Tommy Sinclair

Tommy Sinclair

Thomas (Tommy) Sinclair nasceu em Shettleston. Em 1938 ele se juntou ao Bolton Wanderers. Na direita, ele marcou 5 gols em dez jogos na temporada 1938-39. Durante este período, a equipe incluiu Harry Goslin, Jackie Roberts, Jack Hurst, George Hunt, Albert Geldard, Harry Hubbick, Don Howe, Ray Westwood, Jack Atkinson, Tom Woodward e George Eastham.

Em 15 de março de 1939, Adolf Hitler ordenou que o exército alemão invadisse a Tchecoslováquia. Parecia que a guerra era inevitável. No dia 8 de abril, o Bolton Wanderers jogou em casa contra o Sunderland. Antes de o jogo começar, Harry Goslin, o capitão do time, falou à multidão: "Estamos enfrentando uma emergência nacional. Mas esse perigo pode ser enfrentado, se todos mantiverem a cabeça fria e souberem o que fazer. Isso é algo que vocês podem não deixe para o outro, todo mundo tem uma parte a fazer. "

Dos 35 jogadores da equipe do Bolton Wanderers, 32 ingressaram nas forças armadas e os outros três foram para as minas de carvão e munições. Isso incluiu Harry Hubbick, que retomou sua carreira nos pits e Jack Atkinson e George Hunt serviram na força policial local. Um total de 17 jogadores, incluindo Tommy Sinclair, Harry Goslin, Danny Winter, Billy Ithell, Albert Geldard, Don Howe, Ray Westwood, Ernie Forrest, Jackie Roberts, Jack Hurst e Stan Hanson, juntaram-se ao 53º Regimento de Campo (Bolton).

Durante a Segunda Guerra Mundial, o 53º Regimento de Campo (Bolton) entrou em ação em Dunquerque (maio de 1940), El Alamein (1942) e a invasão da Itália (setembro de 1943).


Thomas M. Sinclair

T.M. Sinclair nasceu em 14 de maio de 1842, em Belfast, Irlanda. Seu pai, John, morreu enquanto Thomas ainda estava na escola. Ele considerou uma carreira no Exército Britânico, mas decidiu se tornar um comerciante. Ele ingressou na empresa frigorífica que seu pai possuía, a J. & amp T. Sinclair Co. Thomas e seu irmão William rapidamente expandiram a empresa e logo se encontraram na América. Seu escritório em Nova York teve muito sucesso durante os anos da Guerra Civil, mas um incêndio em 1866 destruiu a fábrica. Depois de alguma recuperação financeira em Nova York, Sinclair começou a procurar um novo local para a fábrica. Cedar Rapids provou ser o lugar e, em dezembro de 1871, ele se mudou com sua família, incluindo sua esposa Caroline e seu primeiro filho, John, para a aldeia de Iowa.

Naquela época, não havia nenhuma estação de água, nenhum sistema de esgoto, nenhum serviço de telefone e nenhuma ferrovia adequada em Cedar Rapids, então Sinclair teve que cuidar de tudo isso sozinho. Ele freqüentemente trabalhava quatorze horas por dia a fim de construir tudo o que era necessário para sua empresa. Sinclair também se envolveu com a Igreja Presbiteriana em Cedar Rapids, tornando-se ancião em 1877 e viajando em uma viagem missionária para o Território de Dakota em 1879.

Foi em 1875, após o fracasso do Seminário Parsons, que o Coe Collegiate Institute abriu suas portas. Sinclair foi nomeado vice-presidente do Conselho de Curadores, servindo com outros membros proeminentes da área de Cedar Rapids. Infelizmente, a grande dívida que o instituto acumulou ao longo dos anos, principalmente com a construção do Old Main, estava impedindo o Sínodo de Iowa de reconhecer ou ajudar o colégio. Mesmo quando os outros curadores estavam perdendo a fé na ideia, Sinclair se recusou a desistir da escola. Em 1880, ele convenceu muitos dos devedores do colégio a perdoar as dívidas. Entre isso e sua própria doação financeira de US $ 10.000, Sinclair sozinho libertou o Instituto de sua dívida de longa data. O Sínodo de Iowa concordou em assumir a escola, e os artigos de incorporação do Coe College foram arquivados em 16 de abril de 1881. Tragicamente, Sinclair não estava vivo para celebrar este evento. Apenas três semanas antes, ele havia caído no poço de um elevador em sua fábrica e morrido.

Em 1916, Sinclair foi o assunto do discurso principal do Dia dos Fundadores por Edward Burkhalter. "Esta tarefa, de que falo, é a preparação do esboço da vida daquele a quem olho e há muito tempo considero, como em aspectos importantes, o melhor homem que já conheci, o homem em quem vi mais da Glória de Deus e de Cristo do que em qualquer outro de nossa raça, o homem que combinou em seu caráter e conduta e carreira mais das excelências da verdadeira humanidade e, o que é essencialmente a mesma coisa, mais das qualidades da verdadeira Semelhança de Deus do que qualquer outro homem que conheci. " Foi nesta festa que a família de T.M. Sinclair doou uma pintura a óleo do empresário para a faculdade. Este retrato ficou pendurado na Sinclair Memorial Chapel até que ardeu em 1947. No entanto, uma nova Sinclair Memorial Chapel foi logo construída e permanece hoje como um testamento ao homem que fez tanto por Cedar Rapids e Coe.

Copyright 2006
Coe College
1220 1st Avenue NE
Cedar Rapids, IA 52402


Clã Sinclair

História do Clã Sinclair / St Clair:
Sir William Saint Clair, filho de Waldern de Saint Clair da Normandia, chegou à Escócia com a princesa Margaret Atheling, que se tornou a segunda esposa de Malcolm III. Ele recebeu o Baronato de Rosslin, ao sul de Edimburgo, e isso foi confirmado por seu filho em 1180.

Henry St Clair, 7º Barão de Rosslyn, com seu irmão William, seu filho William e seu parente John St Clair de Herdmanston e Gregory St Clair prestaram homenagem a Eduardo I da Inglaterra em 1296. No entanto, em companhia de Sir Symon Fraser do Castelo de Neidpath e John Comyn, conde de Buchan, ele mais tarde venceu a Batalha de Roslin contra os ingleses em 1303. Depois disso, os St Clairs lutaram por Robert o Bruce e em 1317 receberam uma concessão das terras de Pentland como recompensa.

Através de sua mãe, Isabella Forteith de Strathearn, Sir Henry St Clair, 9º Barão de Rosslyn, tornou-se 42º Jarl e 1º St Clair Príncipe de Orkney, devendo lealdade não apenas à Coroa Escocesa, mas aos governantes da Noruega. De seu castelo em Kirkwall, ele embarcou em várias viagens, incluindo uma para as Ilhas Faroe e a Groenlândia e outra para a Nova Escócia (Estotilândia) e a América do Norte.

Seu neto, o 3º Príncipe St Clair de Orkney, teve três casamentos, o primeiro com Lady Margaret Douglas, neta de Robert III, de quem teve um filho e quatro filhas, uma das quais se casou com o Duque de Albany, irmão de Jaime III. No segundo casamento com Lady Marjorie Sutherland, uma tataraneta de Robert I, ele teve seis filhos e sete filhas. Após sua morte, acredita-se que ele se casou pela terceira vez, mas os registros são vagos.

Além de construir a Capela Rosslyn, duas ações significativas influenciaram a sorte da família St Clair durante o mandato do Príncipe William. Em 1455, ele trocou o condado de Nithsdale, que havia herdado de sua mãe, pelo condado de Caithness. Em 1469, após o casamento de Jaime III e da Princesa Margaret da Dinamarca, as Ilhas Orkney foram formalmente anexadas pela Coroa Escocesa e William entregou o condado de Orkney em troca do Castelo Ravenscraig e terras em Fife.

Isso significava que os futuros St. Clairs não seriam elegíveis para se autodenominarem "Príncipe" e, quando o Príncipe William morreu, suas terras e títulos foram dispersos entre seus filhos, seu filho mais velho com o primeiro casamento adquiriu o Baronato Dysart, seu filho mais velho com o segundo casamento adquirindo Rosslyn, e o segundo filho de seu segundo casamento tornando-se o 2º St Clair Earl of Caithness.

Foi nessa época que o ramo Caithness da família começou a soletrar seu nome Sinclair, embora o ramo Rosslyn continuasse com St Clair. O 2º Conde de Caithness lutou e morreu na Batalha de Flodden com 600 Sinclairs das Terras Altas. Seus descendentes a partir de então eram de um selvagem
disposição, o 4o Conde aprisionando e morrendo de fome seu próprio filho por fazer as pazes com o Clã Moray sem sua aprovação.

George, 6º Conde de Caithness, sobrecarregado com dívidas herdadas, foi obrigado a vender parcelas das terras da família. Ele morreu sem filhos em 1676, quando o título Caithness finalmente passou para George Sinclair de Keiss.

O 19º conde de Caithness (1906-1965) foi o comandante-chefe do Ceilão recém-independente (Sri Lanka). Malcolm, vigésimo conde de Caithness (1948-) serviu como Ministro de Estado no Ministério do Interior e tesoureiro geral no governo de Margaret Thatcher.

Sir William St Clair de Rosslyn (falecido em 1331), filho do 6º Barão de Rosslyn, acompanhou Sir James Douglas em sua expedição à Espanha com o coração de Robert I. William St Clair (falecido em 1337) era bispo de Dunkeld. Ele coroou Edward Balliol e reuniu os escoceses contra o ataque inglês a Dunfermline. John Sinclair (falecido em 1566) oficiou o casamento de Mary Queen of Scots e Lord Darnley. George Sinclair (falecido em 1696) foi Professor de Filosofia na Universidade de Glasgow e esteve associado à invenção do Sino de Mergulho. Ele era o autor de O mundo visível de Satanás é descoberto. Sir John Sinclair de Ulbster (1754-1835) tornou-se Presidente do Conselho de Agricultura em 1798. Robert, 4º Conde de Rosslyn (falecido em 1890) foi o Embaixador Extraordinário em Madrid. Sir Archibald Sinclair, 1º visconde de Thurso (1890-1970) foi líder do Partido Liberal Britânico de 1935 a 1945. Foi Secretário de Estado da Aeronáutica na administração Churchill.

Locais de interesse:
Roslin, Midlothian. Esta pitoresca vila surgiu ao lado do castelo do século 14 e da capela do século 15, construída pelos St Clairs of Rosslyn. A Capela Rosslyn atraiu recentemente o interesse mundial ao aparecer no romance mais vendido, O código Da Vinci.

Castelo de Mey, Caithness. Construído em 1568 por George, 5º Conde de Caithness. É provavelmente mais conhecido hoje por ter sido a casa particular e retiro de Sua Majestade a Rainha Elizabeth, a Rainha Mãe.

Castelo de Keiss, Keiss, Caithness. Os restos de uma pequena torre do século 16 podem ser vistos aqui. O castelo do século 19 nas proximidades foi a casa de Sir William Sinclair, fundador e pastor da primeira Igreja Batista na Escócia.

Noss Head, Wick, Caithness. As ruínas dos castelos Sinclair (século 15) e Girnigoe (século 17) podem ser vistas aqui. As propriedades foram invadidas em 1697 por Campbell de Glenorchy e ambos os castelos foram destruídos.

Castelo de Thurso, Thurso, Caithness. Sir John Sinclair de Ulbster (1754-1835), o conhecido melhorador agrícola, viveu aqui.

Distribuição de sobrenomes na Escócia: O nome Sinclair é mais comumente encontrado em Highland (um amálgama dos condados históricos de Caithness, Inverness-shire, Nairnshire, Ross e Cromarty e Sutherland), Ilhas Shetland (Zetland) e Orkney.


Personalidade

Tommy, assim como sua namorada, Carol, mostra-se muito superficial e mesquinho, nunca perdendo a oportunidade de ridicularizar Steve sobre seu relacionamento com Nancy, resultando em uma briga de Steve com ele.

Ele é particularmente desagradável com Jonathan Byers, fazendo comentários rudes sobre seu irmão desaparecido Will, especulando que Jonathan pode tê-lo matado. Parece não haver qualidades redentoras em Tommy, sendo descrito como um valentão unidimensional. Ele se mostra completamente indiferente e antipático com o desaparecimento de Bárbara Holland.

A única coisa que Tommy fez na série que poderia ser um ato de decência foi durante a luta entre Jonathan e Steve. Depois de inicialmente incitar Steve a bater em Jonathan, Tommy logo percebeu que Steve estava perdendo a luta feio e estava levando uma surra de Jonathan. Isso levou Tommy a tentar intervir em nome de Steve, tentando afastar Jonathan e até mesmo implorar a Jonathan para se acalmar, já que "(Steve) já está farto". Esse ato de decência, no entanto, foi rapidamente desfeito poucas horas depois. Embora Tommy tenha comprado analgésicos e refrigerante para Steve para aliviar os ferimentos do último, Tommy insistiu que Steve lhe devia dinheiro por isso. Então, quando Steve chamou seus amigos por serem idiotas, Tommy instantaneamente se voltou contra Steve, ameaçando espancá-lo ainda mais do que Jonathan.

Pode-se inferir que, apesar do ódio de Tommy por Jonathan Byers, ele ainda reconhecia que Jonathan era um lutador perigoso e, portanto, é improvável que Tommy algum dia tivesse considerado lutar com Jonathan. Assim, apesar de Tommy acusar Steve de fugir, isso prova que, ironicamente, Tommy é realmente um covarde, em contraste com Steve, que provou ser corajoso, afinal.


  • Os nomes "Jena", "Mary Ellen" e "Maggie" estão escritos no anuário do Middle School, apesar de serem personagens desconhecidos.
  • O anuário revela os sobrenomes de vários personagens recorrentes e secundários: o sobrenome de Troy é Walsh, o sobrenome de Stacey é Albright, o sobrenome de James é Dante, Samantha's (a adolescente que estava vestida como Siouxsie Sioux na festa de Halloween) o sobrenome é Stone, Vicki (o adolescente que estava com Carol e Tina foram eles viram Billy) o sobrenome é Carmichael, o sobrenome de Carol é Perkins e o sobrenome de Tommy H. é Hagan.
  • O anuário também dá o nome da aluna mostrada mascando chiclete na classe do Sr. Clarke: Mindy Novak e a aluna brincando com sua cartomante de papel é Tracy Tyler.
  • O anuário lista a data do Snow Ball '84 como 21 de dezembro de 1984, das 18h às 20h no ginásio da Hawkins Middle School.
  • O anuário lista as metas de carreira para vários dos personagens principais:
      : Escritor: Criptozoologista: Detetive de polícia por dia, Combatente do crime mascarado à noite: Artista de quadrinhos: Skatista profissional: Jornalista: Fotografia de rocha: Indeciso: "Ser o melhor cara mais malvado vivo": Bibliotecário: Juiz: Prefeito: Designer gráfico: Instrutor de aeróbica
    • Mike Wheeler: Inglês
    • Dustin Henderson: Ciência
    • Lucas Sinclair: História
    • Will Byers: Arte
    • Max Mayfield: Matemática: Recess: "Troy pegou minha resposta, então direi. Almoço": Geografia: Espanhol
    • Nancy Wheeler: "Todos eles. Esperem a aula de matemática do Sr. Mundy"
    • Jonathan Byers: literatura inglesa
    • Billy Hargrove: almoço
    • Steve Harrington: PE
    • Barbara Holland: Estudo Independente
    • Carol: "Eu não tenho um."
    • Tommy H: "Eles são todos igualmente bons para dormir."
    • Samantha Stone: Arte
    • Vicki: Geometria- "Tem a melhor vista do vestiário masculino."
    • O anuário revela o que vários personagens fazem quando não estão estudando:
      • Mike Wheeler: "Ouvindo as ondas do rádio no meu walkie-talkie."
      • Dustin Henderson: "Tentando recuperar minha pontuação mais alta em Dig Dug."
      • Lucas Sinclair: "Cortando grama e ganhando dinheiro, como um homem de verdade."
      • Will Byers: "Lendo histórias em quadrinhos e jogando D & ampD."
      • Max Mayfield: "Superando todas as pontuações mais altas de Dustin no fliperama."
      • Troy Walsh: "Pelo meu melhor comportamento, eu juro!"
      • James Dante: "Andar com o Troy."
      • Stacey Albright: "Aprendendo novos passos de dança."
      • Greg McCorkle: "Rindo disso."
      • Nancy Wheeler: "Procurando pela verdade."
      • Jonathan Byers: "Fazendo mixtapes."
      • Billy Hargrove: "Não é da sua conta."
      • Steve Harrington: "Babá".
      • Barbara Holland: "Ter minha vida um dia de cada vez."
      • O anuário lista os hobbies de vários dos personagens principais:
        • Mike Wheeler: "Assistir filmes, atuando como Mestre das Masmorras."
        • Dustin Henderson: "Descobrindo novas espécies, recriando adereços de cinema em casa, D & ampD."
        • Lucas Sinclair: "Andar de bicicleta, jogar videogame, atirar no meu foguete de pulso."
        • Will Byers: "Desenhar, ir ao cinema."
        • Max Mayfield: "Andar de skate e dominar Dig Dug."
        • Nancy Wheeler: "Estudar, nadar."
        • Jonathan Byers: "Andar com meu irmão mais novo."
        • Billy Hargrove: "Trabalhando no meu carro, levantando pesos, balançando para fora."
        • Steve Harrington: "Festas. E basquete."
        • Barbara Holland: "Lendo e saindo com minha melhor amiga Nancy."
        • O anuário lista as atividades extracurriculares para vários dos personagens principais:
          • Mike Wheeler: AV Club, Science Fair
          • Dustin Henderson: AV Club, Science Fair
          • Lucas Sinclair: AV Club, Science Fair
          • Will Byers: AV Club, Science Fair
          • Max Mayfield: AV Club
          • Nancy Wheeler: Sociedade de Honras, Anuário, acompanhante de Bola de Neve
          • Jonathan Byers: clube de fotografia, anuário, acompanhante de bola de neve
          • Billy Hargrove: basquete
          • Steve Harrington: Basquete
          • Barbara Holland: Sociedade de Honras
          • O anuário lista os filmes favoritos:

          Hawkins Middle School:

          • Ghostbusters (1984)
          • Gremlins (1984)
          • Revenge of the Nerds (1984)
          • Beverly Hills Cop (1984)
          • The Breakfast Club (1985)
          • The Terminator (1984)
          • Footloose (1984)
          • Purple Rain (1984)
          • Breakin (1984)
          • The Karate Kid (1984)
          • The Breakfast Club (1985)
          • Vision Quest (1985)

          O anuário lista as músicas favoritas:

          Hawkins Middle School:

          • "Ghostbusters" de Ray Parker Jr.
          • "Wake Me Up Before You Go-Go" por Wham!
          • "Somebody Watching Me" de Rockwell
          • "Take On Me" do A-ha
          • "We Are the World" dos EUA para a África
          • "Shout" de Tears for Fears
          • "Time After Time" de Cyndi Lauper
          • "Let's Go Crazy" do Prince
          • "Dancing In The Dark" de Bruce Springsteen
          • "Jump" de Van Halen
          • "Cruel Summer" por Bananarama
          • "Boys of Summer" de Don Henley
          • "Crazy for You" de Madonna
          • "Every Time You Go Away", de Paul Young

          O anuário lista as pessoas favoritas:

          Hawkins Middle School:

          • Ronald Reagan
          • A senhora "Cadê a Carne"
          • Mary Lou Retton
          • Sylvester Stallone
          • Bill Murray
          • Michael Jordan
          • Madonna
          • Gandhi
          • Kevin Bacon
          • David Bowie
          • Tina Turner
          • Ronald Reagan

          O anuário lista as coisas favoritas:

          Hawkins Middle School:

          • Desenhos animados de sábado de manhã
          • Cubo de Rubik
          • Jogos de vídeo
          • Fitas VHS
          • Nave espacial Descoberta

          O anuário lista os programas de TV favoritos:

          Hawkins Middle School:

          • The A-Team (1983-1987)
          • Punky Brewster (1984-1988)
          • Transformers (1984-1987)
          • Rainbow Brite (1984-1986)
          • He-Man e os Mestres do Universo (1983-1985)
          • Dallas (1978-1991)
          • Dinastia (1981-1989)
          • Laços de família (1982-1989)
          • Miami Vice (1984-1990)
          • St. Elsewhere (1982-1988)
          • Saúde (1982-1993)
          • Hill Street Blues (1981-1987)

          O anuário lista o aluno editor, design, fotografia, conselheiro e equipe que ajudam a fazer o anuário:


          Tommy Hilfiger: ‘Meu pai se desculpou por não ser um ótimo pai, o que foi muito comovente’

          Eu sou o filho mais velho, o segundo filho de nove. Eu cresci em Elmira, uma pequena cidade no estado de Nova York. Meu pai, que era protestante, se converteu ao catolicismo para se casar com minha mãe. Ele trabalhou duro como relojoeiro e joalheiro e minha mãe trabalhava meio período como enfermeira. Moramos primeiro em uma casa geminada e era bem aconchegante, com muitos de nós dividindo quartos.

          Meu pai tinha padrões muito altos para mim. Como o filho mais velho, eu carregava muitas responsabilidades. Eu era próximo dos meus irmãos e podíamos sair para praticar esportes ou, na nossa adolescência, ir a shows de rock. Quando eu era jovem, éramos levados à igreja todos os domingos, mas religião nunca foi algo com que eu pudesse me identificar.

          O único avô que eu conhecia era a mãe do meu pai, Nana Dorothy. Ela era a única avó ainda viva quando nasci. Ela era muito rígida quando eu era mais jovem. Como meu pai, ela queria que eu tivesse uma educação tradicional e um emprego estável. Minha mãe sempre apoiou minhas escolhas, assim como sua irmã, minha tia Annie. Eu tinha todos esses pensamentos criativos, mas não os compartilhei com meus pais, porque eu mesma não os entendia.

          Eu era muito bom em ganhar dinheiro desde tenra idade, e faria pequenos trabalhos para ganhar dinheiro. Eu não estava tão interessado em trabalhos escolares. Eu adorava esportes, mas sendo pequeno, não era um atleta natural. Meu interesse por roupas desenvolveu-se no início da minha adolescência. Fiquei fascinado com o que as pessoas vestiam e o que as tornava bonitas. Aos 19 anos, abri minha primeira loja, People’s Place.

          Eu conheci Susie, que estava trabalhando em uma de minhas lojas, quando ela tinha 17 anos e eu tinha cerca de 20 anos. Tínhamos paixão por design e roupas e cinco anos depois, nos casamos. Perdemos nosso primeiro bebê Susie teve uma gravidez ectópica, que foi traumática. Quando nossos quatro filhos eram pequenos, eu realmente tive que trabalhar muito para encontrar tempo para ser mãe, enquanto minha vida profissional se tornava muito difícil. Acho que isso prejudicou o casamento.

          Minha filha mais nova, Kathleen, foi diagnosticada como pertencente ao espectro autista quando tinha cinco anos, então nos concentramos em dar a ela os melhores cuidados e atenção. Minha filha mais velha, Ally, adoeceu muito durante a infância e finalmente foi diagnosticada com a doença de Lyme, no final da adolescência. Ela sofreu muito, mas, com muita ajuda, ela superou.

          Quando conheci minha segunda esposa, Dee, descobri que ela tinha um filho com necessidades especiais, o que nos aproximou. Ser casado pela segunda vez é definitivamente diferente. Agora temos um filho, Sebastian, que também é autista. Ele está indo bem e tem muitas sugestões de terapeutas. Nós dois trabalhamos com uma instituição de caridade, Autism Matters, para tentar aumentar a conscientização sobre a doença.

          Embora meu pai tenha sido duro comigo quando eu estava crescendo, nos reconciliamos no final de sua vida. Quando ele estava perto da morte em 1989, ele se desculpou por não ser um ótimo pai, o que foi um momento muito comovente. Ele me pediu para cuidar de Nana Dorothy, que estava em uma casa de repouso, o que fiz durante os últimos sete anos de sua vida.

          Eu amo ser avô. Ally tem uma filha, Harley. Eles moram em Los Angeles e nós a vemos sempre que posso. Dois de meus filhos me seguiram na moda. Minha filha do meio, Elizabeth, tem sua própria linha de moda e meu filho, Richard, um músico, também está envolvido com o trabalho de design. Portanto, parece que minha linha de trabalho realmente está nos genes. Tentei dar aos meus filhos a oportunidade de descobrir e fazer o que queriam. Espero ter ensinado a eles os mesmos valores fundamentais de honestidade e integridade que meu pai e minha mãe me ensinaram.

          American Dreamer por Tommy Hilfiger com Peter Knobler é publicado pela Ballantine Books, £ 25.


          Mank (2020)

          o Mank história verdadeira confirma que o Cidadão Kane O roteiro foi co-escrito por Herman J. Mankiewicz e Orson Welles durante vários meses na primavera e no verão de 1940. Até que ponto cada homem contribuiu para o roteiro foi objeto de controvérsia durante anos.

          Quem foi Herman J. Mankiewicz?

          Herman Mankiewicz ajudou a recrutar outros roteiristas para trabalhar para a Paramount Pictures?

          sim. O filme mostra Mankiewicz enviando um telegrama para Charles Lederer (Joseph Cross) em 1930, pedindo-lhe que escrevesse para o estúdio. O telegrama é semelhante a um telegrama da vida real que Mankiewicz enviou ao jornalista e dramaturgo Ben Hecht. Em suas memórias de 1954, Uma criança do século, Hecht lembra a redação do telegrama: "Você aceita trezentos dólares para trabalhar para a Paramount Pictures? Todas as despesas pagas. Os trezentos são amendoins. Milhões estão para ser agarrados aqui e sua única competição são os idiotas. Não deixe isso acontecer por aí."

          Um personagem do filme comenta que Mankiewicz estava sendo um tanto frívolo com os telegramas, enviando-os para "qualquer um que consiga juntar três palavras". No entanto, esse não parece ter sido o caso na vida real. Pelo que podemos dizer, Mankiewicz ajudou a formar um grupo de roteiristas de primeira linha na Paramount. Como visto no filme, isso incluía seu irmão mais novo Joseph L. Mankiewicz (Tom Pelphrey), cuja carreira ultrapassou a sua durante os anos 1930. O roteirista Ben Hecht descobriu mais tarde que Mankiewicz o recrutou ao fazer um acordo de jogador com o chefe do estúdio da Paramount B.P. Schulberg, dizendo a Schulberg que ele romperia seu próprio contrato de dois anos se Hecht não pudesse escrever um filme de sucesso. No entanto, isso é mais uma confirmação da confiança de Mankiewicz em Hecht do que um sinal de frivolidade.

          Louis B. Mayer pediu a seus funcionários um corte de 50% no pagamento durante o feriado bancário de uma semana de FDR?

          sim. Isso realmente aconteceu. A fim de reduzir uma corrida aos bancos, o presidente Franklin D. Roosevelt declarou um feriado bancário de uma semana a partir de 6 de março de 13 de 1933. Como no filme, um Mank A checagem de fatos confirma que o chefe do estúdio, Louis B. Mayer, realmente prometeu pagar aos funcionários a outra metade de seu salário assim que os bancos reabrissem. Ao pesquisar a história verdadeira, descobrimos que ele realmente nunca cumpriu sua promessa (Leão de hollywood, p. 179).

          Quando a campanha para governador da Califórnia de Upton Sinclair aconteceu?

          O filme de David Fincher tenta unir duas histórias, a corrida para governador da Califórnia de 1934 entre Upton Sinclair e o titular Frank Merriam, que foi uma batalha entre trabalho e capital, e a história principal do filme, a escrita de Cidadão Kane pelo co-roteirista Herman J. Mankiewicz e pelo diretor (e co-roteirista) Orson Welles.

          Herman Mankiewicz era viciado em álcool e jogos de azar?

          sim. o Mank A história verdadeira confirma que ele era bem conhecido por seu comportamento prejudicial, que muitas vezes era o subproduto de seu alcoolismo e transtorno do jogo. Sua personalidade rude lhe custou empregos e amizades. Ele se viu desempregado no verão de 1939, não muito antes de Welles contratá-lo para trabalhar na Cidadão Kane. Os efeitos de seus vícios também afetaram seu casamento e deixaram sua esposa Sara lutando para manter as coisas sob controle. No filme, ele se refere à esposa como "Pobre Sara". O apelido parece vir do livro de Richard Meryman Mank: a inteligência, o mundo e a vida de Herman Mankiewicz em que o autor descreve alguém perguntando a Mankiewicz, "Como está Sara?" ao que ele responde, "Sara quem?" "Sua esposa, Sara." "Oh, você quer dizer Pobre Sara."

          Herman Mankiewicz realmente perdeu US $ 1.000 em uma aposta no cara ou coroa?

          sim. De acordo com a autobiografia de Ben Hecht, isso aconteceu na vida real. Ao escrever sobre o jogo de Mankiewicz, Hecht disse que Mankiewicz jogou uma moeda para o ar com Eddie Cantor, "pagando cara ou coroa por mil dólares". Na próxima frase, ele descreve Mankiewicz como perdendo "constantemente".

          Herman Mankiewicz foi influenciado pela candidatura de Upton Sinclair ao governo da Califórnia?

          Não. A tentativa do filme de ligar Herman Mankiewicz à derrota do democrata Upton Sinclair na corrida para governador da Califórnia em 1934 é quase inteiramente fictícia. Sinclair, que era um autor conhecido e socialista proeminente, fez uma campanha que desafiou os líderes empresariais do estado. Ele até escreveu um livro descrevendo seu plano, intitulado Eu, Governador da Califórnia, e como acabei com a pobreza: uma verdadeira história do futuro. No final das contas, Sinclair perdeu a corrida para o atual republicano Frank Merriam. O filme minimiza o fato de que Mankiewicz era um conservador declarado que se opunha firmemente ao fascismo. Não há evidências de que ele apoiou Upton Sinclair, nem faz muito sentido que ele o tivesse apoiado como candidato.

          É verdade que Mankiewicz também era anti-sindical e se recusou a entrar para o Screen Writers Guild. Ao falar sobre entrar para o sindicato no filme, ele diz a seu irmão Joseph (Tom Pelphrey): "Você não tem nada a perder a não ser seu cérebro." Este diálogo vem quase direto de um anúncio de página inteira que ele tirou em Variedade opondo-se à guilda (Ardósia) Portanto, novamente, faz pouco sentido que ele simpatizasse com os pontos de vista de Upton Sinclair ou ficasse zangado por anos com a derrota eleitoral de Sinclair. o Mank filme usa isso como uma explicação fabricada de por que seu Cidadão Kane o roteiro apresentava essas caracterizações negativas do magnata dos jornais William Randolph Hearst e sua amante / atriz Marion Davies.

          Herman J. Mankiewicz salvou uma aldeia inteira do fascismo?

          Não. O verdadeiro Herman Mankiewicz não salvou toda a aldeia de sua enfermeira Frieda como o filme indica, mas a verdadeira história por trás Mank revela que passou grande parte da década de 1930 ajudando refugiados a escapar do fascismo. Como Frieda (Monika Gossmann) faz referência no filme, isso incluía judeus alemães durante a ascensão de Hitler ao poder (os pais de Mankiewicz eram imigrantes judeus alemães que emigraram de Hamburgo para os Estados Unidos em 1892). Ele ajudou os refugiados a encontrar trabalho e não hesitou em doar para organizações de ajuda humanitária. Na biografia de Mankiewicz de Richard Meryman Mank: The Wit, World and Life of Herman Mankiewicz, afirma o autor, "Herman tornou-se o patrocinador oficial de centenas de refugiados alemães e assumiu a responsabilidade por estranhos que fugiam para a América".

          Em março de 1933, o verdadeiro Herman J. Mankiewicz tirou uma licença da MGM para escrever um roteiro intitulado O cachorro louco da Europa sobre a ascensão de Adolf Hitler ao poder na Alemanha. Mankiewicz, que era de fato profundamente político, queria despertar o público americano para os perigos dos nazistas e do fascismo. Ele não foi nada sutil quando se tratou da mensagem do roteiro, chegando a citar um de seus personagens principais como "Adolf Mitler". Infelizmente, o filme nunca foi feito.

          Herman Mankiewicz fez uma doação para a campanha do rival de Upton Sinclair, Frank Merriam?

          sim. Ao contrário do Mank filme, não há evidências de que ele não estava disposto a doar e teve que ser convencido por Irving Thalberg, como o filme sugere. Em vez disso, parece que ele fez uma doação voluntária em apoio à campanha do republicano Frank Merriam.

          Como no filme, jornais proeminentes e chefes de estúdio se uniram para apoiar Merriam. Eles viam Sinclair como alguém com tendências comunistas que deve ser derrotado. É verdade que Louis B. Mayer arrecadou fundos com seus funcionários. No entanto, na vida real, Mayer não pediu a seus funcionários que fizessem uma doação. O salário de um dia inteiro foi deduzido dos contracheques de cada funcionário da MGM. -LA Times

          Herman Mankiewicz influenciou indiretamente Irving Thalberg a produzir uma série de cinejornais encenados contra Upton Sinclair?

          Não. Este é talvez o maior desvio da realidade do filme. Enquanto Irving Thalberg produziu três cinejornais que foram criados para esmagar Upton Sinclair em sua campanha contra Frank Merriam para o governo da Califórnia, um comentário improvisado de Mankiewicz nunca deu a Thalberg a inspiração para fazer os cinejornais falsos. Mankiewicz nunca fez tal comentário, o que mais tarde ele lamenta no filme. O filme também o mostra que o magnata do jornal William Randolf Hearst ajudou a financiar os cinejornais. Mankiewicz se separa quando Upton Sinclair perde a eleição, e o filme dá a entender que ele está perturbado por isso há anos. Torna-se a força motriz por trás dele escrevendo Cidadão Kane e criando a caracterização negativa do filme de Hearst. Isso é ficção completa. -Ardósia

          A personagem do filme Shelly Metcalf (Jamie McShane), que dirige os cinejornais, é uma personagem inventada. Na vida real, os cinejornais encenados foram dirigidos por Felix Feist Jr. Como Metcalf, ele foi um diretor de tiro de teste. Ao contrário de Metcalf, não há indicação de que ele alguma vez se arrependeu de ter feito noticiários, nem se matou por causa deles. Na verdade, foi um trampolim para a direção de curtas-metragens, depois longas-metragens e finalmente para a televisão na década de 1950 antes de sua morte em 1965. Você pode ver dois dos cinejornais abaixo, que retratam várias entrevistas falsas feitas por um homem na rua. para lançar o candidato Upton Sinclair em uma luz negativa. -Ardósia

          Herman Mankiewicz fez uma aposta com Louis B. Mayer e Irving Thalberg sobre os resultados das eleições?

          Não. Nossa exploração em MankA precisão histórica de Mankiewicz revela que, embora Mankiewicz fosse de fato um jogador compulsivo, não há indicação em suas biografias de que ele tenha feito uma aposta sobre os resultados das eleições para governador da Califórnia em 1934.

          Herman Mankiewicz ia às festas no Castelo Hearst?

          sim. De um modo geral, isso é historicamente correto. Mankiewicz conhecia William Randolph Hearst socialmente e era um convidado ocasional no luxuoso castelo do magnata do jornal em San Simeon, que foi a inspiração para Xanadu em Cidadão Kane. Hearst gostou de Mankiewicz por suas brincadeiras espirituosas. É verdade que a bebida de Mankiewicz acabou tornando-o um convidado indesejado. Também é verdade que Mankiewicz e a amante de Hearst, Marion Davies, tornaram-se amigos. Eles se uniram por causa de seu amor pelo álcool. No entanto, de acordo com Sara, esposa de Mankiewicz, era mais porque ele sentia pena de Davies (Ardósia).

          A última cena no castelo, onde Mankiewicz compartilha, é uma das primeiras ideias para Cidadão Kane, é fictício. Gary Oldman's character tries to incorporate Hearst's malevolent involvement in the 1934 election into his pitch for the movie. Not only is there no record of Mankiewicz making the pitch, we know that the real Mankiewicz wasn't a supporter of Upton Sinclair, nor was he closely tied to the election.

          Did Herman Mankiewicz try to stop Irving Thalberg's staged newsreels from being released?

          No. In the movie, Mankiewicz (Gary Oldman) approaches Marion Davies during her transition from MGM to Warner Bros. in a desperate attempt to stop Thalberg's faked newsreels from being released. This never happened in real life. For one, Mankiewicz didn't care about the newsreels. Also, the movie rearranges the timeline to make this storyline possible. Marion Davies didn't completely part ways with MGM until January 1, 1935, despite signing her contract with Warner Bros. on October 31, 1934. In real life, the first newsreel was shown in theaters prior to all of that, on October 19, 1934. -Slate

          Did Herman Mankiewicz co-write Cidadão Kane while convalescing after a car accident?

          sim. o Mank true story confirms that Herman Mankiewicz really did write the script while he was healing after a September 1939 car accident. Mankiewicz had tried to hitch a ride to New York with screenwriter Tommy Phillips, who ran his car off the road after becoming distracted. The accident left Mankiewicz with a broken leg in three places and a lengthy and painful healing process, much of which took place at a ranch in Victorville, California after Orson Welles recruited him to collaborate on the Cidadão Kane roteiro. Joining the two men were Welle's former Mercury Theater ally John Houseman, a German nurse to look after Mankiewicz's leg, and a secretary named Rita Alexander.

          Who actually wrote the Cidadão Kane screenplay, Herman Mankiewicz, Orson Welles, or both?

          What we know for a fact is that Herman Mankiewicz signed a contract giving up any claim of being a writer on the movie. We also know that he later wanted credit, and after arguing with a then-25-year-old Orson Welles, the director eventually gave in and attributed to him a screen credit.

          As to who actually wrote the movie, that's been a subject of debate for decades. Pauline Kael's 1971 Nova iorquino article "Raising Kane" claimed that Orson Welles didn't write a single line of the shooting script. For the article, she interviewed John Houseman and the secretary, Rita Alexander. However, Peter Bogdanovich interviewed Orson Welles for the 1972 Esquire article "The Kane Mutiny." The article was a rebuttal to Kael's Nova iorquino peça. In it, Welles claimed there were two first drafts, one written by him and one written by Mankiewicz. He said that he merged them together to get the final product, keeping what he liked from his own and including what he liked from Mankiewicz's.

          The version of the story that's most widely accepted today is the one presented in Robert L. Carringer's 1978 article "The Scripts of Cidadão Kane" in which he analyzed surviving drafts of the screenplay. What he concluded was that Herman Mankiewicz was the main author of the drafts produced at the Victorville ranch, but Welle's revisions and additions were pivotal in producing the finished screenplay. Welles even created key scenes from scratch. Essentially, Mankiewicz provided a solid foundation for a story and Welles transformed it into an authentic blueprint for a masterpiece. Carringer found more evidence of Welle's involvement when he discovered a telegram that Houseman sent to Mankiewicz in June 1940. The telegram clearly indicates that Welles played a major role in the development of the finished script (Slate) It also reveals that Houseman was writing parts as well, but it's unclear if any of his work was used.

          Did Orson Welles offer Herman Mankiewicz $10,000 to remove his name from the authorship of the screenplay?

          Did Marion Davies visit Herman Mankiewicz to try and convince him to stop Cidadão Kane's release?

          Não é provável. There's no mention of this in her memoir The Times We Had: Life With William Randolph Hearst. In fact, she states that she never even watched Cidadão Kane when it was released. At best, this seems to be an exaggeration of the fact that the script found its way to Hearst and his lawyers via Marion Davies' nephew Charles Lederer.

          How did Herman Mankiewicz die?

          As stated in the Mank movie, he died 11 years after winning an Oscar for writing Cidadão Kane. His exact cause of death was uremic poisoning due to kidney failure from alcoholism.

          When did director David Fincher's father write the screenplay for Mank?

          o Mank real story reveals that Howard "Jack" Fincher, a former journalist and LIFE Magazine San Francisco bureau chief, wrote the screenplay for Mank na década de 1990. His son David had tried to get the project off the ground even prior to his death in 2003. Yet, the film never got past the early pre-production planning level until 2019.

          Overall, how accurate is Mank?

          We've awarded Mank a reality score of 5.5/10. While the movie gets many of the broader details correct, the film's attempt to tie the 1934 California gubernatorial campaign of Upton Sinclair to Herman Mankiewicz appears to be entirely fictional. In the movie, Mankiewicz harbors deep wounds over Upton Sinclair's election loss. The film uses William Randolph Hearst's funding of staged newsreels that discredited Sinclair as motivation for Mankiewicz's unsavory characterization of Hearst in his Cidadão Kane screenplay. Yet, there's no historical evidence to suggest this was the reason Mankiewicz and co-screenwriter Orson Welles turned Kane into a negative characterization of Hearst.

          The movie's depiction of who wrote Cidadão Kane also deviates from what has been commonly accepted as the truth. Fincher's film takes an anti-Welles approach, giving practically all of the screenplay credit to Mankiewicz, while ignoring and leaving out details that point to Welles' significant contribution.

          "You cannot capture a man's entire life in two hours. All you can hope is to leave the impression of one," Mankiewicz (Gary Oldman) says of his Hearst-like character Charles Foster Kane. Fincher's Mank does a better job at doing the latter, leaving a well-crafted impression of Mankiewicz, but in order to do so, it injects a noticeable amount of fiction into the historical record.

          Deepend your understanding of the true story behind Mank by watching the original 1934 staged newsreels attacking California gubernatorial candidate Upton Sinclair. Then check out the Cidadão Kane e Mank movie trailers.


          Sinclair History, Family Crest & Coats of Arms

          The Sinclair surname was a Norman habitation name, derived from when families lived at St. Clai-sur-Elle in La Manche and in St-Clair-L'Evêque in Calvados, Normandy where the site of the seignorial castle is still discernible. [1]

          Conjunto de 4 canecas de café e chaveiros

          $69.95 $48.95

          Early Origins of the Sinclair family

          The surname Sinclair was first found in the barony of Roslyn, Midlothian where King Alexander I of Scotland granted a parcel of land to William de Sancto Claro in 1162. They were originally from St Clare, Pont d'Eveque, Normandy, and are descended from Walderness Compte de Saint Clare who arrived in England with William the Conqueror.

          "Wace mentions the Sire de St. Clair at Hastings. This was Richard de St. Clair who held lands, Suffolk, 1086, [2] " [3] The Domesday Book also notes that Britel de St. Clair, brother of the aforementioned Richard de St. Clair held lands in Somerset. Britel's son William de St. Clair held lands in Dorset in 1130.

          Despite these early records in England, the name is more often than not associated with Scotland. For it is there that the name excelled both in numbers and power. "The first Sinclairs in Scotland appear to have been vassals of the great territorial magnates, de Morville. Their first possession in Scotland was the barony of Roslin, near Edinburgh, which they held in the reign of David I (1124-1153). The earliest bearers of the name appear in charters connected with the abbeys of Dryburgh and Newbattle, the Hospital of Soltre (now Soutra in Midlothian), the church of Glasgow, etc." [4]

          Sir Henry Sinclair fought with King Robert the Bruce at Bannockburn, and helped assure the independence of the Scottish Kingdom. Sir Henry's son married Isabel, the heiress of the earldom of Orkney, and their son became the senior Earl of Norway. The Clan achieved great status having married into both Norwegian and Scottish royalty.

          Back in England, the name prospered as well as The Hundredorum Rolls of 1273 confirms: John de Sanet Claro in Suffolk Robert de Sancto Claro in Somerset and William de Sancto Claro in Kent. [5]

          Over in Somerset, from the first listing above, Richard Seinteclere and William Seyncler were both listed in Kirby's Quest. [6]


          Sympathy Flowers

          Tommy was born on February 12, 1952 and passed away on Monday, October 22, 2018.

          Tommy was a resident of Charlestown, Indiana at the time of passing.

          Send Condolences
          SEARCH OTHER SOURCES

          The beautiful and interactive Eternal Tribute tells Tommy's life story the way it deserves to be told in palavras, pictures e video.

          Create an online memorial to tell that story for generations to come, creating a permanent place for family and friends to honor the memory of your loved one.

          Select An Online Memorial Product:

          Share that special photograph of your loved one with everyone. Document family connections, service information, special times and priceless moments for all to remember and cherish forever with support for unlimited copy.


          Tommy Prince

          Thomas George Prince, war hero, Indigenous advocate (born 25 October 1915 in Petersfield, MB died 25 November 1977 in Winnipeg, MB). Tommy Prince is one of Canada's most-decorated Indigenous war veterans, having been awarded a total of 11 medals in the Second World War and the Korean War. Although homeless when he died, he was honoured at his funeral by his First Nation, the province of Manitoba, Canada and the governments of France, Italy and the United States. (Veja também Indigenous Peoples and the World Wars.)

          Tommy Prince is one of Canada's most-decorated Indigenous war veterans. Sergeant Tommy Prince (R), M.M., 1st Canadian Parachute Battalion, with his brother, Private Morris Prince, at an investiture at Buckingham Palace. (February 12th, 1945.)


          Vida pregressa

          Tommy Prince was born in a canvas tent in Petersfield, Manitoba, in October 1915, one of 11 children born to Harry and Elizabeth Prince of the Brokenhead band of Ojibwe. He was a descendent of Peguis, the Salteaux chief. When he was five, his family moved to the Brokenhead reserve (now known as Brokenhead Ojibway Nation) in Scanterbury. Prince was a survivor of the residential school system.

          Prince learned to be a superb marksman and an excellent tracker on the reserve. His father, a hunter and a trapper, taught him. Prince applied to join the Canadian military several times, but was rejected. Indigenous people faced widespread discrimination and that likely played a role in his rejection. He was finally accepted in the early years of the Second World War. (Veja também Indigenous Peoples and the World Wars.)

          Devil's Brigade

          Prince enlisted in the Canadian Army on 3 June 1940 and was assigned to the 1st Field Park Company of the Royal Canadian Engineers. By 1942 Prince was a sergeant with the Canadian Parachute Battalion. Posted to the 1st Canadian Special Service Battalion, he was among a select group of Canadian soldiers sent to train with an American unit to form a specialized assault team. They became the 1st Special Service Force (1st SSF), known to the enemy as the "Devil's Brigade." The name was adopted by Hollywood as the title of a 1968 portrayal of the elite unit. Prince was portrayed as "Chief."

          Prince distinguished himself with the 1st SSF in Italy and France, using the skills he'd learned growing up on the reserve. He displayed his covert abilities in a celebrated action near the front line in Anzio, Italy. In February 1944, he volunteered to run a communication line 1,400 metres out to an abandoned farmhouse that sat just 200 metres from a German artillery position. He set up an observation post in the farmhouse and for three days reported on German movements via a communication wire.

          When the wire was severed during shelling, he disguised himself as a peasant farmer and pretended to work the land around the farmhouse. He stooped to tie his shoes and fixed the wire while German soldiers watched, oblivious to his true identity. At one point, he shook his fist at the Germans, and then at the Allies, pretending to be disgusted with both. His actions resulted in the destruction of four German tanks that had been firing on Allied troops.

          In France in the summer of 1944, Prince endured a gruelling trek across rugged terrain to locate an enemy camp. He travelled without food or water for 72 hours. He returned to the Allied position and led his brigade to the German encampment, resulting in the capture of more than 1,000 German soldiers.

          Honoured by King George VI

          When the fighting ended in France, Prince was summoned to Buckingham Palace, where King George VI decorated him with the Military Medal (MM) and, on behalf of the American president, the Silver Star with ribbon. He would also receive the 1939-1945 Star, the Italy Star, the France and Germany Star, the Defence Medal, the Canadian Volunteer Service Medal with Clasp and the War Medal.

          Prince was one of 59 Canadians who were awarded the Silver Star during the Second World War, only three of whom also possessed the Military Medal. Tommy Prince was honourably discharged on 15 June 1945 and returned to Canada.

          Back in Canada

          At home, Prince faced racism from the Canadian government. As an Indigenous man, he was not allowed to vote in federal elections — in spite of his wartime service — and was refused the same benefits as other Canadian veterans. (Veja também Indigenous Suffrage.)

          He started a business, which briefly prospered. He left it in the hands of friends so he could serve as a spokesman for the Manitoba Indian Association, where he lobbied the federal government to change the Indian Act. (Veja também Indigenous Political Organization and Activism in Canada.) Following his campaigning, he came home to discover that the business he'd entrusted to friends had failed in his absence.

          Facing unemployment and discrimination, he re-enlisted in the military and served with the Princess Patricia's Canadian Light Infantry (PPCLI).

          Service in Korea

          Prince resumed his former rank and began training new recruits for the Korean War. He was then part of the first Canadian unit to land in Korea, where he served with a PPCLI rifle platoon. In Korea, Prince led many “snatch patrols,” where a small group of soldiers would travel into enemy territory and launch sneak attacks before retreating. One overnight raid led to the capture of two enemy machine guns.

          Suffering from bad knees, Prince returned to Canada for treatment in 1951. But he went back to Korea for a second tour in 1952. He was injured again and spent weeks in hospital, where he was still recovering when the Korea Armistice came into force in 1953, ending the fighting.

          During two tours of duty in Korea he won the Korean, Canadian Volunteer Service and United Nations Service medals.

          He returned to Canada and remained in the army, serving at Winnipeg’s personnel depot, until September 1954, when he was honourably discharged.

          Tempos difíceis

          Prince had a strong sense of civic duty and a fierce pride in his people. He dedicated himself to attaining increased educational and economic opportunities for Indigenous peoples. “All my life I had wanted to do something to help my people recover their good name. I wanted to show they were as good as any white man,” he said.

          He was married and had five children. In 1955, he saw a man drowning at the Alexander Docks in Winnipeg and leapt in to save him.

          Prince fell on hard times and spent his last years living in a Salvation Army shelter. (Veja também Social Conditions of Indigenous Peoples in Canada.) He died at the Deer Lodge Hospital in Winnipeg on 25 November, 1977. He was 62. Prince was buried in Brookside Cemetery, a military gravesite in Winnipeg. A delegation of the Princess Patricia’s served as his pallbearers. Men from his First Nation chanted the “Death of a Warrior” song as he was lowered into the grave. More than 500 people attended his funeral, including Manitoba’s lieutenant governor and the consuls from France, Italy and the US.

          Legacy and Significance

          While Tommy Prince’s tombstone mentions only two of the 11 medals he earned, he is one of the most decorated Indigenous war veterans in Canada. Aside from his significant military contributions to this country, Prince is also remembered as an Indigenous advocate who fought for equality and Indigenous rights. Prince’s nephew, Jim Bear, told CBC News in 2020 that he remembers his uncle as “a visionary” who was in favour of abolishing the Indian Act, something Bear points out “we're still trying to change.”


          Assista o vídeo: Tommy Sinclair The Wee County Boxer. Scotlands History