confronto de classes - “o velho proletariado contra a burguesia” - está no cerne da saga curta do GameStop (GME), diz um usuário do WallStreetBets.

Por que o estoque de rolos da Tootsie está subitamente aumentando

As ações da Tootsie Roll Industries (NYSE: TR) dispararam na quarta-feira - sim, eu disse Tootsie Roll. Acredite ou não, isso pode ser o início de um pequeno aperto. Você provavelmente se tornou mais familiarizado com o termo nos últimos dias, mas para aqueles que não o fizeram, permita-me explicar brevemente um pequeno aperto.

Onde estão os fundos de hedge na Tootsie Roll Industries, Inc. (TR)?

Com o fim da rodada de arquivamentos 13F do terceiro trimestre, é hora de dar uma olhada nas ações em que alguns dos melhores gestores de dinheiro do mundo preferiram investir ou vender a caminho do quarto trimestre. Uma dessas ações foi Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR). Tootsie Roll Industries, Inc. (NYSE: TR) [...]


Roland TR-909: A história da influente bateria eletrônica

A bateria eletrônica 909 da Roland é responsável pelo ritmo do house e techno, e inúmeros clássicos da dança e do pop. Exatamente 35 anos após seu lançamento, nós nos aprofundamos no dispositivo, aprendendo como ele lançou as bases da música club moderna e como ainda exerce uma forte influência agora

Se há um instrumento que capta fielmente o verdadeiro espírito e a essência da música eletrônica, é o Roland TR-909 Rhythm Composer: uma máquina que se infiltrou em todos os gêneros imagináveis, do techno mais pesado e intransigente ao pop mais leve e sem remorso. Usado em discos de Richie Hawtin para Daft Punk, KRS-One para Madonna (e tudo mais, até Phil Collins), este modesto aparelho de 48 cm de largura e 4,5 kg ajudou a revolucionar e caracterizar uma enorme riqueza da música contemporânea desde 1983. Ainda apenas 10.000 foram feitos.

O 909 foi o terceiro compositor de ritmo de Roland. Lançada há exatamente 35 anos, ela seguiu duas outras máquinas importantes: a TR-808, provavelmente a bateria eletrônica mais usada nos últimos 40 anos da música, e a TR-606, que foi feita em parceria com a TB-303 da Roland ( um sintetizador de baixo que acidentalmente nos deu o famoso som ácido). A ideia da série era simples - desenvolver baterias eletrônicas em sintetizadores de bateria. “Originalmente, a Roland havia produzido baterias eletrônicas como CR-68, CR-800, CR-78”, explica Kenichiro Nishi, um designer e desenvolvedor de longa data da sede da Roland em Tóquio, e Atsusi Hoshiai, o engenheiro técnico original do 909 . “Em 1980, produzimos o TR-808, que foi nosso primeiro 'sintetizador de bateria', onde os usuários podiam editar o som de cada instrumento com parâmetros como afinação, decay, snare snap e level, e então construir esses sons em uma sequência ou música. Portanto, ao desenvolver o TR-909, nosso objetivo básico era aprimorar nosso TR-808 com som de maior qualidade, melhorias no sequenciador e tecnologia MIDI para sincronização. ”

MOVIMENTO SEQUENCIAL
Objetivo básico alcançado: como o 808 e o 606 antes dele, o 909 usava circuitos analógicos para criar a maioria de seus sons de bateria. No entanto, ao contrário de seus predecessores, ele ostentava muito mais clareza sonora e punch; usava samples digitais para o prato e o som do chimbal tinha conectividade MIDI e vinha com armazenamento de memória externa adicional. Ele oferecia velocidade em cada instrumento, uma função de visualização, um efeito flam (que adiciona uma nota de graça, ou notas, a uma batida de bateria individual) e o shuffle, que deu ao 909 suas características de groove cativantes. Ele também tinha a capacidade de lembrar e encadear 96 padrões em músicas de até 896 compassos, tornando-o o mais avançado e inovador sintetizador de bateria da Roland na época. Mesmo assim, ainda sem atingir as vendas que a Roland esperava, em um ano seguiu o caminho dos anos 808, 606 e 303 e foi descontinuado em 1985.

“Naquela época, havia muitas baterias eletrônicas baseadas em samples”, continuam Nishi e Hoshiai. “Por exemplo, Linn Drum, Oberheim DMX e o E-mu Drumulator. Na época, a tendência da bateria eletrônica era de ‘som real’, então sentimos que talvez o mercado ainda não estivesse pronto para o som de bateria sintetizado que buscávamos. ”

O mercado simplesmente não existia. Ainda em sua infância, a música eletrônica permaneceu exclusiva dos estúdios profissionais. A série da Roland estava involuntariamente à frente de seu tempo e perfeita para estúdios domésticos e a abordagem DIY que estava prestes a florescer anos depois, mas não com seu preço original de US $ 1.195 (o equivalente moderno de US $ 3.000, que também é o preço de um poço -a manutenção de segunda mão vai custar-lhe hoje). Sem estúdios de música eletrônica em casa, houve uma confusão sobre quem eram as máquinas, pois o 303 foi originalmente comercializado como um baixista substituto, de modo que muitas lojas de música não sabiam como vender o 808 e o 909. Um primeiro cliente particularmente experiente , no entanto, era Nivek Ogre, cantor eletro-industrial de Vancouver e a dupla pioneira da EBM, Skinny Puppy. O mini-álbum ‘Remission’ deles foi lançado em 1984, poucos meses após o 909 ter sido colocado à venda. É o primeiro exemplo de um 909 em um lançamento oficial que conhecemos.

FORÇA INDUSTRIAL
“O Skinny Puppy era o único que consigo pensar em usar o 909 como a força motriz de sua música naquela época”, explica Rhys Fulber. Membro fundador da Front Line Assembly, também artista industrial de Vancouver, Rhys passou os últimos 32 anos mergulhado no pescoço de sintetizadores, com bandas como Delerium, seu projeto solo Conjure One e adicionando 909s a bandas de metal como Machine Head, Fear Factory e Megadeth em seus remixes. “O EP‘ Remission ’é literalmente impulsionado pelo 909, todo o álbum está bem à vista”, continua Fulber. “Não me lembro de nenhuma outra banda industrial usando o 909 dessa forma. Até mesmo o eletro inicial de Nova York é 808. ”

Electro foi o próximo lar óbvio para o 909, no entanto. E embora muito disso tenha sido impulsionado pelo famoso grande boom dos 808, Kurtis Mantronik já estava incorporando o 909 em suas produções, tanto como uma metade da Mantronix quanto produzindo para outros artistas de hip-hop como Just Ice, cujo álbum de estreia ' Back To The Old School 'apresentava Kurtis na capa segurando um 909. “Mantronix foi um dos primeiros usuários pesados ​​do 909 que eu conheci”, considera o DJ / produtor japonês Satoshi Tomiie. “Seu som era muito contundente e eletrônico. Você não se esqueceu disso com pressa. Então, quando a house music foi introduzida no Japão, geralmente a partir de mixagens gravadas em estações de rádio de Chicago, eu pensei, ‘Ok, essas são as mesmas baterias eletrônicas do hip-hop’. ”

A identificação do som na pré-internet dos anos 80 foi um fator no crescimento lento das máquinas Roland à frente de seu tempo. Satoshi não estava sozinho, os fãs mais informados demoraram um pouco para descobrir o que estavam ouvindo. Dan Curtin fala em levar seu Walkman a lojas de discos locais em Cleveland, Jori Hulkkonen se debruça sobre revistas e qualquer documentário musical no norte da Finlândia, enquanto o cofundador do Altern-8, Mark Archer, brinca: “Não há muitas pessoas em Stafford no final” Anos 80 sabiam sobre o 909. Não tivemos chance! ” Talvez se Roland persistisse e continuasse a fabricar o 909 por mais alguns anos, eles não teriam descontinuado o instrumento. Em 1986/87, o 909 havia se infiltrado no hip-hop nas gravações da Boogie Down Productions, Ultramagnetic MCs, Jazzy Jeff e The Fresh Prince e Public Enemy (para citar apenas alguns). Enquanto isso, em Detroit, Juan Atkins estava mergulhado até os joelhos em seu projeto Model 500 e em seu selo Metroplex, assim como selos seminais de Chicago, como DJ International e Trax. House e techno estavam incubando em um ritmo acelerado, e o 909 liderava o ataque.

TERRA PROMETIDA
“Quando descobri aquele filho da puta pela primeira vez e vi as luzes acenderem, foi como fazer sexo”, sorri Tyree Cooper. Um Chicago OG, ele conhece o 909 como a palma de suas mãos tamboriladoras. Junto com os produtores Lidell Townsell, Parris Mitchell, Joe Smooth e Pete Black, ele estava por trás de muitos dos discos que definiram o gênero que surgiram naquela época, e não apenas o seu próprio.

“Havia muitos escritores fantasmas naquela época, e eu estava fazendo trabalho fantasma para DJ International”, explica Tyree, que não estava mentindo quando se chamou de 'o produtor' em seu famoso hino do hip-house 'Hard Core Hip House 'em 1989. “Não direi nenhum nome, mas aprendi o 909 ao ponto em que Rocky Jones do DJ International diria,' Ei, vamos deixar você tocar bateria nessas faixas '. Eu diria: ‘Quanto?’ Eles disseram: ‘Quanto você quer?’ E eu, tolamente, disse que aceitaria US $ 50 por faixa. Eu ganharia $ 300 por semana, mas aqueles discos estavam vendendo 20, 30, 40.000! Mas cara, eu estava estudando cada centímetro daquela máquina como ninguém enquanto trabalhava nos discos. ”

Em Detroit, outro coletivo de acadêmicos estava refinando a arte dos anos 909: Juan Atkins, Kevin Saunderson, Derrick May e Eddie Fowlkes. Enquanto seus colegas em Chicago estavam se inclinando para um arranjo gordo e despojado de jacking, Atkins e co aprimoraram as funções de embaralhamento e flam da máquina, criaram ritmos complexos, trazendo os chimbais supercrisados ​​e instantaneamente reconhecíveis do 909 à vida.

“Havia uma grande divisão cultural na época”, explica Fowlkes, que comprou seu primeiro 909 por US $ 50 em uma casa de penhores. “Você teve a garotada do hip-hop, que ficava feliz em lidar com as drogas e fazer seu caminho dessa forma. E você tinha crianças progressistas que não queriam participar disso. Éramos das ruas, mas éramos mais estudiosos de merda. O 909 era perfeito para nós. We learnt that machine, and EQing was a big part of the art. I know the people in Chicago would EQ their 909s differently to us in Detroit. But it was an underground thing, and respect.”

Fowlkes also elaborates on the classic techno tale of Derrick May selling his 909 to Chicago pioneer Frankie Knuckles. “Derrick quit his job. I thought, ‘How’s he going to pay his rent?’” he recalls. “Next thing I know, someone’s hammering on my door. I think it’s Derrick, but it’s Juan. He’s like, ‘Derrick’s sold his 909 to the motherfuckers in Chicago! What’s wrong with your room-mate, man?’ He gave our weapon to the cats in Chicago.’”

Tyree Cooper confirms validity in that tale, but states Chicago producers were already more than aware of the weapon and many, like himself, Fast Eddie, Chip-E, Larry Heard and Jesse Saunders were all packing 909 heat. However, the plot does thicken: “I think personally when he did sell that drum machine to Frankie, someone else used it to make a house record. Some of the patterns Eddie, Derrick, Juan and Kevin made on it were still on it. I did my homework to work out what it was. It didn’t start house music, that was already happening, but it helped start someone else’s career. That shit’s gonna blow your mind until you work it out…”

MACHINE MOVEMENT
Cooper remains tight-lipped on who that might be, but he’s open about how much of a movement was created when the prices of Roland continued to plummet in second-hand stores and pawn shops. Far from being a weapon, the 909 brought everyone together. “When you’re talking about cultural shifts within music what motherfuckers can’t afford or can afford is completely influential,” he explains. “You talk about black music in general, hip-hop, house and techno, all these cultures sprang up in a simultaneous way energetically with timeless creation. These machines were what we could afford, and they became the tools of the movement.”

The machines weren’t being used for Roland’s original purpose, but now cheap enough for DIY culture (for the first few years of house and techno anyway), the 909 proceeded to dominate all forms of electronic music from 1989 onwards in every possible direction: from the charts (with the likes of Madonna and Pet Shop Boys flexing the 909s) to the heaviest of DJ sets, such as Jeff Mills’ famous headbending 909 solos. “The 909 produces a very powerful and thick sound,” explains Mills. “This energy that people really wanted to have since the rave era had become even more widespread, so many (like myself) looked for machines that could produce such a result.”

Even when artists couldn’t get their hands on an actual 909 machine, its distinctive sounds echo through samples as well. Lacking the shuffled groove, and often processed in a way that you couldn’t directly achieve in the 909 box itself, these samples would go on to mutate and build on the drum synthesiser’s indelible legacy. Both Kirk Degiorgio and Cristian Vogel explain how they built their own sample libraries, recording drum sounds from their friends’ 909s, while Mark Archer admits to the classic sampling approach. “Luckily, a lot of Detroit tracks broke down into their component parts quite often, which would give us a clear sample,” explains Mark, who would eventually pick up a 909 in Detroit, and whose Nexus 21 track ‘Still Life Keeps Moving’ gave Carl Craig his first remix credit in 1990.

There was also the matter of the 909’s connectivity. As the first Roland machine to ditch the unreliable DIN syncing for MIDI, the 909 could be used to trigger other instruments, and as a clock for the full set-up, with its sequencer central to the whole track as a hub. For DJ Sneak, another Chicago legend, the connectivity was vital. “I could only afford a 909, so I spent a year of making drum tracks and then I got a sampler,” he explains. “And when I synced them, that was the birth of the DJ Sneak sound. So I had all the 909 drums, and the drum sounds and samples I had in the Akai [sampler], which I was shooting back into the 909. I didn’t have a sequencer or money to buy anything else, so it was all done on what I had. ‘You Can’t Hide From Your Bud’ was done on the 909 and S950.”

With the 909 as the hub and sequencer, this meant the machine had a presence beyond its signature drum sounds, or even samples of its drum sounds. Once again, another huge influence of the 909 that Roland didn’t realise they were responsible for, and another example of how the artists who wrote many of the records that shaped dance music were pushing machines to do things they weren’t really supposed to be doing.

“As embarrassing as this is to say,” admits Roland’s Hoshiai and Nishi, “it took us quite a while to realise this fact. When we did notice, we made the decision to develop our first product that focused completely on club-style music, the MC-303 Groovebox, which was released in 1996.” While an impressive, intuitive hands-on machine, the Groovebox had arrived too late for many the 909 and its older brothers the 808, 606, its younger brother (the live-sounding digital-sampling 707) and, of course, the 303, had entrenched themselves into electronic music forever.

“Roland did a lot,” considers Saytek. One of the few contemporary producers in this discussion, he doesn’t own a physical 909, but favours its emulators instead, and has a deep respect for what it’s done for music. “Where would we be without the 909 and 808? Would the music have even evolved in the way it did? These machines weren’t even designed for dance music, dance music didn’t exist in this way when they were launched, yet the sound of a 909 defines house and techno. The clap, hi-hat, the kick, the rimshots, the toms. Even without knowing, everyone knows the 909 sound.”

It seems many of them are returning to it, too. Roland’s long-awaited relaunch of the machine in the form of the TR9 last year was received with critical acclaim, while many artists are trying to reduce screen time and return to the raw, physical hands-on feeling the founding house and techno fathers enjoyed when they embraced Roland’s machines and squeezed them for every bit of electronic music essence and spirit. Leading Berlin techno artist Cinthie has just built her new studio with a whole analogue armoury… and she quit her job as a music software programmer in the process.

“I worked for Ableton as a software developer for years,” she says. “But I got bored of moving the mouse around. With software, everything is mathematical. Over time, the old machines get a little wonky. They don’t sound 100 percent clear sometimes, and they don’t all sound like each other. They develop their own character. They are human, and music should be, too…”

For the final word we turn to one of the undisputed 909 masters, Jeff Mills. Almost 30 years after he bought his first 909, he continues to use it in his live sets, and creates insane 909 workout videos under his Exhibitionist series. If there’s one man that faithfully captures the true spirit and essence of the Roland TR-909 Rhythm Composer, and who can consider how it might be developed, or made even better, it’s him.

“I think the machine is getting all the attention it deserves,” he concludes. “It’s an incredible machine, if applied properly. Unfortunately, the TR-909 only has 10 sounds, but if it had more to consider, this might have had an effect as well. For instance, if it had a cowbell or tambourine. Imagine the possibilities…”


John Collins Tr - History

History of the Michelotti TR

Copyright 1998, 2005 By Raymond L. Hatfield

The roots of what was to become the 'Michelotti TR' go back to 1957, when Alick Dick hired Giovanni Michelotti as a consultant/designer to help with the product line at Triumph. His first attempt was the TR Dream Car , built by Vignale and heavy with American influences including a full width chrome grille, (rumored to have influenced the grille of the TR3A as well) pronounced tail fins, and 'eyebrows' over the headlights. Although this car was only a styling exercise, several of the styling cues would carry over to the new TR. His next project for Triumph was to design the Herald sedan, which was a great success for the company, and later lead to the Spitfire/GT6 line of sports cars as well.

In 1958, Michelotti delivered his first prototype for the new TR, the Zest . It was a much more conservative vehicle than the Dream Car, but carried over such things as toned down tail fins and grille, as well as moving the headlights away from the fenders and onto the grille. This car was still built on the TR3A chassis, which the motoring press had dubbed as being too narrow, and did not really fit the style of the new design.

Meanwhile, the factory Competitions Department was developing a new, twin overhead cam engine eventually known as 'Sabrina' - named after a British actress and capable of producing 160 horsepower. This engine would not fit in the standard TR3 frame, so a TR3 was modified and raced at the 1959 LeMans. Triumph was so impressed with the performance of this engine that they asked Michelotti to design a car around a street version of the engine, which became known as the Zoom prototype. Some of the new features included a six inch longer/four inch wider wheelbase, a new style front end with the headlights (minus the eyebrows) moved out to the fenders and a true convertible top. This prototype also introduced the Surrey top concept. This new car quickly became the leading contender to be the next TR. In fact, Vignale used the concept in a hard top version for it's Italia 2000 GT , in hopes that Triumph would choose the design. This design was put into production in 1959, but got little support from Triumph, and only about 300 were ever built. Triumph did use the Zoom concept for it's new race car with the Sabrina engine - the TRS , which it raced in 1960 and 1961 at LeMans , winning the team award in 1961. When it was determined that the Sabrina engine was too costly and complex to use as a production engine, Michelotti was asked to rework the Zest and Zoom prototypes into a final design for the next TR.

The TR4 was received with much praise when it debuted in August of 1961. Items such as roll-up windows, cockpit ventilation, and an all-synchromesh transmission received high marks from the motoring press. A power bulge to clear the carburetors was necessary in the forward hinged bonnet The fixed rear window with a removable center section 'Surrey top" was available as an option pre-dating Porch’s “Targa” roof by at least a year. While the same basic engine and mechanicals were carried over from the earlier TR2s and 3s synchromesh was added to 1st gear and an increase in capacity to 2,138cc and some minor tuning resulted in a power boost of 5 HP to 105bhp, allowing it to deliver 0-60mph times of 10.9 seconds.

Although all new in appearance, the TR4 shared many parts with the TR3, including seats, instruments and suspension. One complaint heard in motoring magazines of the day was about the harsh ride delivered by the rear axle. These reoccurring complaints led the Triumph engineers to develop a independent rear suspension for the TR4 from the Triumph 2000 sedan. This was introduced in 1965 as the TR4A IRS. This innovation made Triumph the first manufacturer to offer four wheel independent suspension on every model they produced, although at the insistence of US dealerships a non-IRS model was also produced.

Unfortunately, the TR4A was not as fast on the road as the critics expected. It wasn't much faster than the TR3A with its optional 2.2 liter engine had been in 1959 - the TR4A had put on weight with age. Even by comparison with the TR2s of 1953 there had not been a dramatic improvement. Fuel consumption was worse. Product planners at Triumph were asked to make a quantum leap in performance and economy, not to mention extended high speed running (for the new European highways). This, combined with the new emission control laws in the US, spelled the end of the four-cylinder TR. The time-tested 'Tractor motor' couldn't be made to run clean enough to meet the new American pollution laws.

One of the interesting by-products of the development of the IRS frame is that it's increased width and strength easily accepted the 2.0 liter six cylinder from Triumph's 2000 sedan. (A little known fact is that the frame could also accommodate an automatic transmission - in fact two prototypes were built and tested, but never brought to production). While the 2.0 liter engine fit nicely (once the steering rack was moved forward slightly) it offered less horsepower and torque than the old 'Tractor' motor. So the engineers at Triumph decided to stretch the engine out to 2.5 liters, and also incorporated the new Lucas mechanical fuel injection system. The new TR5 was the result, capable of 150bhp, and is considered by many to be the best of the TRs. Unfortunately, the fuel injection system couldn't be made to pass the American emission laws, so to comply with regulations for the US, Triumph substituted twin carburetors and the TR250 was created. To set the car apart, a unique racing stripe was painted across the hood and front fenders. The TR250 was still an improvement over the old 4 cylinder cars - with 110bhp on tap, but just not as exciting a car as the TR5 to drive. Although they were great cars and well received, the TR5/TR250 would only survive one model year before they were replaced by the TR6.

Much has been written about the TR6, and many websites are devoted to it, so I will only touch on it's relationship to the earlier TRs. As has been often stated, Triumph contracted with the German company Karmann to update the TR, which was very cleverly done by just changing fenders, hood, grille, and tail end treatment. So, although the result looked decidedly different and more modern, the majority of the car retained it's Michelotti heritage.

The Michelotti TR era stretched from 1957 (Dream Car Concept) to 1969 (end of TR5/TR250 production), and in a sense until 1976 (end of TR6 production), and can be thought of as a major success for Triumph and a major influence on sports car design for it's time. They provided fun, exciting, affordable sports cars for people worldwide, and contributed to a 'car enthusiast' lifestyle that flourishes still. Even today, you can see some of it's influences on today's sports cars (the classic bodyline 'hitch' copied by the original Mustang, 'power bulges' on the hood of Eclipses, independent rear suspension for many cars, among others). There is even some rumor that Triumph may be reborn, so the influence of the Michelotti TR may be felt yet again.


John Collins Tr - History

In honor of Black History Month, Flushing Town Hall presents its Black History Trilogy, a three-part series of outstanding Broadway performers showcasing the music and speeches of influential African American artists, scholars, and leaders.

Alton Fitzgerald White kicks off the Trilogy in &ldquoJohn Lewis: A Pioneer for Justice&rdquo on Friday, February 5 at 7:00 PM.

Alton Fitzgerald White, a gifted actor who starred in Broadway&rsquos hit show Ragtime and performed over 4,000 times as Mufasa, &ldquoking of the jungle,&rdquo in Disney&rsquos production of The Lion King, will bring to life the legacy of American politician and civil rights leader John Lewis, who passed away last summer and coined the popular phrase &ldquogood trouble&rdquo in one of his most resilient speeches. Following his reading of the speech, White will discuss why Lewis&rsquo words and mission are still relevant today and participate in a short question and answer session with the virtual audience.

Flushing Town Hall&rsquos Black History Trilogy is part of its FTH At Home! virtual programming, which is presented for free to the general public with a suggested donation to support the artists and the nonprofit cultural organization as they continue to provide programming and entertainment across New York and the world.


Assista o vídeo: John Collins - Springy Scorer