Geografia dos Camarões - História

Geografia dos Camarões - História

Camarões

Camarões está localizado na África Ocidental, na fronteira com a Baía de Biafra, entre a Guiné Equatorial e a Nigéria. Seu terreno é diversificado, com planície costeira no sudoeste, planalto dissecado no centro, montanhas no oeste, planícies no norte.

Clima: O clima dos Camarões varia com o terreno, de tropical ao longo da costa a semiárido e quente no norte


  • Região: África
  • População: 25 milhões (2018)
  • Área: 476.350 quilômetros quadrados
  • Capital: Yaoundé
  • Entrou para a Commonwealth: 1960, após a independência da Grã-Bretanha
  • Índice de Jovens da Comunidade: 45 de 49 países

Apoio eleitoral

O Commonwealth enviou uma equipe para observar a eleição presidencial de Camarões em outubro de 2018. No mesmo mês, os Camarões participaram do treinamento da Iniciativa de Profissionais Eleitorais da Commonwealth (CEP). Os participantes aprenderam sobre planejamento e financiamento de eleições, novas tecnologias eleitorais, novas mídias e igualdade de gênero.

Combater o extremismo violento

O Secretariado está apoiando Camarões para combater as visões extremistas com ajuda antecipada para jovens em risco. A abordagem também enfoca o papel das mulheres e ajuda os ex-infratores a se integrarem novamente às comunidades.

O Secretariado financiou uma campanha de ‘Não Discurso de Ódio’ nas escolas dos Camarões. Também deu dinheiro para treinar jovens na construção da paz nas comunidades locais.

Educação

Em novembro de 2018, Camarões sediou o treinamento ‘Faith in the Commonwealth’. 25 jovens líderes aprenderam a usar o pensamento crítico, a tolerância, o respeito e a compreensão para reunir pessoas de diferentes religiões e culturas.

Troca

O Secretariado apoiou o desenvolvimento da estratégia nacional de comércio eletrônico dos Camarões.

Blue Charter

Camarões é membro da Commonwealth Clean Ocean Alliance - o Grupo de Ação da Carta Azul para combater a poluição marinha por plástico.


Camarões - Geografia

Um país com uma área de aproximadamente 183.500 milhas quadradas, Camarões é frequentemente referido como a dobradiça entre a África Ocidental e Central, uma vez que incorpora muitas das características físicas e humanas de ambas. Tem uma forma aproximadamente triangular, possuindo uma ampla bacia no sul, onde faz fronteira com a Guiné Equatorial, Gabão e a República Popular do Congo (antigo Congo , Congo Brazzaville). Os Camarões formam uma cunha irregular que se estende para nordeste desde uma costa no Golfo da Guiné, um braço do Oceano Atlântico, até o Lago Chade, 700 milhas para o interior. Seu ápice se estende até o Lago Chade, cerca de 700 milhas ao norte. Sua fronteira ocidental é flanqueada pelo Golfo da Guiné e pela Nigéria. Vizinhos do leste são o Chade e a República Centro-Africana.

Os Camarões estão divididos em quatro regiões topográficas distintas. Atrás dos pântanos e das planícies geralmente conhecidas como zona costeira do sudoeste, a terra sobe para montanhas e planaltos que se estendem por mais de 500 milhas para o interior antes de descer para uma planície plana de elevação moderada no extremo norte. No sudoeste, uma planície costeira baixa dá lugar ao interior para planaltos cobertos por florestas equatoriais. No centro do país, um extenso planalto coberto de savana atinge alturas de 4.500 pés acima do nível do mar. O oeste é uma área de florestas montanhosas e o local do Monte Camarões, um vulcão ativo, cuja altura de 13.350 pés o marca como o pico mais elevado da África Ocidental Subsaariana. A parte norte do país consiste em uma savana subárida ondulante, gradativamente inclinada para uma planície de inundação pantanosa ao longo do Lago Chade e dos rios Chari e Logone.

A vegetação natural na maior parte do sul e na zona costeira do sudoeste é uma floresta tropical densa e alta, perenifólia. Nos planaltos sul e sudoeste, a cerca de 160 quilômetros da fronteira sul e equidistante da costa sudoeste, a cobertura natural é uma mistura de florestas perenes e decíduas. Mais profundamente no interior, a cerca de 5 N de latitude, a cobertura natural é savana arborizada - uma mistura de pastagens, árvores dispersas e manchas de floresta, sombreando em pastagens abertas com menos árvores em áreas ainda mais ao norte. Grande parte da planície do norte produz apenas arbustos e gramíneas esparsas, mas existem áreas contrastantes de vegetação pantanosa nas planícies aluviais dos rios Chari e Logone, que marcam segmentos da fronteira nordeste.

O país tem uma costa de 160 milhas no Golfo da Guiné e aproximadamente 2.765 milhas de fronteira com seis países: a Nigéria a oeste do Chade e a República Centro-Africana (CAR) a nordeste e a leste e a República Popular do Congo ( Congo (anteriormente, Congo Brazzaville), Gabão e Guiné Equatorial ao sul. Muitas das fronteiras em 1973 foram originalmente demarcadas durante um século de competição por território entre as potências coloniais da Alemanha, França e Grã-Bretanha.

A fronteira Camarões-Nigéria estende-se geralmente para nordeste da costa por 1.050 milhas até um triponto no Lago Chade, no centro-norte da África. Vários segmentos foram originalmente estabelecidos por meio de acordos entre antigas potências coloniais ou por decisões unilaterais do governo britânico, que controlava áreas em ambos os lados da fronteira até depois da Segunda Guerra Mundial.

Perto da costa, algumas seções são marcadas por terrenos acidentados e florestas densas, mas também há várias áreas onde os viajantes a pé podem cruzar facilmente. Mais para o interior, o movimento geralmente não é difícil nas savanas e nas florestas abertas que marcam os trechos centrais da fronteira, embora alguns segmentos sejam marcados por montanhas de elevação moderada.

Quatro regiões vagamente definidas fornecem uma estrutura descritiva útil: as planícies do norte, os planaltos central e sul, os planaltos e montanhas ocidentais e as planícies ao longo da costa.

Planícies do norte

A área mais ao norte do país se estende até o Lago Chade, onde as fronteiras da Nigéria, Chade e Camarões se cruzam. O estreito pescoço do território ao sul do lago faz parte de uma bacia interior rasa, com várias centenas de quilômetros de largura, que se estende em todas as direções a partir do lago Chade. Grandes áreas de colinas baixas e onduladas apresentam pouca vegetação em seus solos finos, outras áreas são planas, marcadas aqui e ali por afloramentos dispersos ou colinas de rocha resistente que se elevam acima do nível geral de erosão. A oeste de Maroua, os montes rochosos espalhados e as cristas menores são mais numerosas, elevando-se para o oeste em colinas e cristas alongadas. Planaltos Central e Meridional

O planalto de Adamaoua, situado entre 7 N e 9 N de latitude, se estende da fronteira leste a oeste dos Camarões em elevações que estão em todos os lugares mais de 3.000 pés acima do nível do mar e em média cerca de 4.500 pés. As características da superfície nas partes centrais deste planalto incluem pequenas colinas ou montes cobertos por granito ou gnaisse resistente à erosão. Ao longo da fronteira oeste e, em menor grau, da fronteira leste, antigas erupções de fissuras e vulcões cobriram com lava milhares de quilômetros quadrados do granito subjacente.

Ao sul do planalto de Adamaoua começa uma série de planaltos mais baixos que se estendem pela maior parte das províncias do centro-sul e do leste em elevações médias de cerca de 3.000 pés, mas descendo gradualmente para o sul até a fronteira e para o oeste em direção a uma série de terraços que conduzem para baixo até a planície costeira. As superfícies desses extensos planaltos do sul são principalmente misturas de granito antigo e rocha sedimentar. Os solos são rasos na maioria das áreas e, na maior parte, foram formados a partir do granito subjacente.

Western Highlands

As montanhas de Camarões, a cordilheira mais alta do país, estendem-se para sudeste da área da fronteira Camarões-Nigéria a cerca de 7 N de latitude até o Monte Camarões na costa. A grande cordilheira e as áreas de planalto nas encostas leste e oeste foram formadas por atividade vulcânica associada a uma série de falhas nas subestruturas graníticas subjacentes ao continente africano.

Todos os vulcões antigos neste complexo haviam diminuído antes do início da história registrada, exceto o Monte Camarões, que esteve ativo em quatro ocasiões durante este século: 1909,1922,1954 e 1959. Em 1922 e 1959, lava derretida fluiu vários quilômetros , destruindo plantações nas encostas mais baixas. A montanha é um complexo de várias fissuras e cones conectados, um dos quais chega a 13.350 pés acima do nível do mar, mais da metade da altura de qualquer outro pico do país. Em outras partes das montanhas de Camarões, as elevações variam entre 5.500 e 8.000 pés.

Outras faixas de elevação inferior situam-se no norte, perto da fronteira oeste da Província do Norte. As mais importantes delas são as montanhas Alantika, que marcam a fronteira por uma curta distância a cerca de 8 30'N de latitude, e as montanhas Mandara, que se estendem para o norte da cidade de Garoua e do rio Benoue até cerca de 11 N de latitude .

Zona Costeira

A maior parte da zona costeira é uma área plana de solos sedimentares que se estendem pelo Golfo da Guiné por cerca de 160 milhas. Tem menos de trinta quilômetros de largura na maior parte da área a noroeste do Monte Camarões, que divide a planície costeira do noroeste das planícies mais amplas da área costeira central. Em torno de Douala, as terras baixas estendem-se para o interior por até cinquenta milhas, estreitando-se para apenas cinco milhas mais ao sul. Ao longo de suas bordas voltadas para o mar, o segmento central da zona costeira é uma série de muitos deltas adjacentes.

Numerosos rios, alimentados por fortes chuvas durante a maior parte do ano na zona costeira e nos planaltos e montanhas adjacentes, continuam a expandir os deltas com detritos erosivos. Perto de sua foz, os principais rios, parcialmente obstruídos por esses detritos, se dividem em numerosos canais lentos. Os vários estuários são complexos emaranhados desses canais e também são alimentados por pequenos riachos locais.

Perto da costa, os deltas mais antigos e pântanos planos são cobertos por árvores de mangue e outra vegetação de pântano. A partir dessas planícies costeiras, as planícies sobem gradualmente até cerca de 300 pés acima do nível do mar. Aproximadamente neste nível, um aumento relativamente abrupto na inclinação marca o primeiro de vários degraus, ou bancos, levando para cima para os planaltos interiores.

Padrões de Drenagem

A maior parte do escoamento superficial de Camarões eventualmente flui para o oeste em direção ao Oceano Atlântico - grande parte dele por rotas tortuosas e por meio de sistemas fluviais externos, como o Níger e o Congo. Três cadeias primárias de bacias hidrográficas dividem o país: o planalto de Adamaoua, localizado no centro, uma linha de crista norte-sul mal definida na Província Oriental e as montanhas de Camarões.

Os rios na Província do Norte, onde ocorrem as estações chuvosa e seca anuais, exibem grandes flutuações sazonais de volume. Praticamente todos os rios nas outras seis províncias carregam um fluxo pesado na maior parte do ano, a maioria das áreas ao sul de latitude 5 N têm dois máximos de chuva e escoamento por ano, mas as variações no fluxo estão dentro de limites muito mais estreitos do que aqueles observados em córregos do norte.

O extremo norte é uma área complexa e relativamente plana de bacias interiores que não têm saída para o mar. Os sistemas dos rios Logone e Chari ao longo da fronteira nordeste inundam anualmente uma ampla área antes de desaguar no Lago Chade, a maior bacia do interior nesta parte do continente. A maioria dessas águas não são coletadas localmente, mas foram trazidas de áreas de alta pluviosidade mais ao sul, no leste dos Camarões, no CAR e no Chade. A maioria dos outros rios no norte flui apenas durante a metade chuvosa do ano e desaparece nas areias e pântanos de outras bacias rasas do interior.

Parte do escoamento que se origina no planalto de Adamaoua flui para o norte, nos afluentes superiores do rio Benoue, que atravessa a fronteira oeste e se junta ao Níger, o principal rio da Nigéria. Por meio de vários afluentes, o Níger também recebe um fluxo pesado das montanhas de Camarões e das terras altas associadas nas províncias do noroeste e sudoeste.

Vários riachos originários da parte sul do planalto de Adamaoua alimentam o Sanaga, o maior rio da parte sudoeste do país. Este rio também coleta um grande fluxo de áreas de chuvas pesadas nas encostas orientais das montanhas de Camarões e canaliza esse escoamento pesado para o Oceano Atlântico ao sul de Douala. Três outros rios importantes - o Wouri, Dibamba e Nyong - também alimentam o complexo emaranhado de deltas na costa central do Atlântico. Mais ao sul, perto das fronteiras com a Guiné Equatorial e o Gabão, a bacia hidrográfica do Rio Campo se estende para o interior por cerca de 200 milhas.

Os rios Sanaga e Nyong coletam o escoamento de partes da Província Oriental, mas a maior parte desta área de floresta úmida é drenada por vários afluentes do Rio Sangha, que por uma curta distância marca a fronteira com o Congo e então flui para o sul para o Rio Congo.


Camarões é um país da África Central e às vezes é confundido com um país da África Ocidental devido à sua posição no mapa.

Culturalmente diverso e abençoado com conexões poderosas, existem tantos fatos divertidos sobre esta nação - alguns que optamos por compartilhar aqui.

Gostaríamos que você se juntasse à diversão revelando as muitas surpresas que Camarões tem a oferecer - por favor, deixe um comentário abaixo

12. Camarões tem muitas fontes termais

Fontes termais podem ser encontradas em todos os Camarões. Isso pode ser atribuído a atividades vulcânicas atuais ou anteriores, particularmente ao redor da fronteira ocidental do país.

É aqui que se situa o Monte Camarões, a maior montanha da África Subsaariana, e onde ocorreram erupções de cúpula no passado.

As fontes termais estão localizadas na área de Ngaoundéré, Monte Camarões e Manengoumba, Lago Moundou. As Termas são fontes potenciais de energia que podem ser aproveitadas para gás e produzem até 21% do que o país necessita.

11. O rio Sanaga é o mais longo dos Camarões e não é navegável

O Rio Sanaga é o maior rio dos Camarões. Tem 918 km de comprimento cobrindo o sul, oeste e centro da província do país. Tem sua origem na base do planalto de Adamawa e deságua no Oceano Atlântico.

No entanto, não é navegável devido às quedas e corredeiras que caracterizam o rio ao redor de Edea e ao norte de Yaounde. Ele pode ser usado para fins hidrelétricos.

Os afluentes do Sanaga são os rios Vina, Lom, Meng, Mbam e Noun. Outros rios importantes são o Benue e o Nyong.

10. Camarões era uma colônia alemã conhecida como Kamerun

Antes da Primeira Guerra Mundial, a grande maioria dos Camarões era uma colônia africana do Império Alemão entre os anos de 1884 a 1916.

Naquela época era conhecido como Kamerun - este foi o nome alemão que lhe foi dado. Os alemães foram derrotados mais tarde e Camarões foi entregue à Grã-Bretanha e à França para governar.

9. Os pobres camaroneses dependem da agricultura de subsistência para viver

A agricultura de subsistência desempenha um papel vital na vida dos camaroneses pobres. Trabalhando em seu lote de terra para fornecer comida para sua família com pouco ou nada para vender, o pobre cameroniano encontra uma maneira de sobreviver à pobreza.

Existem muitos fatores econômicos, políticos, sociais e financeiros que impedem a expansão de suas fazendas. No entanto, os agricultores de subsistência se beneficiam das características positivas das relações locais, ecológicas e sociais.

8. Paul Biya é o presidente desde 1982

Paul Biya é o presidente dos Camarões desde 6 de novembro de 1982. Ele substituiu Ahmadou Ahidjou, que governava o país desde 1960. Biya resistiu às tempestades da presidência e continua forte após 35 anos.

Durante esse tempo, ele sobreviveu a um plano de golpe em 1984, lidou com políticas multipartidárias, rebeldes terroristas e uma série de diferentes crises econômicas e greves civis.

7. Primeiro país africano a chegar às quartas de final da Copa do Mundo da FIFA

Em 1990, Camarões se tornou o primeiro país africano a chegar às quartas de final da Copa do Mundo da FIFA. O Indomitable Lions fez história quando o astro do futebol Roger Milla, aos 38 anos, levou seu time à vitória ao marcar dois gols na prorrogação contra a Colômbia. Os Leões Indomáveis ​​dos Camarões ainda são um dos maiores times de futebol da África.

6. É conhecido por bananas, algodão, sementes oleaginosas, cacau e café

Camarões é conhecido por suas safras comerciais de café, algodão, banana, sementes oleaginosas e cacau. Camarões é um dos maiores produtores mundiais de café. 130.000 toneladas das variedades Robusta e Arábica foram produzidas em 2004.

As bananas cultivadas no sudoeste e parte do algodão do país são vendidos internacionalmente. O restante do algodão é utilizado na produção têxtil.

5. Algumas das terras mais férteis do mundo estão nos Camarões

Camarões é abençoado com algumas das terras mais férteis do mundo. Antes da descoberta do petróleo, a agricultura era a principal fonte de renda e divisas.

Ele ainda desempenha um papel importante na economia, com a indústria empregando setenta por cento da força de trabalho do país, fornecendo 42 por cento do Produto Interno Bruto e gerando 30 por cento da receita de exportação. Algumas das safras produzidas cobrem tanto safras comerciais quanto safras alimentares.

4. O Parque Nacional de Waza é um destino muito popular

O Parque Nacional Waza em Camarões é um dos lugares mais visitados do país. Localizado na região norte dos Camarões, inicialmente começou como uma reserva de caça em 1934 antes de se tornar um parque nacional em 1968.

Possui 30 espécies de mamíferos, incluindo o hartebeest, a chita do Sudão, o waterbuck, os leões e os elefantes africanos. É também o lar da rara girafa do Cordofão.

As aves encontradas no principal local turístico do país de 379 espécies incluem avestruz, grande pelicano branco, águia-pintada, pato de mármore, pipa de cauda em tesoura, pássaros aquáticos e muitos mais.

3. Cerca de 230 línguas faladas além do francês e inglês

Outros 230 idiomas são falados na região de Camarões além de suas línguas oficiais - francês e inglês. Os idiomas podem ser classificados em sete grupos, o maior é o Níger-Congo, onde 169 idiomas são falados.

Benue-Congo com 142 línguas, e a variação da língua bantu leva 130 disso. Existem 55 línguas afro-asiáticas, quatro línguas ubangianas, 28 línguas adamawa, duas línguas nilo-saarianas e uma língua senegambiana.

2. Um dos lugares / países mais úmidos da Terra

Camarões recebe chuvas abundantes todos os anos, o que o torna um dos lugares mais úmidos da Terra. Debundscha em Camarões é na verdade o sexto lugar mais úmido da Terra, com precipitação de 10.229 mm.

Tem uma longa estação chuvosa e uma curta estação seca devido à sua proximidade com o equador e o Monte Camarões logo atrás. A montanha impede que as nuvens de chuva sigam para outro lugar, portanto, chove muito.

1. Rico em diversidade geográfica e cultural

Devido à diversidade geográfica e cultural dos Camarões, é muitas vezes referida como “África em miniatura” e como “a dobradiça da África”. Ele também tem todos os climas e sistemas ecológicos representados no país.

Diversificado em língua e cultura também, muitas reivindicações têm a ver com sua relação especial com a Europa, mas, independentemente, é uma nação rica e única.


39 Fatos interessantes sobre Camarões

1. Camarões é um país centro-africano. Outros países da África Central são Angola, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo, República do Congo, Guiné Equatorial, Gabão, São Tomé e Príncipe.

2. Em 1 de janeiro de 1960, Camarões tornou-se um independente república.

3. Camarões atingiu Filiação à ONU em 20 de setembro de 1960.

4. Existem mais de 1700 diferentes grupos lingüísticos no país. E 230 outras línguas são faladas na região além de seu línguas oficiais - francês e inglês.

5. O país recebe muitas chuvas todos os anos, o que o torna um dos lugares mais úmidos na terra.

6. Devido à diversidade geográfica e cultural do país, é frequentemente referido como “África em miniatura” e como “dobradiça da África”.

7. Fontes termais podem ser encontrados em todo o país.

8. De acordo com o Livro de Fatos da CIA, o HIV / AIDS causou cerca de 34.200 mortes em Camarões em 2014.

9. Em 2014, o desemprego a taxa nos Camarões foi estimada em 4%.

10. Exportações de petróleo contribuem com 40% do total receitas de exportação do país.

11. Monte Camarões é o ponto mais alto no país a 13.500 pés.

12. O país também tem muitos reservas de gás natural.

13. Você pode se surpreender ao saber que também é (Monte Camarões) o único vulcão ativo no país. A última erupção foi em 2012.

14. E há cerca de 500.000 pessoas vivendo perto do vulcão em três cidades principais de Limbe, Buea e Muyuka.

15. Rio Sanaga é o Rio mais longo nos Camarões. No entanto, não é navegável. Outros rios importantes são o Benue e o Nyong.

16. Existem duas usinas hidrelétricas nas margens do rio Sanaga.

17. Antes da Primeira Guerra Mundial, a grande maioria do país era uma colônia alemã. Naquela época era conhecido como Kamerun.

18. A área era nomeado & # 8220Rio dos Camarões & # 8221 pelos exploradores portugueses após a sua chegada ao litoral no século XV.

19. O país foi oficialmente denominado República Unida dos Camarões em 1972 e República dos Camarões em 1984.

20. Você sabia que toda variedade de flora e fauna que está disponível na África tropical pode ser encontrado nos Camarões também? É o lar de pelo menos 409 espécies de mamíferos e 165 espécies de pássaros.


Governo, História, População e Geografia dos Camarões

Acordos internacionais de meio ambiente e # 151:
festa para: Biodiversidade, Mudança Climática, Desertificação, Espécies Ameaçadas, Direito do Mar, Proteção da Camada de Ozônio, Madeira Tropical 83, Madeira Tropical 94
assinado, mas não ratificado: Proibição de testes nucleares

Geografia & nota # 151: às vezes referida como a dobradiça da África

População: 15.029.433 (estimativa de julho de 1998)

Estrutura etária:
0-14 anos: 46% (homens 3.468.861 mulheres 3.436.814)
15-64 anos: 51% (homens 3.795.748 mulheres 3.829.824)
65 anos e mais: 3% (homens 224.881 mulheres 273.305) (julho de 1998 est.)

Taxa de crescimento populacional: 2,81% (est. 1998)

Taxa de natalidade: 42,06 nascimentos / 1.000 habitantes (est. 1998)

Índice de mortalidade: 13,96 mortes / 1.000 habitantes (est. 1998)

Taxa de migração líquida: 0 migrante (s) / 1.000 habitantes (est. 1998)

Proporção de sexo:
no nascimento: 1,03 homem (s) / mulher
menos de 15 anos: 1 homem (s) / mulher
15-64 anos: 0,99 masculino (s) / feminino
65 anos e mais: 0,82 homem (s) / mulher (est. 1998)

Taxa de mortalidade infantil: 76,88 mortes / 1.000 nascidos vivos (estimativa de 1998)

Expectativa de vida no nascimento:
população total: 51,44 anos
macho: 49,9 anos
fêmea: 53,03 anos (est. 1998)

Taxa de fertilidade total: 5,86 filhos nascidos / mulher (est. 1998)

Nacionalidade:
substantivo: Camaroneses
adjetivo: Camaronês

Grupos étnicos: Camarões Highlanders 31%, Equatorial Bantu 19%, Kirdi 11%, Fulani 10%, Northwestern Bantu 8%, Eastern Nigritic 7%, outros africanos 13%, não africanos menos de 1%

Religiões: crenças indígenas 51%, cristãs 33%, muçulmanas 16%

Línguas: 24 grandes grupos de línguas africanas, inglês (oficial), francês (oficial)

Alfabetização:
definição: com 15 anos ou mais sabem ler e escrever
população total: 63.4%
macho: 75%
fêmea: 52,1% (1995 est.)

Nome do país:
forma longa convencional: República dos Camarões
forma abreviada convencional: Camarões
antigo: Camarões franceses

Tipo de governo: regime presidencial multipartidário da república unitária (partidos da oposição legalizados em 1990)

Capital nacional: Yaounde

Divisões administrativas: 10 províncias Adamaoua, Centre, Est, Extreme-Nord, Littoral, Nord, Nord-Ouest, Ouest, Sud, Sud-Ouest

Independência: 1 de janeiro de 1960 (da tutela da ONU sob administração francesa)

Feriado nacional: Dia Nacional, 20 de maio (1972)

Constituição: 20 de maio de 1972

Sistema legal: com base no sistema de direito civil francês, com influência do direito consuetudinário não aceita jurisdição obrigatória de ICJ

Sufrágio: 21 anos de idade universal

Poder Executivo:
chefe de Estado: Presidente Paul BIYA (desde 6 de novembro de 1982)
chefe de governo: Primeiro Ministro Peter Mafany MUSONGE (desde 19 de setembro de 1996)
gabinete: Gabinete nomeado pelo presidente
eleições: presidente eleito por voto popular para uma eleição de sete anos realizada em 12 de outubro de 1997 (próxima a ser realizada NA em outubro de 2004) primeiro-ministro nomeado pelo presidente
resultados eleitorais: O presidente Paul BIYA reelegeu a porcentagem dos votos & # 151Paul BIYA nota de 93% - os apoiadores dos candidatos da oposição boicotaram as eleições, tornando uma comparação das quotas de votos relativamente sem sentido

Poder Legislativo: Assembleia Nacional unicameral ou Assemblee Nationale (180 assentos membros são eleitos por voto popular direto para cumprir mandatos de cinco anos, nota & # 151; o presidente pode alongar ou encurtar o mandato da legislatura)
eleições: realizado pela última vez em 11 de maio de 1997 (próximo a ser realizado em NA em 2002)
resultados eleitorais: por cento dos votos por partido & # 151NA assentos por partido & # 151CDPM 109, SDF 43, UNDP 13, UDC 5, UPC-K 1, MDR 1, MLJC 1 nota & # 1517 assentos contestados serão preenchidos em uma eleição em um momento a ser definido pelo Supremo Tribunal
Nota: a constituição exige uma câmara alta para a legislatura, a ser chamada de Senado, que o governo diz que será criada em 1998

Poder Judiciário: Supremo Tribunal, os juízes são nomeados pelo presidente

Partidos e líderes políticos: Movimento Democrático Popular dos Camarões ou CPDM (controlado pelo governo e único partido até a legalização dos partidos de oposição em 1990) [Paul BIYA, presidente]
principais partidos da oposição: União Democrática dos Camarões ou UDC [Adamou NDAM NJOYA] Movimento para a Defesa da República ou MDR [Dakole DAISSALA, líder] Movimento para a Juventude dos Camarões ou MLJC [Marcel YANDO, líder] União Nacional para a Democracia e o Progresso ou UNDP [Maigari BELLO BOUBA, presidente] Frente Social Democrática ou SDF [John FRU NDI, líder] União das Populações dos Camarões ou UPC [Augustin Frederick KODOG, líder] União das Forças Democráticas dos Camarões ou UFOC [Victorin Hameni BIELEU]

Grupos de pressão política e líderes: Alliance for Change ou Movimento Anglófono dos Camarões da FAC ou CAM [Vishe FAI, secretário-geral]

Participação de organização internacional: ACCT, ACP, AfDB, BDEAC, C, CCC, CEEAC, ECA, FAO, FZ, G-19, G-77, IAEA, BIRD, ICAO, ICC, ICFTU, ICRM, IDA, BID, IFAD, IFC, IFRCS, OIT, FMI, IMO, Inmarsat, Intelsat, Interpol, IOC, ITU, NAM, OAU, OIC, PCA, UDEAC, ONU, UNCTAD, UNESCO, UNIDO, UNITAR, UPU, WCL, FSM, OMS, WIPO, WMO, WToO, WTrO

Representação diplomática nos EUA:
chefe da missão: Embaixador Jerome MENDOUGA
chancelaria: 2349 Massachusetts Avenue NW, Washington, DC 20008
Telefone: [1] (202) 265-8790 a 8794

Representação diplomática dos EUA:
chefe da missão: Embaixador Charles H. TWINING
embaixada: Rue Nachtigal, Yaounde
endereço de correspondência: B. P. 817, Yaounde Pouch: American Embassy DOS, Washington, DC 20521-2520
Telefone: [237] 23-40-14, 23-05-12
FAX: [237] 23-07-53

Descrição da bandeira: três faixas verticais iguais de verde (lado do guindaste), vermelho e amarelo com uma estrela de cinco pontas amarela centrada na faixa vermelha usa as cores pan-africanas populares da Etiópia

Visão geral da economia & # 151: Por causa de seus recursos de petróleo e condições agrícolas favoráveis, Camarões tem uma das economias de commodities primárias mais bem dotadas da África Subsaariana. Ainda assim, enfrenta muitos dos graves problemas enfrentados por outros países subdesenvolvidos, como um funcionalismo público pesado e um clima geralmente desfavorável para empresas. O desenvolvimento do setor de petróleo levou a um rápido crescimento econômico entre 1970 e 1985. O crescimento foi interrompido abruptamente em 1986, precipitado por fortes quedas nos preços das principais exportações: petróleo, café e cacau. As receitas de exportação foram reduzidas em quase um terço e as ineficiências na gestão fiscal foram expostas. Desde 1990, o governo embarcou em vários programas do FMI e do Banco Mundial destinados a estimular o investimento empresarial, aumentar a eficiência na agricultura, melhorar o comércio e recapitalizar os bancos do país. O governo, entretanto, falhou em prosseguir vigorosamente com esses programas. O mais recente acordo de ajuste estrutural reforçado foi assinado em outubro de 1997 e as partes esperam que seja mais bem-sucedido, mas a má gestão governamental continua sendo um problema. A inflação, que subiu para 48% após a desvalorização de 1994, voltou ao controle. O progresso em direção à privatização da indústria estatal remanescente permanece lento. O novo governo do presidente BIYA de dezembro de 1997 substituiu os veteranos na estrutura de controle econômico do governo por tecnocratas promissores.

PIB: paridade de poder de compra & # 151 $ 30,9 bilhões (est. 1997)

PIB & # 151 taxa de crescimento real: 5% (est. 1997)

PIB & # 151 per capita: paridade de poder de compra & # 151 $ 2.100 (est. 1997)

PIB & # 151composição por setor:
agricultura: 32%
indústria: 27%
Serviços: 41% (1995 est.)

Taxa de inflação e índice de preços ao consumidor # 151: 3% (est. 1997)

Taxa de desemprego: N / D%

Despesas:
receitas: $ 2,23 bilhões
despesas: $ 2,23 bilhões, incluindo despesas de capital de $ NA (FY96 / 97 est.)

Indústrias: produção e refino de petróleo, processamento de alimentos, bens de consumo leves, têxteis, madeira serrada

Taxa de crescimento da produção industrial: N / D%

Eletricidade e capacidade # 151: 627.000 kW (1995)

Eletricidade e # 151 produção: 2,715 bilhões de kWh (1995)

Eletricidade e # 151consumo per capita: 201 kWh (1995)

Agricultura e # 151produtos: café, cacau, algodão, borracha, banana, sementes oleaginosas, grãos, amidos de raiz, gado, madeira

Exportações:
valor total: $ 1,9 bilhão (f.o.b., 1996)
commodities: petróleo bruto e produtos petrolíferos, madeira serrada, grãos de cacau, alumínio, café, algodão
parceiros: UE (particularmente França, Itália e Espanha) cerca de 60%, países africanos, Coréia, Taiwan e China

Importações:
valor total: $ 1,5 bilhão (f.o.b., 1996)
commodities: máquinas e equipamentos elétricos, alimentos, bens de consumo, equipamentos de transporte, produtos de petróleo
parceiros: UE (França 40%), países africanos, EUA 7%

Dívida & # 151 externa: $ 10 bilhões (estimativa de 1996)

Ajuda econômica: A França assinou dois contratos de empréstimo totalizando $ 55 milhões em setembro de 1997 e o Clube de Paris concordou em outubro de 1997 em reduzir a dívida oficial em 50% e reescaloná-la em termos favoráveis ​​com a consolidação dos pagamentos devidos até 2000

Moeda: 1 franco da Communaute Financiere Africaine (CFAF) = 100 cêntimos

Taxas de câmbio: Francos CFA (CFAF) por US $ 1 & # 151608,36 (janeiro de 1998), 583,67 (1997), 511,55 (1996), 499,15 (1995), 555,20 (1994), 283,16 (1993)
Nota: a partir de 12 de janeiro de 1994, o franco CFA foi desvalorizado para 100 CFAF por franco francês de 50 CFAF, ao qual estava fixado desde 1948

Ano fiscal: 1 de julho e # 15130 de junho

Telefones: 36.737 (est. 1991)

Sistema telefônico: disponível apenas para empresas e governo
doméstico: cabo, retransmissão de rádio de microondas e dispersão troposférica
internacional: estações terrenas de satélite & # 1512 Intelsat (Oceano Atlântico)

Estações de rádio: AM 11, FM 11, onda curta 0

Rádios: 2 milhões (est. 1993)

Estações de transmissão de televisão: 1 (1997)

Ferrovias:
total: 1.104 km
bitola estreita: 1.104 km bitola de 1.000 m (est. 1995)

Rodovias:
total: 34.300 km
pavimentou: 4.288 km
não pavimentado: 30.012 km (est. 1995)

Vias navegáveis: 2.090 km de importância decrescente

Portos e portos: Bonaberi, Douala, Garoua, Kribi, Tiko

Comerciante Marinho:
total: 2 navios de carga (1.000 GRT ou mais) totalizando 24.122 GRT / 33.509 DWT (1996 est.)

Aeroportos: 52 (est. 1997)

Aeroportos e # 151 com pistas pavimentadas:
total: 11
mais de 3.047 m: 2
2.438 a 3.047 m: 4
1.524 a 2.437 m: 3
914 a 1.523 m: 1
abaixo de 914 m: 1 (est. 1997)

Aeroportos e # 151 com pistas não pavimentadas:
total: 41
1.524 a 2.437 m: 8
914 a 1.523 m: 19
abaixo de 914 m: 14 (est. 1997)

Ramos militares: Exército, Marinha (inclui Infantaria Naval), Força Aérea, Gendarmaria Nacional, Guarda Presidencial

Mão de obra militar e idade militar # 151: 18 anos de idade

Mão de obra militar e disponibilidade # 151:
homens de 15 a 49 anos: 3.287.626 (est. 1998)

Mão de obra militar e capacidade # 151 para o serviço militar:
machos: 1.663.852 (est. 1998)

Mão de obra militar & # 151 atingindo a idade militar anualmente:
machos: 160.640 (est. 1998)

Despesas militares e valor em dólares # 151: $ 102 milhões (FY93 / 94)

Despesas militares & # 151 por cento do PIB: N / D%

Disputas e # 151 internacionais: demarcation of international boundaries in the vicinity of Lake Chad, the lack of which led to border incidents in the past, is completed and awaits ratification by Cameroon, Chad, Niger, and Nigeria dispute with Nigeria over land and maritime boundaries in the vicinity of the Bakasi Peninsula has been referred to the ICJ with a ruling expected in 1998


Geografia

Situated on the west coast of Africa, Cameroon is bordered to the west by the Gulf of Guinea, to the northwest by Nigeria, to the northeast by Chad (with Lake Chad at its northern tip), to the east by the Central African Republic and to the south by Congo-Brazzaville (Republic of the Congo), Gabon and Equatorial Guinea.

The far north of the country is a semi-desert broadening into the vast Maroua Plain, with game reserves and mineral deposits. This is bordered to the west by the lush Mandara Mountains the Benue River rises here and flows westwards into the Niger.

The country to the northwest is particularly striking: volcanic peaks covered by bamboo forest rise to over 2,000m (6,500ft), with waterfalls and villages scattered over the lower slopes. Further to the south and west are savannah uplands, while dense forest covers the east and south. The highest peak, at 4,095m (13,434ft) is Mount Cameroon, which lies close to the coast. The humid coastal strip is tropical, with a mixture of rainforest and farmland.

The River Wouri, which flows southwest into the Gulf of Guinea, inspired the country's name after 15th-century Portuguese sailor Fernando Po's spoke of the Rio dos Cameroes (river of shrimps).


POPULAÇÃO

The population of Cameroon in 2005 was estimated by the United Nations (UN) at 16,380,000, which placed it at number 58 in population among the 193 nations of the world. In 2005, approximately 3% of the population was over 65 years of age, with another 44% of the population under 15 years of age. There were 99 males for every 100 females in the country. According to the UN, the annual population rate of change for 2005 – 2010 was expected to be 2.3%, a rate the government viewed as too high. The government planned to address the high birth rate, which averages five per woman, with only about 7% of women using contraception. The projected population for the year 2025 was 22,440,000. The population density was 34 per sq km (89 per sq mi).

The UN estimated that 48% of the population lived in urban areas in 2005, and that urban areas were growing at an annual rate of 2.74%. The capital city, Yaound é , had a population of 1,616,000 in that year. Douala had a metropolitan population of 1,980,000. Other cities and their estimated populations include Garoua (425,000), Maroua (299,600), and Bafoussam (242,000).

The prevalence of HIV/AIDS has had a significant impact on the population of Cameroon. The UN estimated that 11.8% of adults between the ages of 15 – 49 were living with HIV/AIDS in 2001. The AIDS epidemic causes higher death and infant mortality rates, and lowers life expectancy.


Republic of Cameroon | Republique du Cameroun

Fundo:
The name Cameroon is derived from the Portuguese word, Camaroes, meaning shrimps. As Portuguese sailor Ferdanando Poo arrived in 1472 at the Wouri river in Douala and discovered so many shrimps in the river he decided to call it Rio Dos Camaroes (River of shrimps, in Portuguese). It was from this word that the territory derived its name which is now spelt in various forms: Spanish spelt it Cameroes Germans, Kamerun English, Cameroon and French, Cameroun.

The territory was colonized by the Germans in 1884 but after the end of the First World War Cameroon was mandated by the League of Nations to the French and British governments. France took the greater sector, formally known as East Cameroon, while Britain took responsibility over former West Cameroon known then as "Cameroon under British Administration".

On January 1st 1960 the French Sector became independent under the new name of Cameroon Republic. Following agitation for independence by the Southern Cameroons - before the name was changed to West Cameroon - a plebiscite was held in that sector of Cameroon on February 11th 1961 under the United Nations supervision. The result of the plebiscite was overwhelming for reunification (233,571 against 97,741) and gave Southern Cameroon automatic independence and unification, which was achieved on 1 October 1961. Thus after the reunification of both sectors, the Federal Republic of Cameroon was born.

After a referendum in May 1972, Cameroon became a United Republic and by a Presidential Decree of 1984 it became the Republic of Cameroon.
(Source: Cameroon Embassy in the Netherlands)

Tempo:
Local Time = UTC +1h
Actual Time: Mon-June-21 17:23

Capital: Yaounde (pop. 1.1 million)

Other Cities: Douala, major seaport and commercial capital (1.3 million), Garoua (424,312), Maroua (409,546), Bafoussam (319,457), Bamenda (321,490), Nkongsamba (166,262), and Ngaoundere (216,300).


Government:
Republic with a strong central government dominated by president.
Independence: 1 January 1960 (for areas formerly ruled by France) and
1 October 1961 (for territory formerly ruled by Britain).
Constitution: 2 June 1972, last amended in January 1996.

Geografia:
Location: Central West Africa bordering the Bight of Biafra (part of the Gulf of Guinea and the Atlantic Ocean)
Area: 475,650 km² (183,650) sq. mi.).
Terrain: Northern plains, central and western highlands, southern and coastal tropical forests. Highest peak: Mt. Cameroon (13,353 ft.).

Clima: Northern plains, the Sahel region--semiarid and hot (7-month dry season)
Central and western highlands where Yaounde is located--cooler, shorter dry season southern tropical forest--warm, 4-month dry season Coastal tropical forest, where Douala is located--warm, humid year-round.

Pessoas:
Nationality: Cameroonian(s) French noun and adjective--Camerounais(e).
Population (2016): 24 million
Ethnic groups: About 250.
Religions: Christian 53%, Muslim 22%, indigenous African 25%.
Languages: French and English (both official) and about 270 African languages and dialects, including pidgin, Fulfulde, and Ewondo.
Literacy: 75%

Recursos naturais: Oil, timber, hydroelectric power, natural gas, cobalt, nickel.

Agriculture products: timber, coffee, tea, bananas, cocoa, rubber, palm oil, pineapples, cotton.

Indústrias: Petroleum production and refining, aluminum production, food processing, light consumer goods, textiles, lumber, ship repair

Exports - commodities: crude oil and petroleum products, lumber, cocoa beans, aluminum, coffee, and cotton.

Imports - commodities: machinery, electrical equipment, transport equipment, fuel, food, cereals, fish.

Imports partners: China 27.9%, Nigeria 13.9%, France 10.9%, Belgium 4.1% (2015)

Official Sites of Cameroon

Presidence de la Republique du Cameroun
The Presidency of the Republic of Cameroon at Unity Palace.

Prime Minister's Office
Official website of the PM and government gateway site.


Missões diplomáticas
Embassy of the Republic of Cameroon
Washington, DC, USA.
Cameroon Embassy
Official Website Embassy of Cameroon in The Hague, Netherlands.
Cameroon Consulate
Sydney, Australia

Estatisticas
Institut National de la Statistique du Cameroun
National Institute of Statistics of Cameroon.

Map of Cameroon
Political map of Cameroon.
Administrative Map of Cameroon
Map showing Cameroon's administrative regions.

Google Earth Cameroon
Searchable map and satellite view of Cameroon.
Google Earth Yaounde
Searchable map and satellite view of Cameroon's capital city.

Cameroon News (in French)
Cameroon-Info.Net
Local and international news.
Camerounlink
News portal site.
Cameroon Tribune
State-owned daily.
La Nouvelle Expression
Daily news.
Le Messager
Daily, published in Douala.

English-language News
The Post
Agora Up Station Mountain Club, a collective African, Cameroonian blog.

Arts & Culture


The National Museum of Yaounde is Cameroon's National Museum, situated in the former palace that was home of many French governors and later the president of Cameroon, the palace was built in the colonial era. The museum exhibits cultural symbols of Cameroon like traditional masks, arms, and musical instruments, as well as contemporary art. - Image: Z. NGNOGUE

The National Museum of Yaounde
UNESCO page about Cameroon's National Museum with its traditional African art collections.

Nativo
bakwerirama
Spotlight on the Bakweri Society and Culture.
Baka Pygmies
Culture, music and rites of initiation of the hunters and gatherers of the Central African rainforest.

Business & Economy

Because of its oil resources and favorable agricultural conditions, Cameroon has one of the best-endowed primary commodity economies in sub-Saharan Africa. Still, it faces many serious problems such as stagnant per capita income, a relatively inequitable distribution of income, a top-heavy civil service, endemic corruption, and a generally unfavorable climate for business enterprise.

Banque Centrale des Etats d'Afrique Centrale - BEAC
Central Bank of Cameroon, Chad, Central African Republic, Congo, Equatorial Guinea and Gabon.

IZF.net, le portail de la Zone Franc CFA
Information about business and investment in the Western African countries within the monetary system of the Franc Zone - CFA. (em francês)

Chad/Cameroon Development Project
Site about exploitation of oilfields in southern Chad, by a consortium of oil companies (Esso, Petronas and ChevronTexaco), and the building of a 1,070 kilometer (663 miles) underground pipeline to a marine terminal off the coast of Cameroon.


Index of Economic Freedom: Cameroon
Summary about Cameroon's economy by The Heritage Foundation.

Travel and Tour Consumer Information

Destination Cameroon - Travel and Tour Guides

Discover Cameroon: 'All of Africa in a single Country' or 'Africa in miniature'.

Mount Cameroon, Dja Faunal Wildlife Reserve, Waza National Park
accommodation, hotels, attractions, festivals, events, tourist boards, tours and much more.

Ministry of Tourism
All of Africa in one country. Discover the cultural heritage of Cameroon.

Cameroon in Brief
by the Cameroon Consulate, Sydney, Australia.

Dja Faunal Reserve
One of the largest and best-protected rainforests in Africa is a UNESCO World Heritage Site. The reserve is especially noted for its biodiversity and a wide variety of primates.

Sangha Trinational
Three contiguous national parks of about 750,000 ha in the north-western Congo Basin, where Cameroon, Central African Republic and Congo meet.

Educação

ASOY American School of Yaoundé
Founded in 1964 primarily for children of American diplomats but it also serves students from all nationalities and religious groups.

Ecole Nationale Superieur Polytechnique ENSP
National Polytechnic School founded in 1971, Yaounde.

Universities
University of Douala
The University of Douala is located in Cameroon's largest city.

Environment & Nature

Centre pour l'Environnement et le Développement -Yaoundé
Site about the center, works on sustainable development, mainly with the rural population of the forest zone.
Limbe Wildlife Centre
Limbe Wildlife Centre (LWC) is a wildlife rescue and rehabilitation project in the South West Region of Cameroon.


Later Bantu Cultures

The Interlacustrine Bantu eventually spread east to modern-day KENYA and TANZANIA and south into the present-day countries of ZIMBABWE, BOTSWANA, MOZAMBIQUE, and parts of SOUTH AFRICA. This movement was very rapid and most likely occurred before 200 B.C. As in the west, Bantu languages scattered widely throughout eastern Africa. After the first eastern expansion ended, East Bantu speakers in southeastern Congo (Kinshasa) and ZAMBIA moved westward and joined with West Bantu speakers. The languages in this area show a mixture of East and West Bantu influences.

The most extensive archeological evidence of Bantu culture in eastern and southern Africa dates from about A.D. 400. By this time, cattle were so important in southern Bantu society that villages were erected around a central pen. In Kenya the first towns built by the SWAHILI—another Bantu people—appeared around 750. Swahili settlements soon dotted the Indian Ocean coast as far south as Mozambique. Around the same time, systems of farming and herding arose in Uganda and RWANDA. These regions featured Bantu settlements with fortified central areas that eventually grew into kingdoms after about 1500.

By A.D. 1000, settlements along the Limpopo River had developed into a town called Mapungabwe—the capital of a Bantu kingdom that controlled much of the surrounding territory. After Mapungabwe declined, it was replaced around 1250 by the kingdom of Great Zimbabwe. This powerful empire flourished for almost 200 years by supplying gold and ivory to Swahili traders from the North. Bantu civilizations continued to dominate south and east Africa politically until European colonial governments displaced them in the 1800s. Today, the Bantu peoples are as diverse as the land they inhabit.

Hundreds of societies in central and southern Africa trace their roots to the Bantu, and about 150 million Africans speak one of nearly 600 Bantu languages. Yet regional differences in environment, livelihood, and history have made each Bantu society and tongue unique. The Bantu languages are so distinct that people who speak one language usually cannot understand their neighbors who speak another. Bantu patterns of social organization, forms of government, and ways of tracing KINSHIP vary widely. (See also Colonialism in Africa, Ethnic Groups and Identity, Livestock Grazing.)


Assista o vídeo: Geography Now! Cameroon!